18 de Setembro de 2014

Scotland.


   O princípio da autodeterminação dos povos é um dos corolários das Nações Unidas. Com o final da II Guerra Mundial e a consciencialização de que o colonialismo chegara ao fim, as potências europeias apressaram-se em reconhecer a independência dos seus domínios pelos continentes africano e asiático, sobretudo, com raras excepções, como Portugal. O colonialismo não terminou. Manteve-se, desta feita com a nefasta neocolonização americana e soviética dos territórios até então dependentes.

   A realidade escocesa é substancialmente diferente. A Escócia era um reino independente em relação à Inglaterra até o destino as cruzar. Com o desaparecimento de Isabel I, a célebre Rainha Virgem, rainha de Inglaterra e principal obreira da hegemonia britânica nos séculos que se seguiriam, após um processo algo turbulento, Jaime VI da Escócia é chamado ao trono inglês, sucedendo a Isabel, que não deixara descendentes. Jaime e Isabel eram primos direitos por via materna e paterna, respectivamente. Desengane-se quem pense que houve, então, uma união entre os dois reinos. Formalmente, a Escócia e a Inglaterra mantiveram o seu status. Dois reinos distintos compartilhando o mesmo monarca. Jaime VI passou a reinar em Inglaterra como Jaime I. Um regime de união pessoal, em tudo semelhante ao que tivemos na Península Ibérica no período que mediou o final do século XVI e meados do séculos XVII (1580 - 1640). Contudo, contrariamente ao que sucederia na península, em que a união pessoal se dissolveria após sessenta longos anos seguidos de vinte e oito de duras batalhas, a Escócia e a Inglaterra, já nos inícios do século XVIII e em pleno reinado da rainha Ana, decidir-se-iam pela união real, por fim, formando o Reino da Grã-Bretanha.

   Actualmente, a Escócia goza de amplos privilégios no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, embora, na prática, esteja sujeita a fortes restrições à sua autonomia por parte do parlamento inglês e da coroa, aos quais se subordina em variadíssimas matérias.
  O que a História tem demonstrado é que o sentimento de pertença, de individualidade que distingue os sujeitos, não se esbate com o passar dos séculos. Há nações históricas que assim se reconhecem e que de forma alguma se revêem nos poderes centralistas, unionistas. Não só no Reino Unido como, também pela Europa, e referindo como exemplo, em Espanha. A saudável diferença é que o Reino Unido, honrando a sua longa tradição democrática, deu a voz ao povo escocês, que hoje decidirá o futuro da Escócia. Com mais ou menos pressão política e / ou económica, e ainda com promessas de reforço da autonomia seguindo no Reino, a última palavra será da população, dos eleitores. O governo espanhol, preso à letra da sua Constituição escrita, rígida, formal, que não será mais do que uma mera desculpa, reprime a voz nacionalista dos catalães, de tudo fazendo para perpetuar uma união forçada e forjada. É a tónica dos sucessivos governos espanhóis, pós-transição, apoiados pelo povo. Consideram Gibraltar um reduto colonial - o último da Europa! - em seu território, mantendo, porém, Ceuta e Melilla, geograficamente no continente africano, naturalmente cidades indissociáveis de Marrocos e da sua integridade enquanto Estado soberano, cujas pretensões desde sempre apoiei. E Olivença. Questões que abordei neste espaço e que estão disponíveis.

    Não deixarei de confessar um apego maior à causa catalã do que à escocesa. Há uma dívida à Catalunha que Portugal só poderá pagar com um apoio convicto e perene, enfrentando os temores económicos de uma afronta àquele que é o seu maior parceiro económico. A sublevação catalã, em 1640, e a opção de Filipe III em sufocá-la, em detrimento do quadro instável que se vivia em Portugal, permitiu que restaurássemos um português no trono, precisamente o futuro D. João IV. Indirectamente, e ainda que não o prevendo, tudo devemos aos amigos catalães, que resistiram, bem como os galegos, irmãos, os bascos, e demais povos de Espanha, ao genocídio cultural imposto por Madrid.

   A manutenção da hipotética Escócia independente, ou da Catalunha, no seio de uma União Europeia insegura, arbitrária, seria complicada, tendo em conta que contraria os ímpetos federalistas que estão presentes na União desde o seu aparecimento.

   Em processos limpos e totalmente democráticos, sem boicotes e fraudes, que se dê a voz ao povo, real detentor da soberania e do seu futuro.

15 de Setembro de 2014

O Eu.


