6 de janeiro de 2011

Roma das Magistraturas ao Poder do Princeps


Com a queda de Tarquínio, O Soberbo, populus romano nunca mais reconheceu o poder vitalício e monocrático de um Rex. O período de transição entre a monarquia romana e a res publica (509 a. C - 367 a. C) foi um período em que o papel do rei passou a ser exercido por dois cônsules, sendo que os dois eram necessariamente patrícios. Em 367 a. C, com a Lex Genucia, um dos cônsules passou a ser obrigatoriamente plebeu, indo de encontro às reivindicações da plebe. Estas magistraturas tinham um carácter anual e dual. Um cônsul podia vetar a lei de outro cônsul e ambos eram responsáveis pelos erros cometidos no âmbito das suas magistraturas. Recordo que as magistraturas eram dotadas de imperium, ou seja, eram um poder em si mesmas.
Com o advento da República (367 a. C - 27 a. C), surgem as magistraturas ordinárias e as extraordinárias. Das magistraturas ordinárias destaco os cargos de Pretor, Cônsul, Censor, Edil e Questor; das magistraturas extraordinárias temos o Tribuno da Plebe e o Ditador.
O Senado, no período republicano, já não era apenas uma assembleia de patrícios, mas sim uma assembleia de toda a população romana. Tinha como funções a condução da política externa, as declarações de guerra e paz, aprovava as despesas para as operações militares, organizava as províncias, auxiliava os cônsules, fixava os cultos públicos permitidos, etc. Para além disso, mantinha o poder de confirmar as deliberações aprovadas nos comícios.
Todavia, com o tempo houve uma deturpação dos valores iniciais das magistraturas romanas e iniciou-se um período de forte instabilidade. Júlio César é chamado a repor a ordem e é nesse contexto que surge Octávio, seu sobrinho, que ganha destaque. Aos vinte anos de idade, Octávio é cônsul e aos poucos torna-se o único cônsul de Roma, adquirindo este cargo para si a título vitalício. Na teoria, Octávio manteve as magistraturas republicanas, porém, esvaziou-as do poder que detinham. Recebe os títulos de Imperator e Augustus.
Com o Principado, dá-se um controlo efectivo do Senado por parte do Princeps: o Imperador tinha mandatum e há, de facto, um aumento do poder centralizado nas mãos do Imperator. O Principado foi um período de grande poder e prestígio para Roma. De 98 d. C a 118 d. C, o Império atinge a sua extensão máxima, começando, a partir dessa data, a caminhar num período de decadência. O carácter dúbio e híbrido do Principado levaria, a par de outros factores, ao Dominado, protagonizado e "inaugurado" por Deocleciano (285 d. C - 395 d. C).

16 comentários:

  1. Isso é História do Latim e a Democracia Grega.
    Foi a pior matéria que dei até hoje --'

    have fun.

    ResponderEliminar
  2. Eu gosto imenso, Filipe, não fosse eu um apaixonado por História. :)

    lots of love ^^

    ResponderEliminar
  3. Sairam este ano bastantes livros sobre o Império Romano e sua "decadencia" com novas teorias. Apesar da minha área ser mais a Historia de Arte e Museologia, naturalmente que a Arte reflecte o pensamento e a ideologia. As estatuas de Octavio Cesar Augusto, refletem toda a sua teoria do poder imperial, através de uma simbologia própria. Ainda bem que gostas de História.

