7 de maio de 2018

Cultural Sunday... on Saturday [take 17].



   Este fim-de-semana começou cedo, com um sol radioso, num dia bastante quente. Estes dias têm um efeito extremamente benéfico no meu astral. No de todos, presumo eu. A mim, ajuda sobejamente, até porque andar por aí, à chuva, não é nada agradável. A Casa-Museu Medeiros e Almeida e o Museu da Fundação Portuguesa das Comunicações foram as opções escolhidas.

   Comecemos pela Casa Museu Medeiros e Almeida, numa transversal à Avenida da Liberdade. A Casa Museu, como o nome indica, é uma casa que, pela morte do seu proprietário, António de Medeiros Almeida, foi adaptada para museu. Já havia sido criada uma fundação, ostentando o seu nome, nos anos 70. Medeiros e Almeida foi um importante mecenas português, riquíssimo, cujo espólio só foi superado pelo de Calouste Gulbenkian. A sua impressionante colecção particular pode ser observada e apreciada na Casa Museu. Por forma a preservar o seu legado, e em virtude de não ter deixado descendência, Medeiros e Almeida foi perspicaz ao permitir que o público dela pudesse desfrutar. Deixo-vos algumas fotos.



Na primeira foto, a sala de jantar da casa, onde, em 1964, o senhor Medeiros e Almeida deu um jantar de recepção aos príncipes do Mónaco, Rainier e Grace Kelly.

   De seguida, e porque ainda se fazia cedo, dirigi-me à Fundação Portuguesa das Comunicações, ali para os lados das Janelas Verdes, um bocadinho antes. Como só abria às 14h, dei uma volta por aquela zona. Descobri a lindíssima Igreja de São Francisco de Paula, nos Prazeres, da qual vos deixo a sua fantástica torre do sino.


   A Fundação Portuguesa das Comunicações alberga o Museu das Comunicações, inaugurado em 1997. Recordo-me de por lá ter estado, através do colégio, e posteriormente. A museu permite que acompanhemos a evolução que se deu, no nosso país, no que concerne às comunicações, desde os tempos em que era o monarca quem incumbia alguém da distribuição da correspondência até ao advento dos correios modernos. É curioso acompanhar esse longo caminho de séculos. No piso 0 há uma exposição muito curiosa sobre os cabos submarinos que ligam todos os continentes da Terra. Soube que Portugal é o único país do mundo ligado directamente por cabos submarinos a todos os continentes, honrando a nossa tradição marítima. Tudo se deve à importante posição estratégica que temos na Europa.


Na foto, uma "mala-posta", que levava a correspondência já no século XIX, antes da entrada em circulação das locomotivas movidas a vapor.

   Nem só dos correios de ocupa o museu. No piso 1 temos a evolução das comunicações também quanto aos inventos tecnológicos que foram surgindo pelo século XIX, ou aperfeiçoados, dos quais a telégrafo, o telefone, a telefonia móvel, etc., são exemplos. Portugal foi pioneiro também no telégrafo. Durante o Fontismo, foi lançado o primeiro cabo submarino entre Lisboa e os Açores, em 1855. Cinco anos depois, já estávamos ligados a cidades como Londres ou Nova Iorque. No século XX, a televisão e a telefonia móvel revolucionaram completamente o modo como nos comunicamos e como temos conhecimento do que acontece no mundo.


Na primeira foto, modelos de telefones antigos; na segunda, um computador portátil de 1986.

   A parte mais interessante da visita, contudo, estaria reservada pata as 16h. A essa hora, no piso 2, houve uma conferência subordinada ao tema "Casa do Futuro na Cloud - viver numa smart city". Por lá, um monitor do museu, da área das tecnologias, demonstrou-nos, numa casa em tamanho real, como tudo podemos controlar com recurso a tecnologia já existente, ou seja, não falamos de uma casa realmente projectada para daqui a dezenas de anos, irreal, e nada vi num filme projectado. Entrei numa casa e vi o monitor a ordenar, pelo telemóvel ou inclusive pela voz, ao robot Alexa, que erguesse os estores, pusesse o fogão a trabalhar, ligasse e desligasse as luzes, abrisse a porta de entrada, etc., podendo desenvolver várias actividades em simultâneo. Só lá estava eu e umas três famílias. Poucos, o que ajudou, de facto, porque pudemos ver tudo com mais calma e atenção. Não imaginava que já houvesse tanta tecnologia à nossa disposição. Efectivamente à nossa disposição, porque é uma empresa neerlandesa, implantada em Portugal, que a desenvolve. Não me recordo do nome. O robot, a Alexa, ainda só responde a comandos em inglês, porque a tecnologia é norte-americana.


   A entrada no Museu das Comunicações têm um preço associado.
   Já sabem que terão acesso a mais fotos nas minhas redes sociais. Foi um dia produtivo.

