15 de janeiro de 2015

Mansidão.


   Passei pela faculdade. Um dos anfiteatros, vazio, serviu de refúgio. Por instantes, recordei-me dos anos anteriores, nestes meses de provas escritas e de orais. Visitas à biblioteca eram inevitáveis, conquanto preferisse estudar em casa.

   De sempre senti uma atracção por espaços sem gente, escuros. Corredores vazios entre portas mal fechadas. Salas frias, desabitadas, cheirando ainda à madeira do soalho. Ouvir os meus passos, de costas voltadas para um mundo que evito quando posso. Tendo a Björk por companhia, detive-me por lá. Aproveitei e meti algumas aplicações em dia. Não sou chegado a tecnologia. Engraçado que, em criança, estava na vanguarda do que ia saindo. Escolhia os cantos mais sossegados para tirar as minhas consolas e ficar a jogar. Nada emprestava. Via a mãe em cada brinquedo que me ofertava. Estimá-los era como mantê-la junto a mim. Passá-los a outrem seria ceder o seu amor a mãos alheias, expô-lo ao perigo, à deterioração. 

   Numa das investidas ao mundo comum, cruzei-me com o rapaz com quem troquei olhares ao longo do semestre. Estava com a tradicional pasta castanha na mão, a barba aparada pelo traçado do queixo, como faço, e a falar ao telemóvel com um sorriso leve no rosto. A postura própria de quem não tem um intelecto que o atormenta com insistência.
    Tirei um leite com chocolate na máquina de bebidas.

    Quis que me chamasse, muito embora não saiba o meu nome, como não sei o seu.

    De novo, eram vidros o que me rodeava. Que comprimiam o meu vazio. E nem a luz que os atravessava conseguiu encontrar-me.

30 comentários:

  1. Costumo brincar que há dias que gosto de "ver" o mundo... e assim, fico em algum canto, olhando o vai e vem ou muitas vezes em algum lugar tranquilo a [tentar] os pensamentos...

    Não sei, fiquei pensando que as vezes precisamos dar uma mãozinha às coisas, quem sabe se deres um passo para o lado, essa luz não te encontra?! Também pode ser uma questão "de tempo", no tempo certo ela vai virando e quem sabe chega até você. Divagações! ;-)

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aguardo o tempo que trará as respostas às dúvidas e, se não for pedir muito, as soluções para os problemas.

      um abraço grande, Latinha.

      Eliminar
  2. Então e não lhe piscavas o olho ? =P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Um dia até reagi mal, com uma expressão de desagrado / brusca. Mas queria que me chamasse.

      Eliminar
  3. Quase um poema a parte final do texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poema não será, mas algo literário, sem dúvida. Profundo e bonito, como tu. ^^
      Abraço :3

      Eliminar
    2. João, muito obrigado. :)

      um abraço.

      Eliminar
  4. Podias o ter convidado para um chocolate quente, com o que frio que está lol

    Brrrrrrr

    eeheheheheh

    ResponderEliminar
  5. Não deixes que o tempo passe, como fiz.

    O texto está lindíssimo.

    Grande abraço,
    Paulo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca é tarde, Paulo.

      (Eu a aconselhar, até parece...)

      um abraço grande!

      Eliminar
  6. Ai! o Mark está a ser tocado pela irresistibilidade da atração humana. :D
    (fica mal dizer pelo amor, nessa fase)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diria mais tocado pela desoladora sensação de solidão.

      Eliminar
    2. Olha, aí está uma boa forma de deixares de ser solitário. E não, não estou a falar de sexo. Como diz o nosso querido Francisco, "um café não mata nem compromete" ;)

      Eliminar
  7. Mark! Tudo bom contigo?
    No inverno da alma o frio é de doer... A Bjork é uma boa companhia : )

    Abração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ti@go. Cá vou indo. Espero que esteja tudo bem contigo.

      Excelente companhia. :)

      abraço grande.

      Eliminar
  8. |||||
    Gosto de espaços vazios, sombrios, silenciosos. São um desafio à mente, ao intelecto. Nessas alturas sinto que nunca estou sozinho, com aquela estranha sensação que estou a ser observado. A física explica que não existe vazio, ele é ocupado por partes celulares. Eu estou nelas e elas em mim. Mas não é isso que me amedronta, nesses silêncios, parece que os nossos arquivos ficam mais sensíveis, complexos radares perscrutando o universo que me rodeia. Ás vezes acontecem coisas boas, outras nem tanto. Nesta altura de frio, sabe sempre bem ter por perto uma máquina de chocolate quente servido por um anjo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos dois a apreciar os espaços sombrios. Pois é, às vezes também sinto que estou a ser observado. Quem sabe o esteja...

      Não acredito em anjos na Terra. Só anjos caídos. :)

      Eliminar
  9. Recordar é viver....
    Sempre que passo em frente da faculdade em que estudei, sempre lembro de algum acontecimento vivido.
    Tudo passou muito rápido.
    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Também senti que os quatro anos da licenciatura passaram depressa. Bom, eu estava fartinho.

      abraço!

      Eliminar
  10. Tens que arranjar um pretexto e falar com ele :)
    abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saúdo-o. :) Ele também o pode fazer.

      um abraço.

      Eliminar
  11. Um saco isso, ter tudo nas mãos, ter a chance e "faltar coragem" ... já passei por isso tantas vezes ... pois, crie coragem e faça o que deve ser feito, rs..

    http://suckitmydick.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No meu caso não se trata de "falta de coragem". Por nenhum momento quis chamá-lo ou interpelá-lo. Apenas quis que fosse ele a chamar-me. Não tenciono abordá-lo.

      Bem, que blogue pesado, hahah. Fui espreitar.

      Eliminar
  12. Com exceção da Bjork, somos muito parecidos... Rs. Também penso, às vezes, em ser abordado, mas nunca passa pela minha cabeça em abordar outra pessoa.

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Björk é um bálsamo. Tem uma voz especial e gosto daquele ar freak. É estranha.

      Não é? Ser abordado é muito melhor do que abordar. Nunca abordo... seja no que for. :)

      um grande abraço!

      Eliminar
  13. Markzinho às vezes temos de correr riscos e dar um passinho à frente. Quem sabe o rapaz também não esteja a espera que o chames.

    Mete conversa, o pior que pode acontecer é nada acontecer.

    Abraço ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade. Talvez ele espere o mesmo, sabe-se lá.

      um grande abraço, amigo Rúben.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)