29 de maio de 2017

Mil.


   Pensei em se deveria assinalar o feito. Nada de extraordinário. Trata-se de um patamar sem qualquer importância. Eu atribuo à estética do número. 1000. É redondinho. Acresceu um dígito. Esta é, então, a milésima publicação do blogue, que terá, seguramente, mais textos do que fotos ou vídeos. Orgulho-me disso. São centenas de artigos, crónicas e alguns ensaios (os possíveis num blogue) originais. Será interessante, daqui a uns aninhos, compilá-los numa obra qualquer. Lá para os quarenta, cinquenta, que é quando dizem que atingimos a maturidade. Como presumo que estamos sempre em constante aprendizagem, acredito que serei um tipo interessante daqui a vinte anos.

    Uma tarde molhada, que inviabilizou por completo poder assistir a um concerto dos Clã, que adoro ( « devia ser como no cinema, a língua inglesa fica sempre bem, e nunca atraiçoa ninguém » ). Com o percalço da chuva, não deixou por isso de ser agradável. Visitei a exposição de Almada Negreiros, patente na Gulbenkian até dia quatro do mês que vem, uma visita que andei a protelar. Como referi numa outra plataforma, vale bem a pena. São dois pisos de telas e esboços, bem divididos e devidamente identificados com as legendas. É um espólio numeroso. Exige calma e paciência, até pelo aglomerado que se gera. Foi das visitas de que mais gostei. O amigo que me acompanhou despachou-se prontamente, enquanto que eu me demorei o tempo suficiente. Vi tudo com atenção.

    Almada Negreiros foi um artista extraordinário, multifacetado até na pintura. A determinado momento, a sua versatilidade enquanto pintor reportou-me aos heterónimos de Fernando Pessoa, com quem, aliás, privou de perto. Enquadrando-o no Modernismo português, Almada Negreiros inspirou-se nas correntes europeias e em nomes maiores das artes plásticas espanholas. Morou em Madrid, tendo essa estadia se reflectido numa parte considerável do seu legado.

    Deixo-vos algumas fotos, o que não é menos caricato por constarem numa publicação em que destaco outras novecentas e noventa e nove praticamente sem elas.




           


8 comentários:

  1. Parabéns! Simples assim! Que venham outros 1000 bem redondinhos e estéticos cheios de inteligência, sabedoria e criticidade.

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, querido amigo.

      beijinho. :)

      Eliminar
  2. Deixa-me ler novamente, o teu blogue tem fotos?! :D

    Outra alegria, digo eu

    Grande abraço amigo

    P.S - Obrigado pelo convite e companhia ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem. (risos)

      um abraço, amigo, e eu é que agradeço. :)

      Eliminar
  3. Pelo que vi já da exposição, é uma exposição que vale bem a pena de visitar! Espero que venha para o Porto! ;)

    Parabéns pelo milésimo post! Venham outros mil [por agora!] [risos]

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale muito a pena. :)

      Obrigado!

      um abraço.

      Eliminar
  4. Muitos parabéns Mark :) .... venham mais 1000.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Magg. Vamos la ver. :)

      beijinhos.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)