18 de abril de 2018

A Maldição da Casa de Winchester.


   Adoro terror. O problema dos filmes de terror actuais são os efeitos especiais. Têm-nos em demasia, e isso faz com que se perca qualquer medo que pudesse advir. Este filme, houvesse sido realizado há uns trinta anos, teria tudo para ser interessante; agora, não obstante Helen Mirren ter-se saído bastante bem, apenas tem o dom de nos pregar uns sustos, sobretudo quando entidades misteriosas surgem através de espelhos ou em vãos de escadas. A narrativa seria, a priori, boa: uma casa, cujas divisões são construídas incessantemente; uma maldição; uma mulher dada como louca, porque é do interesse de executivos ligados à sua empresa darem-na como tal; um médico que vai, em trabalho, aferir do suposto delírio mental da senhor Winchester e entidades do além.
   Reparei na preocupação com o suspense, nos planos a meia luz, nas fórmulas exploradíssimas de possessão, mas o filme não funciona. A determinado momento, perguntamo-nos: o que é que uma actriz conceituada como Helen Mirren faz ali? Provavelmente, o roteiro ter-lhe-á interessado, porque a histórica é verídica, passada nos inícios do século passado. Facilmente cairá no esquecimento geral.

    Já não há terror como antigamente.

8 comentários:

  1. Um estilo de filme que não aprecio ... fazer o quer? rs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adoro terror. Bom terror. Passo bem sem o outro.

      Eliminar
  2. Para mim o problema dos filmes de terror é mesmo o facto de as coisas acontecerem sem um verdadeiro motivo senão o de se viver no local errado na época errada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou de se estar no local errado à hora errada.

      Eliminar
  3. Caraças estava a ver que não encontrava esta publicação outra vez para conseguir comentar... xd
    Eu gostei do filme, achei que a atmosfera era muito boa, e cheguei efectivamente a apanhar um ou dois cagaços sem contar....
    Quanto a Helen Mirren lá figurar, acho que tem de se quebrar um pouco o estigma de "x actor/actriz" só serve para fazer "x papel", para além de o género de terror em si não me parecer ser o tipo de género que atraia gente com o curriculum dessa senhora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens boa memória! Lembraste-te de que havia escrito sobre. :p

      O filme pregou-me uns sustos, nada mais. Achei o final mui fantasioso. Naa… Tu deves gostar de ficção. :) O terror, a priori, tem ficção, mas há àquela ficção que pode não o ser tanto assim e a ficção totalmente ficção, passo a expressão. Resumindo: o terror que se foca em realidades que nos são desconhecidas, e que são cientificamente possíveis, assusta-me. Neste filme, vimos acontecerem coisas que vão contra as leis da física até.

      Eliminar
  4. Pode-se dizer que o filme tem um início promissor. Com um vertiginoso plano aéreo, surge o título em forma de brasão, sobre o casarão do título, em clara inspiração dos filmes da tradicional produtora Hammer. Se tem uma coisa que eu não gosto nos filmes de terror atuais, são os screamers, e o que eu mais gosto é o terror psicológico. Gostaria que vocês vissem pelos os seus próprios olhos IT a Coisa 2017 Se ainda não viram, deveriam e se já viram, revivam o terror que sentiram. Depois de vê-la você ficara com algo de medo, poderão sentir que alguém os segue ou que algo vai aparecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também prefiro o terror psicológico. Obrigado pela sugestão, Emma.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)