2 de outubro de 2015

A descoberta do ouro brasileiro e as implicações sociais e de regime.


   Mil seiscentos e quarenta. Um ano simbólico em Portugal, representando a tomada de soberania por parte de uma casa real nacional, depois de sessenta anos incorporado na Monarquia Hispânica. Lá fora, concretamente em Inglaterra, iniciava-se a longa luta entre o Parlamento, desejando afirmar-se, e o poder régio. No nosso país, a Revolução que pôs cobro ao domínio dos Habsburgos haveria de conduzir, lentamente, à afirmação e consolidação do poder do monarca. Desengane-se quem encara este golpe revolucionário como o garante da nossa independência, porquanto esperava-nos vinte e oito anos de duras batalhas (sendo as mais importantes a Batalha do Montijo, em 1644; a Batalha das Linhas de Elvas, em 1659; a Batalha do Ameixial, em 1663; a Batalha de Castelo Rodrigo, em 1664 e, por último, a Batalha de Vila Viçosa, em 1665), que em todas nos singrámos vencedores, até que Carlos II de Espanha reconheceu, por fim, a nossa independência. Enquanto decorriam os conflitos armados, reorganizou-se o governo, sendo coroado Rei D. João IV, nas Cortes de Lisboa de 1641, adoptando uma forma de governo absolutista, que o tornava no árbitro final das decisões do Estado, ainda que ouvisse o Conselho de Estado ou as Cortes (que seriam convocadas cada vez menos a partir, sobretudo, do reinado do seu filho, D. Pedro II).

    As guerras contra a Monarquia Hispânica, ou Espanha, consumiram dinheiro e energias durante mais de um quarto de século. No final do século XVII, a situação económica era precária, os cofres do tesouro estavam quase vazios, mas, apesar de todas as dificuldades, Portugal conseguiu desenvolver e incrementar a cultura da vinha e preparar algum fomento industrial com o Conde da Ericeira. Entretanto, certa ocorrência mudaria por completo a situação do país no comércio internacional; em 1697, foram encontradas minas de ouro no Brasil, na região que ficaria conhecida por Minas Gerais. Depois de um ano de buscas realizadas pelos bandeirantes, o minério seria, por fim, achado. Esta descoberta, por assim dizer, trouxe para a metrópole o mais importante meio de pagamento de então: o ouro, propiciando uma vida sumptuosa que a riqueza agrícola e industrial do país não poderia suportar. A vida e o esplendor da Corte vinham dessa riqueza encontrada no Brasil, que o comércio do vinho, do sal, da fruta, do tabaco e da madeira apenas permitia sustentar o nosso povo operoso. O absolutismo paternalista e opulento de D. João V, que em tudo procurou imitar a corte parisiense, só teve lugar pelo volume colossal de remessas de ouro brasileiro, construindo-se, assim, palácios, igrejas (tão ao gosto do devoto monarca), comprando-se obras de arte dos mais variados escultores e pintores. Todavia, o ouro diminuiria...

     Em 1750, com a ascensão ao trono de D. José, o país teria de conhecer políticas diferentes. Os últimos anos do governo de seu pai já haviam sido difíceis. Sebastião José, o futuro Marquês de Pombal, empreenderia uma evolução do absolutismo régio: o despotismo esclarecido, consolidando o poder régio, ao responsabilizar e expulsar os Jesuítas, também ao amedrontar a velha nobreza, não obstante realizando reformas importantes, administrativas, militares, económicas e sociais, imbuído no espírito das Luzes. Contrabalançando o decréscimo no comércio do ouro, fomentou a indústria do ferro, em Angola, e a indústria do algodão e do cacau, no Brasil. 
       Não mais o Reino conheceria tanta magnificência e fausto como até então.

16 comentários:

  1. Já tinha saudades :3 Obrigado por tratar o Brasil em seu artigo.

    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É impossível falar da história de Portugal nos séculos XVI, XVII e XVIII sem referir o Brasil. :)

      um abraço.

      Eliminar
  2. Não mais, mesmo. Até porque nunca tivemos governantes originais que fossem buscar a "riqueza" noutros pontos e através de outras fontes, como por exemplo, no século XXI na componente tecnológica. Não. Vivemos governados pela mediocridade, pela cunha'zita do pai e do amigo, e da política de baixos salários e baixas qualificações com a desculpa que o país não "pode". O país não pode, por exemplo, sustentar um Eduardo Catroga ou um Dia Loureiro, sendo que se o primeiro diz que trabalha numa empresa privada e como tal essa mesma empresa lhe pode pagar o salário que quiser, não podemos esquecer que esse senhor ajudou na privatização dessa mesma empresa.

