18 de abril de 2011

Amo-te Finlândia!


Estou a ficar previsível! LOL Disse, há não muito tempo, num texto relativamente à União Europeia e ao seu fracasso, que Portugal nada tem de familiar com os seus parceiros europeus. Como exemplo, referi a Finlândia. Ocorreu-me. Poderia ter referido a Hungria, a Polónia, Malta ou qualquer um dos países com os quais Portugal nada tem de próximo, salvo o território geográfico, e mesmo esse com reservas. Próximo da Hungria? Onde? (ver o texto, aqui)
Dito e feito. A Finlândia nada sente por Portugal e a maior prova foram as recentes hesitações finlandesas numa provável ajuda ao nosso país. Até compreendo o ponto de vista nórdico: Portugal é um país latino, ocioso, preguiçoso e mau cumpridor das suas obrigações. Resumindo, é um mau aluno. Os povos escandinavos, pelo contrário, são conhecidos pelo seu pragmatismo e sentido de responsabilidade. É natural que não queiram arcar com as dívidas e os défices lusitanos. Bom, a extrema-direita não ganhou as eleições por lá. A ajuda estará - parece - garantida.
Nos mesmos dias destes recentes desenvolvimentos, o Brasil, Angola e Timor - a nossa família - afirmaram que pretendem ajudar Portugal, nomeadamente através da compra de títulos da dívida.
É uma boa demonstração, sobretudo para os europeístas, de que a Europa pouco ou nada se importa connosco. A Europa dá a migalha ao seu vizinho porque é de mau tom ter um quintal tão pobre e desarranjado.
Reitero: a solução para Portugal está na sua capacidade atlântica e na CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa).
Em jeito de conclusão, relembro que, apesar da construção europeia se ter iniciado com o Tratado de Roma, em 1957, que institucionalizou a Comunidade Económica Europeia (C.E.E.), a Expansão Marítima Portuguesa começou com a Conquista de Ceuta, em 1415. 
Nada mais tenho a dizer.








P.S.: Deve ser a primeira foto de um homem em tronco nu que coloco no blogue. Apeteceu-me deixar-vos com algo que relembre a Finlândia! LOL
Ah, o título é irónico. ^^

17 comentários:

  1. Compreendo a visão que exprimes. Mas sabes, também compreendo os Filandeses e sentir-me-ia da mesma forma que eles, se estivesse na sua posição! De um ponto de vista meramente economicista, claro.
    A União Europeia atravessa uma crise de identidade, potenciada pela crise económica. Enquanto não houver uma reflexão profunda sobre o caminho a seguir (o federalismo, parece-me!) temo que mais manifestações deste género venham a ocorrer e o racismo/xenofobia aumente no seio da União!
    É um pouco da minha visão sobre o tema.
    Abraço,
    Ikki

    ResponderEliminar
  2. Ikki, Deus nos livre do federalismo europeu!!! Sou profundamente eurocético e aguardo o fim da União Europeia ou, no mínimo, uma reestruturação profunda. É impossível unir o que é naturalmente e historicamente diferente.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Não te sabia tão eurocético (escrito desta forma até parece que está errado, maldito acordo ortográfico!)! Tenho as minhas dúvidas com o fim da União Europeia, mas acredito numa reestruturação profunda (e acredito que até será no curto prazo!).
    Quanto ao "impossível unir o que é naturalmente diferente", podia fazer um paralelismo com as relações humanas para tentar desmontar um pouco este argumento. :) Como se faz para unir? Com cedências de ambas as partes e um grande espírito de aceitação. Mas talvez seja forçado este paralelismo!
    Abraço,
    Ikki

    ResponderEliminar
  4. Ikki, é um paralelismo um pouco inválido para as relações internacionais. (: Valeu a intenção. (:
    Sim, sou bastante eurocético. Não gosto mesmo da União Europeia. Considero-a - e com ótimos argumentos - uma criação que surgiu devido ao enorme complexo de inferioridade de alguns países europeus que não aceitaram a perda da hegemonia mundial para os E.U.A. Não duvides, o último objetivo da União Europeia é o de enfrentar os Estados Unidos. Claro, não lhe convém revelar os verdadeiros motivos.
    Abraço. ^^

    ResponderEliminar
  5. Bem, convenceste-me, que venha o Quinto Império, o Império Português constituído por Portugal, Brasil e toda a comunidade CPLP Unida numa enorme e poderosa Nação, presente em todos os cantos do mundo!
    Aí nem E.U.A. nem Europa, ninguém nos parava.