   Ando a revisitar doutrinas que conheci há anos, chegando-me por livros que li ainda sem a bagagem cultural e a idade necessárias para compreender as suas essências. Uma delas é o existencialismo, não o de Sartre, embora coincida. Kierkegaard é um autor que me fascina pelas suas ideias. Fui surpreendido com a inclusão de parte da sua obra na disciplina de Direito Constitucional, inserida nos planos de estudo de um dos melhores professores que já tive e com quem pude aprender muito do que sei na área do direito público.

    O contacto prévio com Kierkegaard, anos antes, ajudou a que estivesse familiarizado com as suas teorias, o que me permitiu certa ligeireza e à-vontade no modo com que o abordei nas provas escritas.

   Somos livres. A liberdade implica responsabilidade, eterno chavão, e angústia. Por podemos escolher, vem a ansiedade. O homem é uma síntese de alma e de corpo sustentada pelo espírito. A angústia é o resultado da relação da liberdade com a culpa. Recusando universalizar os indivíduos na espécie, Kierkegaard defende que cada um de nós existe perante Deus e que foi por cada pessoa que Ele se deixou encarnar, sofreu e morreu. Dotados de liberdade ilimitada, somos uma fusão do infinito, do finito, de temporal e de eterno, de liberdade e de necessidade. O Eu é a liberdade.

    De facto, e tomando-me como exemplo, a escolha envolve angústia. Estamos condenados a ser livres. E há um medo que advém dessa liberdade total.


     Sartre, Jean Paul, surge mais tarde. Houve uma evolução no meu pensamento. E se nunca pusera em causa a existência de Deus, o existencialismo de Sartre não mais é cristão como o de Kierkegaard. 

    Vi-me diante de uma areia desconhecida, movediça e cruelmente verdadeira. Sartre nega Deus, nega deuses, e coloca-nos num patamar de absoluta solidão, continuando a ser livres, talvez ainda mais livres do que na construção de Kierkegaard. Percebo que nascemos, vivemos e morremos sós. Somos livres num mundo desprovido de razão. Um gigante absurdo. Nem sempre o bem vence o mal, como nos ensinam nas fábulas. Retomo a angústia de se optar num mundo sem sentido. Não havendo deuses, não há a quem recorrer no limite. Seremos nós a dar um sentido sem sentido em corpos perecíveis, matéria que se degrada, sujeita às vicissitudes do tempo e das mazelas naturais às quais se somam as que voluntariamente, numa inconsciência consciente, causamos.

     Recusava-me a aceitar o nada, o irracional, o ilógico. Não reconhecendo ao nada o valor da inteligência, que buscava no divino, tudo teria uma origem que não poderia jamais passar pelo surgimento casual e espontâneo do universo. Haveria uma força motriz, precedente, intencional, criadora de todos os mundos e espécies viventes que os habitam. Daí a nossa existência terrestre ser um elo com algo que viria, e que antecederia, latente no inconsciente. Cada vez vejo com mais clarividência de que não é assim. Tudo é o acaso, incluindo o ser humano. Estamos sós perante a não existência de deuses, sós entre nós, cada um consigo.

    Caminharei a passos assustadoramente largos rumo ao ateísmo. Perder Deus será a derradeira etapa de uma descrença progressiva na humanidade e no sentido da vida. E talvez aí, sem o suporte de deuses, encontre o Eu no meio do vazio.

11 de Setembro de 2014

A angústia dos dias que virão.


   De mansinho, anunciando a meia-estação. Nuvens de prenúncio, carregadas, no céu tingido de azul-escuro. O sol que espreita, timidamente. Num ápice, as gotas caem suavemente na terra seca, imprimindo pequenos círculos na matéria espessa. As ervas ganham vida. As cores das corolas acentuam-se.

   Pela janela, observo o movimento. Não se vêem andorinhas. O aguaceiro transforma-se em fumo ao embater na estrada. Extravasando os limites máximos de velocidade permitidos por lei, colunas de carros abrandam ao comando do semáforo.

    Cinco e meia. Abrigo-me numa estação de autocarros. Num assomo de anti-niilismo, procurei responder a todas as minhas dúvidas numa semiótica de respostas sem aparente significado lógico, mas reconfortante. Que me fizessem sentir num caminho, ainda que tumultuoso, revestido de mensagens orientadoras, etapas, fases, pretensos degraus rumo ao infinito de não mais do que a vida humana permite. Uma irrupção de pensamentos díspares, confrontado com a própria solidão de um final de tarde vazio. A eterna luta entre o bem e o mal. Concomitantemente, estava perdido em mim. E as respostas tardaram. Inquietações de um tempo difuso.

