25 de agosto de 2010

O Surfista



Hoje teve um dia excelente para a praia. Confesso que adoro estes dias solarengos. Sobressai a cor do céu reflectida na água do mar. Claro que tem os seus inconvenientes: todos escolhem estes dias para irem à praia. Irritam-me imenso aquelas pessoas que a-d-o-r-a-m colocar as suas tralhas bem perto dos outros. Felizmente, devo ter um repelente natural anti-povo. :) Fico sempre bem isolado daquelas massas homogéneas de guarda-sóis e toalhinhas de praia.
Bom, cheguei à praia e, como é hábito, coloquei o meu protector solar, todavia, reduzi um pouco o factor de protecção, uma vez que a pele já está mais habituada ao Sol. Hoje levei um livro para ajudar a passar o tempo e para limitar as minhas estadias na água. É que eu estou quase sempre na água! Nunca vi. Adoro estar na água. É óptimo. O livro, como devem calcular, depressa ficou para trás. Fui para a água. Devido ao bom tempo, a água do mar estava repleta de pessoas. Escolhi um pedacinho mais isolado, se é que isso era possível. Estava muito bem nos meus mergulhos, quando vem uma onda (ali, na praia que frequento, há bastante ondulação) de tamanho apreciável. Aproveitei e mergulhei à sua passagem. Quando emergi da água, sinto cair algo em cima de mim. Era um surfista. Eu tinha reparado nas suas presenças, mas eles estavam bem longe. Aproximaram-se e eu nem me apercebi. Tive imensa sorte. Se tenho "levado" com a prancha, talvez não estivesse aqui a escrever... Vá lá, não me magoei muito. Ele era magro. Pediu-me imensas desculpas e perguntou-me se estava tudo bem. Fui educado, mas fiquei tão irritado, mas tão irritado que só me deu vontade de lhe dizer um palavrão daqueles bem feios. Lá se estalava o meu verniz. Não pode ser. Controlei o meu ímpeto.
Claro que não voltei àquela zona. Fui para perto da multidão... Melhor opção?... Devo ter uma espécie de íman, mas recolho montes de olhares. Sempre foi assim. Saí à mãe e ao pai. Nós somos diferentes, por isso, somos sempre muito olhados. Eu detesto isso. Quem me dera ser a pessoa mais discreta à face do planeta!... Hum, admito, às vezes é bom... às vezes, nem sempre. Desde um homem que estava com o namorado (sim, eu reparei que eram namorados...) que, mesmo com o seu mais-do-que-tudo deitado na toalha, não se coibiu de se meter comigo, ora olhando, ora piscando o olho e lambendo a boca de forma nojenta, blharghhhh!; a um rapaz que estava com duas amigas e, propositadamente, bateu com os braços e as mãozinhas nas minhas pernas; até outro, um africano, alto e musculado que, ao nadar, olhava com aquele olhar à engatatão...  foi um dia completo. Eu não gosto destas situações. Sinto-me mal. Perco toda e qualquer atitude espontânea que possa, eventualmente, vir a ter. Não é assim que me conquistam. Sou diferente até nisso. Fujo de engates como fujo de carnes vermelhas. Fazer o quê?... That's me.
Apesar de tudo, passei um excelente dia. Aproveitei a água. Comi um sandwich fantástico de atum, tomate e maionese feito pela amiga da mãe, que me prometeu que eu ia gostar. E não é que é bom?! Só comi um... 'Tá bem, comi dois, pode ser... :)
Voltei para casa mais moreno e mais feliz ainda.

10 comentários:

  1. Um tipico dia de praia em portugal... sem tirar nem põr!

    ResponderEliminar
  2. e eu fechado dentro de um escritório... não há direito

    ResponderEliminar
  3. Oh Mark, não estarias tu numa praia gay!? XD
    O que te leva a dizer que és diferente? Não somos todos?

    Ah, viste! Sempre aproveitaste a praia... Eu cá estou, cada vez mais branco! ;)

    ResponderEliminar
  4. Ritchie: Pois, infelizmente. :S


    Speedy: Com este calor deve ser mesmo muito chato. Quando está o tempo assim, custa-me imenso ficar em casa, no colégio ou seja onde for, menos numa praia ou piscina. :))


    Vasco: Não, nunca fui a uma praia gay, nem tenho curiosidade. Estava numa normalíssima. :) Lá estás tu. Lol :) Eu disse que sou "diferente" porque uma grande maioria (não todos/as) gosta deste jogo de engate vulgar / sedução banal. Eu detesto. :/
    Estás branco? Tens de vir à praia. :)

    ResponderEliminar
  5. Oh pah, eu sou uma minoria. Os olhos comem, mas nada de exageros.

    Tenho que ir, mas já não será este ano... :(

    ResponderEliminar
  6. Enquanto uns trabalham outros na boa vida. O que me deixa mais chateado é que quando estou de folga, está a chover.
    Admiro a tua forma de criares uma espécie de bolha à tua volta que ninguém consegue penetrar.
    Realmente deves muito giro e tens muitos pretendentes e deste sempre um "não" a todos eles.
    Tens de me dizer que praia é essa. xD

    ResponderEliminar
  7. Eu não sou dado a engates, por isso, parece que tenho uma bolha. xD Engraçado, já não é a primeira pessoa que me diz isso.
    Não é tanto a questão de dar um "não", apenas sou mais reservado. :)

    ResponderEliminar
  8. se essa bolha é assim tão grande vais ficar virgem até aos 40 hehehehehehe.
    Eu também não sou de engates, até porque sou compromentido e bem, mas que não estou morto nem cego, ai isso não estou. Gosto quando me dão conversa... significa que não me deixei bater pela rotina e , se alguns acham piada, então quem está em casa tem motivos para continuar a achar.
    Duas meninas muito simpaticas meteram-se cmg na pria e eu, brincando com elas dizendo que já lá ia o tempo em que era todo jolie, ainda recebi um elogio ao que ainda se mantém muito no sitio. abençoado hehehehehehe

    ResponderEliminar
  9. Ritchie:

    Ahahahah, que graça. :D

    Mas, a minha "bolha" ou cúpula de cristal, como eu lhe gosto de chamar, é penetrável e transponível. Porém, apenas para quem eu sinto que me posso entregar. Percebeste? :)

    Ah, e eu não tenho uma vida muito rotineira, por isso, não corro esse perigo. :)

    ResponderEliminar
  10. Desde que te sintas bem, com bolha ou sem ela, isso é que é o importante.
    Eu também sou comprometido, mas não sou de forma alguma indiferente a olhar ou furtar-me a olhares: isso não significa engates.
    Quanto a praias, digam-me uma praia onde não há gays?

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)