    ResponderEliminar
  4. Pois a mim, foi a minha maior dor de cabeça no secundário.
    O raio do colégio onde andei obrigou-nos a ter Latim porque seguiam ideais católicos --'
    Pobres coitados, mal sabiam eles que andava um anti-cristo ali no meio deles (a) ahahah.

    btw, como anda a tua matemática ? : )

    ResponderEliminar
  5. A minha área também não é História Clássica. Estou mais ligado à História da Idade Moderna e Contemporânea. Todavia, aprecio Roma e a sua civilização fascinante. Agora, em Direito, tenho uma noção mais abrangente da sua importância para o mundo ocidental.

    lots of love, Sôfrego ^^


    Filipe, esta exposição não é leccionada no Ensino Secundário. Felizmente, tenho uma família que sempre me proporcionou bons hábitos de leitura, ora incentivando-me a comprar livros, ora debatendo comigo sobre assuntos fundamentais para qualquer cidadão minimamente culto. Também estudaste num colégio? Eu também. :)
    Matemática? O que é isso? LOL. Já não tenho desde o 9º ano (exceptuando MACS).

    ResponderEliminar
  6. Sim, estudei num colégio.
    Pois eu tive disso no meu colégio, era um dos pontos fulcrais integrantes no meu programa da disciplina de Latim I. O império romano de Cesar Augusto, a construção da Democracia grega, o nascimento de Roma, a hierarquia, a religião romana, as dinastiais do império, a família...
    Eu também sempre fui incentivado a leitura e gosto bastante : )
    Também não tenho matemática desde o 9º ano.

    Eu referia-me as tuas economias, ou já não estás interessado na matéria ? :o

    ResponderEliminar
  7. Magnífica lição de História!
    Sabes bem quanto aprecio estas coisas.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  8. Ah, Filipe, referias-te ao estudante de Economia... Lol :)
    Olha, nunca mais soube dele e nem me decidi em ligar ao pai. Também tenho tido tanto para estudar que não me resta tempo algum para pensar seja no que for.

    lots of love ^^


    Pinguim, obrigado eu pelo teu comentário. :)

    lots of love ^^

    ResponderEliminar
  9. A maioria das pessoas não tem noção do que devemos a Roma. Quem ler este teu texto vai ver no senado algo muito parecido a um parlamento moderno.

    ResponderEliminar
  10. Sem dúvida, Francisco. :) Até os cargos têm imensas semelhanças nas nomenclaturas e no próprio conteúdo.

    lots of love ^^

    ResponderEliminar
  11. Adoro estes teus posts sobre História, pois adoro o tema, especialmente sobre Civilizações Antigas, que de antigas não têm nada.

    ResponderEliminar
  12. Oh, ainda bem que gostas, Eric. :)

    lots of love ^^

    ResponderEliminar
  13. Sinceramente, não só não sou tão fã da civilização Romana como o sou da Grega como, acima de tudo, detesto Direito... Um ano para mim foi o bastante. Espero que a àrea não te tale a visão. Desculpa mas não tenho melhores expressões...


    Stay Well

    ResponderEliminar
  14. Olá Nelson. :)

    Não sabia que tinhas estado um ano em Direito. Olha, também ando com dúvidas em relação ao gostar ou não do curso. Por vezes, sinto que deveria estar em História; outras vezes, acredito que o meu lugar é em Direito. Mas como até agora tem tudo corrido bem, vou continuar até ver. :)

    lots of love ^^

    ResponderEliminar
  15. Apesar de não ser um especialista em história, é sempre um prazer vir aqui aprender qualquer coisa de novo. É esse caráter de individualidade que torna o teu e outros blogs interessantes e deliciosos de ler.
    Uma outra rúbrica que tenho saudades é a da cortesia e boas maneiras. ;-)

    ResponderEliminar
  16. Coelhinho, obrigado pelas tuas palavras. :) És um amor. Eu sou um sortudo. Tenho seguidores e leitores extremamente simpáticos. Gosto imenso de vocês. Isto é mesmo verdade. ^^
    Pois é, a rubrica "Regras de Conduta", há quantos meses!... :) No outro dia pensei em publicar uma. Fiz duas ou três, salvo erro. :) Tenho de pensar numa regra de etiqueta que necessite de mais esclarecimentos e não hesitarei em publicar logo que tenha uma ideia. :)

    lots of love, sweet bunny ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)