31 de agosto de 2012

Matriculas tu, matriculo eu, matriculamos nós.


   Depois de vários problemas informáticos, começou a saga das matrículas para o próximo ano lectivo. Fiquei surpreendido e incomodado. Nunca acreditei em astrologia, apesar de me identificar com mais de metade das características que apontam ao meu signo astrológico. Talvez por isso, sofro ao deparar-me com uma situação nova; o comodismo faz parte de mim, ganhando, até, uma estima pelo contínuo difícil de esquecer. Foi essa a reacção ao deparar-me com a nova secretaria virtual da minha faculdade.

   A surpresa viria com o fôlego a modernidade que por lá se respira. A madeira das velhas carteiras ainda clama pelo retorno de Oliveira Salazar; os professores lançam comentários e observações maliciosas e inquisitórias sobre colegas; a qualquer altura, arriscaria dizer que a probabilidade de um membro renascido da polícia política entrar por entre os anfiteatros mantinha-se elevada. Os novos sítios informáticos são aroma de orquídeas por entre ervas daninhas crescentes. A velha bibliotecária, que olha para um mouse como um colonizador para um indígena no Novo Mundo, palpita sobre passos a dar, dados a preencher e disciplinas a inscrever. Os seus dedos e o seu cérebro, mal acostumados, tiveram de sucumbir diante da modernidade. Uma colega fez-me o favor de relatar a saga maldita.

   Qual herói destemido, escondendo o medo na gaveta da escrivaninha, lancei-me no desafio da inscrição virtual. O manual de instruções, atempadamente publicado, foi o formato PDF que mais detestei nos últimos tempos. Ironia do destino, uma faculdade da I República necessitar de um manual de instruções (!) para a realização das matrículas.

   "Se bloqueares, desata a clicar em tudo o que é link!"

   Sábias palavras. Depois de muita insistência (ou persistência), consegui. Imprimi o recibo e terminei a inscrição. 
   Senti-me um autómato e tive medo de, pela primeira vez, ser invadido no meu quarto por seres alienígenas diferentes do E.T. Os seus corpos seriam computadores da década de 80, as suas cabeças o monitor, as suas orelhas as colunas arcaicas e os seus membros posteriores mouses de dois metros de extenso fio branco. Um modelo Compaq.
   
   Com sorte, encontro um modelo semelhante na minha faculdade.

14 comentários:

  1. Mark, te desejo muitas felicidades e sorte nesse próximo ano letivo. Gostei bastante do texto. Difícil harmonizar e embelezar dificuldades eletrônicas :)

    Abraços!

    ResponderEliminar
  2. Ty:

    Muito obrigado. :3

    Foram dificuldades ultrapassadas. :)


    abraço :3

    ResponderEliminar
  3. as novas tecnologias são indispensáveis, mas ao querer substituir as pessoas por máquinas no sentido de optimização do trabalho, diminuição de recursos humanos surgem situações como a tua. tu, aluno, fazes tudo, inscreves-te, estudas, só falta imprimires o teu próprio diploma de curso :)
    um novo ano lectivo está a começar e esse será bem real e difícil.
    bjs.

    ResponderEliminar
  4. Margarida: Desde que estou na faculdade, as matrículas sempre foram efectuadas pela internet; o problema é que, ao quererem melhorar os serviços, criaram uma secretaria virtual pouco prática e pouco funcional. Além dos "bugs", muitos alunos não conseguiram dar a volta àquele imbróglio! Para piorar, puseram senhoras totalmente inexperientes no, vá, apoio técnico às matrículas. :s

    É, segundo o que dizem, o pior ano do curso!...


    beijinhos :*

    ResponderEliminar
  5. Boa sorte para mais este ano lectivo

    abraço e bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  6. Francisco:

    Muito obrigado. :')


    abraço e igualmente :3

    ResponderEliminar
  7. Tu andavas tão ansioso que a matrícula só podia ser em forma de saga ;)

    Mas as novas tecnologias deviam ser uma opção e não uma imposição, e como dia a margarida tão sabiamente, só falta imprimir o diploma :)

    ResponderEliminar
  8. sad: Ando bastante expectante com o recomeço, é verdade. :p

    Concordo!

    Pois, já faltou bem mais. :D

    ResponderEliminar
  9. Adorei o texto descontraído, Mark.



    Abraços.

    ResponderEliminar
  10. Citizen: Obrigado. :)


    abraço :3

    ResponderEliminar
  11. excelente texto, além de divertido muito bem escrito, espero que a faculdade saiba aproveitar e estimular seu potencial...porque isto elas mal sabem fazer!

    ResponderEliminar
  12. Homossexual e Pai:


    Muito obrigado pelas suas palavras. :')

    ResponderEliminar
  13. Se as matrículas já eram uma saga, agora com o advento da era da informação podem tornar-se um verdadeiro drama. No meu curso fiz uma cadeira a mais porque um erro informático permitiu que acumulasse mais créditos do que os que a licenciatura conferia.

    ResponderEliminar
  14. Coelhinho: Na minha faculdade também existem erros caricatos. :)

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)