    ResponderEliminar
  6. Miguel: Uma utopia saudável. Não creio que uma união nesses moldes volte a ser possível, mas gostava de uma união estreita e sólida entre Portugal e todos os seus bons irmãos. (:

    ResponderEliminar
  7. Partilho da tua opinião :)

    Infelizmente, no passado, já achei "piada" à CE. Mas passou... Como dizes, os países nada têm a ver uns com os outros, ao longo da história.

    ResponderEliminar
  8. Eu não sou euro-céptico (continuo a desprezar o acordo), mas para lá caminho.
    Se eu quisesse e tivesse idade para emigrar em busca de boas oportunidades, escolhia Angola, não para dar satisfação ao teu CPLPismo, mas porque realmente Angola tem potencialidades fabulosas e precisa de gente que queira investir no seu futuro.
    Mas, quanto à Finlândia, o resultado das eleições de lá, não me incomoda nada, pois sei que, de uma forma ou outra, mais tarde ou mais cedo a UE vai aprovar a ajuda a Portugal, pois sabe que se não fizer está a dar uma machadada em si própria. O que me preocupa e muito é o grande peso que estão a ter nos países da Europa central e do Norte, os partidos da extrema direita e o progresso da xenofobia.
    A Europa está velha, cansada e perigosa...

    ResponderEliminar
  9. Paulo, é uma "união" fracassada. Simplesmente não dá. Querem federalizar o que é diferente. O primeiro a acabar será o terrível "Euro". O resto será uma questão de tempo...
    Abraço.

    Pinguim, já antes do Acordo se escrevia "eurocéptico" sem o hífen. (: O Acordo apenas subtraiu o "p". (:
    Eu também iria para Angola. É um país com enormes potencialidades. Será uma potência regional em poucos anos.
    Quanto à Europa (caquética) não há muito mais a acrescentar. É um continente que não reserva nada de novo. Afunda-se progressivamente a cada ano. Esquecem-se de que a "União Europeia" não é mais do que um mosaico de países e povos distintos.

    ResponderEliminar
  10. Parece-me que este blogue vai ter de colocar um aviso de conteúdos! LOLOLOL

    ResponderEliminar
  11. Blog Liker: Ahahahahahahah :P

    ResponderEliminar
  12. Mark, fiquei sensibilizada com sua demonstração de carinho conosco brasileiros. Também sempre considerei os portugueses como irmãos afinal tenho ascendência portuguesa e o sangue português está bem disseminado em nosso dna.
    Nunca fui à Europa mas certamente irei a Portugal antes de qualquer outro lugar.
    Beijo grande

    Laiane

    ResponderEliminar
  13. Laiane, mas é tudo verdade o que disse. Os brasileiros, assim como os cabo-verdianos, os guineenses, os são-tomenses, os angolanos, os moçambicanos e os timorenses são nossos irmãos. A Finlândia é que não é de certeza absoluta, eheh. (:
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  14. Fiquei uns segundos chocados com a foto. Cruzes, é demasiado... lol


    Quanto ao texto, sinceramente acho que esse é um grito que parece nunca ter eco... É triste...


    Stay Well

    ResponderEliminar
  15. Nelson, espero que tenhas gostado da foto. LOL (:
    Portugal um dia aprende...

    Abraço.

    ResponderEliminar
  16. muito rapidamente, só para dizer que amei o teu texto (mas é fácil gostar do que escreves!) e que adorei a tua ironia. e concordo com tudo, até com a escolhado do modelo que para finlandês só lhe falta um nome para nós impronunciável!
    abraços

    ResponderEliminar
  17. Zoninho, muito obrigado pelas palavras. (:
    Abraço. ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)