19 de janeiro de 2012

Garden.

 Precisei de um tempo para mim. Não senti que necessitava de fugir - talvez fosse o melhor - mas naquele momento era eu ou os outros. É impossível que não projetemos o que fazemos nos que nos rodeiam e amam. Geralmente, desejamos o melhor para nós não por nós próprios, mas por cada um que nos ama e se sente feliz com as nossas vitórias pessoais. A nossa angústia é sempre preferível que seja suportada por nós.
 Atirei com os livros para o sofá da avó. Não consegui mais. Abri a porta e saí, sem que fosse ao site da faculdade verificar se alguma nota tinha sido lançada.
 Percorri os espaços como se levitasse pelo ar. Entrei num jardim e sentei-me num banco. Os ramos das árvores, densamente preenchidos de folhagem verde no verão, estavam agora despidos, de cor castanha-clara. Os raios do sol aqueciam-me demasiado, sendo que nem uma brisa soava por entre as árvores altas que se erguiam sobre mim e sobre todos aqueles que, fazendo exercício ou acompanhados pela solidão, dividiam aquele lugar comigo.
 Não queria ninguém ao meu lado, nem desabafar os receios que guardo. Levantei-me e dirigi-me a um pequeno bebedouro que observei ao longe. Molhei a franja do cabelo ao beber água, o que me levou a pensar que está na altura de lhe dar um pequeno corte, mal a inércia se disperse.
 Procura-se quem viva realmente a vida, passo a redundância. Ciclistas circulavam em redor do jardim. Amanhã hei de aprender a andar de bicicleta.


14 comentários:

  1. Totalmente adequado ao meu último post :)

    ResponderEliminar
  2. Julgo que também ando a precisa de um tempo para mim...

    ResponderEliminar
  3. Compreendo o que sentes nestas alturas.

    Andar de bicicleta é muito bom. Vai aprender... depressa!!!

    ResponderEliminar
  4. Oh fofinho...parece que não estás lá muito bem (pelo menos foi o que percebi pelo post).
    Não sei o que aconteceu,e espero que não seja nada de grave,mas se precisares eu estarei aqui para ti :)

    E já agora,mais uma vez lindíssimo texto,apesar de uma parte me parecer tristinha :x

    Beijinho* grande,e espero que fiques bem.

    ResponderEliminar
  5. Reforço o meu último comentário.

    ResponderEliminar
  6. Nada como um bom passeio de bicicleta :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Sempre que preciso esconder-me do meu mundo vou passear para o campo. Adoro o cheio do pasto molhado, dos eucaliptos... são momentos só meus, mesmo que sejam momentos tristes, aquelas reflexões já ninguém me pode tirar. O importante é não tornar isso uma forma de estar na vida!

    ResponderEliminar
  8. Gostei imensamente do texto.Há momentos que precisamos fugir de tudo e todos mesmo,é necessário...
    Bjs!

    ResponderEliminar
  9. Obrigada,os diálogos que escreve falam por meio dos personagens aquilo que me falta coragem de dizer.Bjs!

    ResponderEliminar
  10. Força Mark!
    Desculpa esta ausência (apenas presencial porque em espírito aqui estou sempre!).
    Por favor, vive!!!

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  11. Mark, para aprender a andar de bicicleta: http://www.cenasapedal.com/escola/abc-da-bicicleta Não há nada melhor que sentir as pernas a girar ao pedalar e o vento na cara para limpar a mente. ;-)

    ResponderEliminar
  12. Espero que 'aprender a andar de bicicleta seja uma metáfora'. Se assim o é e se percebi corretamente, espero mesmo que te empenhes nesse objetivo, mas não faças disso o teu único transporte.

    ResponderEliminar
  13. Ana, obrigado pela disponibilidade. Tenho muita curiosidade. :) Vou ver o site que me indicou. Obrigado.

    ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)