13 de fevereiro de 2010

Birthday Party




Cheguei há pouco tempo da festa de aniversário do filho mais novo do srº Drº. Correu melhor do que eu esperava.
Eu e a mãe chegámos à casa do srº Drº por volta das 15,45 h. Já lá estavam alguns convidados, tanto adultos como crianças. Como estamos no Carnaval (!), as crianças foram fantasiadas. À entrada, fomos recebidos por uma mulher, a empregada, muito simpática que nos tirou os casacos e levou-os. A minha atenção recaiu sobre a decoração. Bem como o jardim, também a casa estava enfeitada com balões, serpentinas, umas bandeirinhas às cores e um enorme letreiro a dizer Parabéns. O srº Drº desceu as escadas e veio cumprimentar-nos, educado e satisfeito. Quase que me raptou a mãe, pois passados uns minutos já nem tinha sinal algum dela.
Aos poucos foram chegando mais convidados, amigos do Drº, familiares e coleguinhas do miúdo. Uma das empregadas deu-me um ridículo chapéu em cone para colocar na cabeça, para além de um apito. Reparei no buffet. Estava detalhadamente dividido em alimentos para as crianças e para os adultos. Como é evidente, o Drº contratou uma empresa de catering, tal era a quantidade de serviçais. Contei umas cinco.
Fiquei mais de uma hora a olhar para o nada. As crianças brincavam, os adultos conversavam, riam e bebiam whisky (incluindo a mãe). Tirei um rissol de camarão e estava óptimo. Bem me apetecia mais mas, para além de engordar imenso, há regras de etiqueta a cumprir.
Passado pouco tempo, vejo chegar o Martim. Mas, não mostrei entusiasmo. Veio cumprimentar-me com o célebre shake hands, firme e determinado, a ponto de quase me estilhaçar os ossos da mão. Lol Perguntou se me estava a divertir. Fui sincero: -"Não muito!". Respondeu-me: -"Anda daí!".
Levou-me ao quarto. Subimos as escadas. O quarto dele é o típico quarto-de-rapaz-de-2o-anos-hetero. Uma cama de ferro, uma colcha azul. Na parede, um quadro do Sporting, um poster dos Pearl Jam e um cesto de basquetebol. No chão, a respectiva bola. Numa secretária, o notebook e um boneco horroroso para colocar as canetas... Bom, de facto, era uma boneca com mamas de mola enormes que, ao tocar, abanam e fazem um barulhinho. No ar, um perfume cujo nome não consegui decifrar. Só não desmaiei porque parecia mal. Lol Até nem estava muito desarrumado. Sentei-me na cama. Ele, ligou o notebook e começou a teclar no MSN com os amigos. Nem uma palavra... só depois de uma meia hora. Perguntou-me que sons ouvia. Disse-lhe a verdade: -"Eu? Mariah Carey, Lady Gaga, Kylie Minogue entre muitas/os..." Abanou a cabeça, desapontado. Disse-me que não sei o que é música a sério. Só me apeteceu ripostar, mas calei-me... Perguntou-me se, alguma vez, já tinha jogado basquetebol. Respondi-lhe, usando a sua expressão: -"Só gosto de desportos a sério!". Riu-se, do meu tom jocoso. Atirou-me a bola. -"Joga!" Peguei e, como é óbvio, não consegui acertar. -"Eu mostro-te como se faz..." Atirou, ou lá o que é, e acertou. Depois, deu-me a bola e disse-me: -"Tipo, fica parado." Meteu-se atrás de mim, totalmente encostado ao meu corpo, segurou-me nos braços, fez os movimentos e disse-me para lançar a bola. Bingo! Acertei...
Descemos as escadas. Enquanto descíamos, pensei naquela intimidade de há uns momentos atrás. Que atrevido. No entanto, cheguei à conclusão de que aquilo era normalíssimo para ele. Deve ter tido milhões de situações idênticas.
Cantámos os Parabéns ao miúdo. O jardim estava enfeitado e preparado com mesas mas, devido ao frio, o Drº resolveu que ficaríamos dentro da casa. Quando o miúdo abriu o meu presente, fez uma cara de desdém. Não gostou, paciência...
Ainda comemos, melhor, comeram... Comi uma saladinha de beterraba e duas fatias de carne assada. O Martim comeu imenso. Feijoada (aquela carne medonha e gordurosa...), pastéis, salada, batatas... Também, para alimentar 1,90 m... Parecia que não comia há meses.
Às 20 h, estávamos de saída.
Até que nem correu muito mal. Exceptuando os momentos em que nada fiz, poderia ter sido pior... A mãe adorou. Bebeu (muito), riu, falou... Bom para ela. Ela e aquele Drº... humm, já não digo nada... Ele é divorciado, livre...
Era o que me faltava. Ser enteado do srº Drº.
Ao menos aprendia basquetebol...

7 comentários:

  1. Eu sou o Pedro (do Lugar da Mulher é no Tanque), Mark. Podemos partilhar o "nosso" Shemar Moore... Eu não sou ciumento :b

    ResponderEliminar
  2. Está bem, podemos partilhar... :) Há "material" suficiente. :P

    ResponderEliminar
  3. Mais uma história deliciosa...

    ResponderEliminar
  4. Pinguim, não foi nada de interessante, acredita... uma seca. :)

    ResponderEliminar
  5. Pode ter sido uma seca, mas está muito bem escrita!

    E não é todos os dias que 1.90 m te ensinam a jogar basket!

    ResponderEliminar
  6. Foi das poucas partes interessantes, ter um 1,90 m atrás de mim a segurar-me nos braços. :))

    ResponderEliminar
  7. Não me refiro à festa, mas sim ao relato da mesma...
    Acredito que tenha sido uma seca.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)