   Uma boa semana a todos.

Todas as fotos foram captadas com o meu iPhone. Uso sob permissão.


6 comentários:

  1. Nem preciso de sair de casa, com o que escreves e publicas de fotos :)

    Sempre a aprender

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahah

      um abraço, amigo, e obrigado.

      Eliminar
  2. Que maravilha, quanta preciosidade ... nada como ter o privilégio de viver no velho mundo ... OMG ... que sina a minha de aqui estar entre as bananas ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é. Eu sei que, aí, a produção cultural é pouco significativa. :(

      Eliminar
  3. Mais um dos meus paraísos, esta casa-museu Medeiros e Almeida, onde por vezes vou e fico até fechar.
    É uma coleção desigual, com peças de qualidade extraordinária e outras menos boas, apesar de bastante vistosas.
    No entanto, perante algumas peças da coleção de relógios e de cerâmica, é difícil não parar e estudar cuidadosamente o que está em exposição. Para não mencionar algumas peças de mobiliário - o contador holandês é fantástico. Quanto à pintura, é menos boa.

    Na última vez que ali estive, havia uma família americana, com dois filhos rapazes, estando um deles ainda na puberdade; este último, por falta de vigilantes, abria as gavetas das cómodas e sentava-se em cada cadeira que encontrava, sem que os pais lhe chamassem à atenção (!), o que considerei uma falha grave na educação dos adultos (os jovens fazem aquilo que os deixam fazer, claro!) assim como uma falta preocupante de sensibilidade, face à fragilidade de algumas peças, que são igualmente raras.
    Ainda esperei que tivessem câmaras televisivas espalhadas, e que alguém viesse acudir a todo aquele vandalismo.
    Foi necessário uma intervenção minha para que, com maus modos, a situação se controlasse, enquanto eu estava na mira deles ... mas claro, depois de saírem da minha vista ...
    E encontrei uma veneranda senhora francesa que, sentadinha num banco desdobrável, ia fotografando paulatinamente toda a coleção de cerâmica. Queria escrever sobre ela.

    Há uns meses, no Machado de Castro, deparei com uma volumoooosa senhora, portuguesa, já muito idosa, incluída num grupo que visitava o museu, e que, cansada e pouco importada com tudo aquilo que lhe queriam impingir, não esteve com meias medidas: vendo um delicado, mas apetecível canapé francês, de finais do século XVIII, frágil nas suas delicadamente esculpidas pernas em madeira dourada, Luís XVI, revestido a palhinha, de época (!), sentou-se e ... só ouvi o canapé ranger e inclinar-se para um lado ... alguém ajudou a senhora a levantar-se rápido, tentaram endireitar o assento, mas aquela peça está condenada, não aguentará seguramente o próximo ataque!

    Quanto à coleção da Gulbenkian, está a anos-luz de qualquer destas coleções, pois possui o que de melhor se produziu no mundo, e todas as peças são de primeira grandeza. Até consegue ter peças provenientes do muito célebre Hermitage - a Diana de Houdon é fantástica e conseguir fazê-la chegar de S. Petersburgo a Paris foi uma viagem que fez história.
    Ali estão os únicos Rembrandt, ou, pelo menos, que lhe são atribuídos com alguma certeza, que conheço em Portugal e a coleção dos Guardi é de se ficar sem fôlego.
    Gulbenkian acabou por fazer uma doação bastante importante e curiosa ao Museu de Arte Antiga, pois ele achava que esta instituição, sendo a primeira do país, tinha lacunas que ele considerava importante preencher.
    Algumas destas peças, creio, estão hoje em dia nas reservas.

    Uma boa semana
    Manel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Manel.

      Sim. Na pintura, gostei do óleo de Dona Catarina de Bragança, ainda jovem. A "natureza morta", da qual não sou grande apreciador, abunda por lá. A colecção de relógios é notória. Tantos! As porcelanas também, que têm uma sala logo ao lado da dos relógios.

      Vi um vigilante algo zeloso, mas, efectivamente, os visitantes passeiam-se facilmente. Não gosto que os vigilantes sejam demasiado incisivos, no entanto, exigia-se uma atenção redobrada. Têm ali um espólio de considerável valor.

      A inconsciência das pessoas deixa-me perplexo. Sentar-se num canapé oitocentista!... Que falta de sensibilidade. Por cá, até colocam, em canapés, sofás, cadeiras, etc., um papelinho com um "Não Sentar", bem visível e legível.

      Sim, a colecção do senhor Gulbenkian é bem melhor. Presumo, contudo, que a seguir virá esta do senhor Medeiros e Almeida. Se tanto, é a informação que disponibilizam, quem sabe vendendo o "seu peixe", não sei.

      Uma boa semana, Manel, e muito obrigado!

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)