    Sobre o período que descreveste, o testemunho deixado (como por exemplo Mafra) são evidentes dessa época e teríamos muito mais para mostrar e admirar que o terramoto que assolou Lisboa não tivesse destruído a cidade (e tudo que nela estava guardado).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, naquele tempo era natural extrair as riquezas dos territórios descobertos e ocupados. Nós assim o fizemos, a Espanha fê-lo, o Reino Unido, os Países Baixos e a França também. Todos o fizeram.

      A realidade da "cunha" é antiga. Aliás, há documentos onde ela surge, pedindo-se cargos, benesses várias aos monarcas. Existe com maior frequência nos países do sul da Europa, é verdade, mas a natureza humana não conhece fronteiras políticas. Acredito que haja em maior ou menor extensão em todo o lado. Talvez as repercussões sejam diferentes. Ainda assim, o tráfico de influência e a corrupção, activa e passiva, são ilícitos típicos no nosso ordenamento.

      É verdade. O terramoto privou-nos de importantes construções da época, como a Casa da Ópera, inaugurada escassos meses antes.

      Eliminar
  3. Entra Ouro em Portugal, e o Tuga deixa de trabalhar e é gastar até mais não. Anos depois entram os dinheiros da CEE. Não se investe em Igrejas ou Palácios, mas sim em condomínios, montes e afins lolololololololol

    Agora são os diamantes da isabelita e mais uns acordos feitos no Dubai. Daqui a uns anitos ficamos a saber de tudo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei como consegues extrair essas brilhantes conclusões de um texto que nada tem que ver com essa realidade que descreveste, mas tiro-te o chapéu por isso, passo a expressão. Lol :)

      Eliminar
    2. Adoro esta parte da história, em que nada se produziu neste país, com a descoberta do ouro no Brasil

      Eliminar
    3. Querido amigo, perdoar-me-ás a correcção, mas produzíamos, sim. Estávamos, por assim dizer, "reféns" do Tratado de Methuen assinado com a Inglaterra, e que muito prejudicou a nossa débil economia, mas além do vinho, como referi, produzíamos outros produtos que, claro está, não eram suficientes para cobrir o luxo da corte joanina. Tens razão, contudo, ao analisar a economia portuguesa dos séculos XVII e XVIII e inferi-la como estagnada e dependente (o que retiro das tuas palavras).

      Eliminar
  4. Muito bem contextualizado. Registro aqui q sou das Minas Gerais ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Paulo. Belíssima terra. :)

      Eliminar
  5. Mark "datas" é contigo e sei o quanto a história te fascina. Não sei como consegues gerir toda essa informação, pois quando estudava essa disciplina, apesar de gostar, tinha um grave problema, as datas :-S.

    E a nossa história é rica nelas, eu sou pobre em as fixar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te sei explicar, No Limite. Provavelmente porque gosto dos factos; a partir daí, tenho de memorizar as datas, fazendo-o de modo inconsciente. Por exemplo, quanto às Cortes de Lisboa que aclamaram D. João IV, é fácil: foram no ano que se seguiu à Restauração, em 1640. Logo, é só juntar mais um. Há estes pequenos truques. :)

      Em verdade te digo, as "datas" não importam assim tanto. Convém sabê-las, claro, até por uma questão de enquadramento, mas algumas há que, enfim, são suplantadas pelos factos.

      Eliminar
  6. Desta história conhecemos bastante pelas aulas do colégio e cursinho para passar no vestibular. Gostava bastante de história, se não fizesse Medicina bem provável que iria para algum ramo de humanas. Rs

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por cá também, sendo matérias aprofundadas a nível do ensino superior. Aliás, no ensino médio / básico não dão a conhecer os detalhes que tive a preocupação em mencionar.

      Eu quero muito vir a poder especializar-me em História algum dia.

      abraço!

      Eliminar
  7. mais uma excelente abordagem da nossa História. não me recordava, já, destes aspectos. tive esta disciplina do 10.º ao 12.º. anos, fiz a específica, e foi uma das minhas disciplinas preferidas. gostava de ter tido um professor como tu (se bem que o meu era bom e foi o mesmo durante os 3 anos).
    sim, ouro e fausto (não o que vendeu a alma); quando o houve, ostentação. está-nos no sangue (o Francisco tem uma certa razão :p )
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tive História do 5.º ao 12.º. Já no 1.º ciclo, ou seja, na antiga "primária", tive uma introdução, sobretudo na disciplina 'Estudo do Meio'. Tive uma professora no 10.º ano e a mesma no 11.º e 12.º anos. Esta última, aliás, com mestrado na área e com alguns prémios académicos. Era excelente!

      Sim, tem certa razão, claro. Aliás, como se costuma dizer em relação ao reinado de D. João V: "Se o Rei pecou, pecou com o povo.", que queria festas, feriados, e teve-os sobremaneira.

      um beijinho. :)

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)