    Regresso a casa. Os vidros diáfanos deixam passar a luz e retêm o incómodo. Disperso as aquisições pelo sofá da sala.
    As relações são frágeis, como frágil é a amizade que aparenta vigor. As pessoas afastam-se indiferentes aos laços que cultivam de afecto e atenção, tornando-os momentâneos, o que aferimos num exame de retrospectiva.
   Chove. Sinto-o pelo traçado sinuoso das gotículas quando, tocando umas nas outras, desenham linhas disformes, de contornos indefinidos, até se anularem na calha metálica. Senti-lo-ia ainda que não o visse, pois uma antítese de sentimentos que não consigo afastar é condizente com o cinzentismo lá de fora. Sondei o meu coração e descobri a angústia dos dias que virão, diárias dores, crónicas, em fuga de uma realidade qualquer.
     Absorto dos sentidos, lutando por dar sentido.

5 de Setembro de 2014

De perto.


     Por forma a encerrar as férias, se tanto oficialmente, combinei ir à praia com uma prima. Se pudesse desfrutar do mar sem passar pela praia, fá-lo-ia. Por Lisboa, então, evito. Ainda assim, escolhemos um bom dia, sabendo que o Setembro é, regra geral, menos congestionado.

      Estar de papo para o ar deitado numa toalha, torrando ao sol, além de pouco saudável não me satisfaz. Fui pela companhia e pela vontade incomensurável de sair. Optámos por um guarda-sol da área que está concessionada. Protegemos a pele e os pertences do calor.
     Foi divertido na água. Adoro nadar e nado com um à-vontade que não tenho em terra. Os anos de natação, interrompidos pelas crises de asma, aguçaram-me o gosto pelo mar, não necessariamente por piscinas, que evito. Só não tenho muito jeito em mergulhar ou fazer aquelas piruetas, o pino. Há sempre quem goste de mostrar as suas capacidades acrobáticas...

      Quase deserta, e num dia bom. Razoavelmente quente. Um rapaz estendeu a sua toalha ao nosso lado. Despiu a camisa, de cavas, e exibiu o seu corpo moreno. Reparei que colocava, de tempos a tempos, um líquido incolor, que suponho bronzeador, no corpo. Senti-me constrangido em falar com a prima. Às vezes olhava-nos com uma expressão atenta, compenetrada, como se analisasse o nosso tom de voz. Não serei uma pessoa desconfiada, mas não gosto que olhem para mim com frequência, sobretudo pessoas com quem divido o espaço. Uma vez que não dou atenção a quem me rodeia, por feitio, procuro passar subtilmente.

     O rapaz saía para mergulhar por instantes. Pouco se quedava na água. Notei que não se afastava da margem, quem sabe temendo perder o pé. Só me aventuro por zonas onde não tenho pé quando não há ondulação. Temo sempre que uma onda me apanhe, incauto. Herdei uma distracção da mãe, algo genético, incontrolável. Eu chamar-lhe-ia despistado. Tenho de ter cuidados redobrados para compensar.

      Deitou-se na toalha, puxou os calções de banho para cima e abriu as pernas. "Que lorde", pensei. Nas suas sete quintas apreciando as "babes" que passam (que não passou nenhuma; só senhoras flácidas de meia-idade, varizes nas pernas e efeito casca de laranja nos glúteos). Dava pequenos goles na Luso Limão, virava-se de costas e observava-nos de novo. Voltava à água. Agora mergulhou, destemido, deu braçadas, exibiu-se. Parecia que nos queria impressionar. A prima olhava, curiosíssima, a ponto de desconfiar se para os pinotes do rapaz ou para o corpo. A ele, é provável, aquece o ego. Será um qualquer jogo de sedução que desconheço, meandros do engate, when a man loves a woman or... a man.

- C., esquece, ele não deve ter mais dezanove anos.

    Indignada, ou apenas surpresa, encarou-me com um semblante nervoso. Sorri-lhe. Quis retirar o peso excessivo das minhas palavras, ditas com alguma revolta, incómodo.

     Saiu alguns minutos antes de nós. Almoçámos por ali mesmo e voltámos. Tenho a certeza de que houve um flirt na minha presença. Da parte dela. Lidei mal com isso. Admito que me causa estranheza e até certa repugnância. Como se aquele momento fosse estragado por sentimentos menores, torpes, carnais.

     Depois percebi que há lições que não vêm em livros de mil páginas. Chama-se vida. E temos de conhecê-la.