9 de fevereiro de 2017

La La Land.


   Somos dois noctívagos, daí que os convites cheguem sempre a horas tardias. Em boa verdade, já fui mais. Decidimo-nos novamente pela última sessão, desta vez no Colombo, que é agradavelmente interessante quando está vazio.

    Vamos ao filme. O La La Land é aquela história em que tudo está programado para se ter um bom produto final. A síntese de um bonito conto de amor, com percalços, salpicado de momentos musicais, inesperados, como se vivêssemos um sonho, onde, entretanto, somos confrontados com dilemas e com obstáculos, com o descrédito e com a nossa perseverança. O realizador soube reunir bem diversos elementos: o jazz dos clubes, o teatro, os sessentas, os setentas e os oitentas (Take on Me?) com os iPhones e os comandos para os carros, como se cada realidade tivesse confluído na mesma era.

    Não sei até que ponto é um filme com um final feliz ou não. Não consegui desvendar a mensagem no derradeiro olhar entre a Mia e o Sebastian: se um agradecimento pelo que viveram, se um testemunho de vitória de ambos, na concretização individual dos sonhos, se, pelo contrário, uma despedida infeliz, porque o sucesso e o dinheiro são muito relativos. O meu lado spoiler fica-se por aqui, prometo.

     A Emma Stone deu um verdadeiro show de interpretação. Incorporou a menina sadia e cheia de esperança, desapontada com os reveses, quase infantil nas suas reacções, imatura. Gostei de tamanha versatilidade.

     O género romântico-musical foi recuperado pontualmente por Damien Chazelle. A fórmula é conhecida, todavia não deixa de ser meritório da sua parte criar umas horas de fantasia bem concebida. Saímos quase a levitar com a Mia & amigas, crendo ser possível levar a vida num tom descontraído, como se pudéssemos sair de uma entediante festa (ou do trabalho) a pular e a sorrir, tendo um pianista charmoso à nossa espera. A Emma Stone não é uma Liza Minnelli, mas é uma miúda cheia de talento.
      Eu gostei, e recomendo. O pior que podemos fazer é tentar diminuir uma obra na comparação com velhos clássicos. Hoje em dia nada se inventa. Tudo se reinventa.

14 comentários:

  1. Fiquei curioso com o filme :)

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Depois de ler-te por aqui, fiquei com mais vontade ainda de ver o filme! Só lamento não o poder ver na melhor das companhias, mas outros filmes do género virão! ;)

    Grande abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seguramente que virão. :)

      um abraço grande, amigo João.

      Eliminar
  3. Só há meia dúzia de semanas é que soube da existência desse filme e honestamente, é mais um daqueles produtos cujo hype que se gera à volta do mesmo é tanto, que me tira toda e qualquer vontade que tivesse em vê-lo.
    A Emma Stone (assim como a Jennifer Lawrence) sempre foi levada ao colinho pela maioria das pessoas, logo qualquer filme que faça, é, na generalidade, elevado a uma espécie de "must-see".

    Por muito fã que seja de musicais, acho que vou passar este.
    Plus, não vou muito com a cara do Gosling...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu soube há menos de duas semanas. :) Como é público, não sou, ou não era, muito ligado a cinema.

      Eu creio que o filme tem ganhado visibilidade simplesmente porque é bom.

      Quanto à actriz, olha, nem a conhecia. (risos) Gostei do seu desempenho. Não tinha qualquer preconceito, daí julgar que a minha análise, sendo imodesto, é realmente imparcial.

      O Gosling, achei-o fofo.

      Eliminar
  4. não gosto de musicais, com raríssimas excepções (não me refiro aos clássico: Kelly, Astaire e por aí fora). a excepção foi o Moulin Rouge. vai passar-me ao largo.
    se estás numa de filmes, e se gostares de realismo (é a minha preferência, bem como o SyFy), aconselho-te o Manchester by the Sea.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de musicais. :) Depende do musical, claro.

      Obrigado pela sugestão, Margarida. Não conhecia.

      um beijinho.

      Eliminar
  5. Olá Mark.
    Uma sugestão mais, pode ser? O Moonlight. Ainda está em cartaz. Vi e gostei imenso. É um filme a não perder e que prende a atenção do espectador do princípio ao fim.

    Também gostei do La La Land mas não me entusiasmou em demasia.

    Um grande abraço meu amigo.

    P.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, P. Tudo bem? :)

      Sim, também queria ver esse. Vou sondar o meu amigo para ver se lhe interessa. Obrigado pela sugestão.

      um grande abraço.

      Eliminar
  6. Não percebo o burburinho à volta do filme. Nem as 14 nomeações. Não me fascinou em nada.

    ResponderEliminar
  7. Adorei esse filme, vi-o 2 vezes no cinema, e sim eu sei, sou crazy!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O La La Land? :)) Também quero rever. Gostei muito.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)