30 de outubro de 2011

All I wanted that night...


Fruto talvez de uma necessidade de proteção, começo a pensar no Natal com carinho. Às vezes tenho medo de perdê-lo.
Aprendi, talvez à minha custa, de que os bens materiais não são tão importantes quanto me pareciam. Também me julgo demasiado, é verdade, mesmo sabendo que o amadurecimento faz parte da vida e que mudamos continuamente.
Este ano, vivo um período pré-natalício à americana, onde o Natal começa logo após o Halloween. Melhor, antecipei-me mesmo aos americanos no que a isso diz respeito.

Lisboa parece-me apática. Na rua, cada um segue o seu caminho numa cidade sem brilho. Faz frio, de noite, mas não o sinto. Senti-me perdido, como se as vidas que seguiam ao meu lado tivessem um rumo definido, exceto a minha, mesmo sabendo que isso não é verdade.

Vamos alegrar um pouco, vendo consumir.

Um final de tarde na baixa pombalina não resolve. As ruas, pouco iluminadas, atenuada a escuridão pelo brilho incandescente das lojas, parecem caminhos tortuosos e sem fim à vista. Perigosos. Passa uma senhora loira, de meia-idade, carregada de sacos, bem vestida e a falar apressadamente ao telemóvel; no passeio paralelo, caminha um sem-abrigo, sujo, doente, esfomeado e a falar sozinho. A luz da loja de roupa encadeou-me os olhos. Pessoas correm apressadamente à volta das roupas que lhes agradam, outras experimentam casacos, encolhendo as barrigas para que consigam apertar os botões. A empregada, inexperiente, baixa o olhar, envergonhada, ante uma reclamação incendiada de uma cliente nervosa.
Saí.
Agora, três rapazes, embriagados, falam em tom alto encostados a uma parede grafitada. Tentei ver o escrito, mas a penumbra não mo permitiu. Mudei de passeio.
Desci a estreita rua inclinada que termina num cruzamento. Virei à direita em direção ao Tejo. Pergunto-me que encanto terá Portugal para que tantos turistas o visitem.
A corrente de ar, marítima, levou-me a vestir de novo o casaco e a sentir um calor, artificial que fosse. As luzes da Ponte refletem-se na água do rio. Sinto-me como se fosse o único na praça e toda a cidade parasse a olhar para mim. Apeteceu-me rodopiar sobre mim próprio, mas depois ficaria com tonturas e não teria onde cair de forma segura, nem uns braços que me pudessem segurar. Será que o rei se incomodará com a minha presença?

Absorto pela minha realidade, deturpei a vontade e fi-la minha. O princípio da noite de sábado seria meu. Sem o estudo, sem os livros e até mesmo sem mim. A melhor experiência é deixar que o momento nos conduza.
Esqueci-me da fome - que porventura não tinha - das horas e do tempo. Queria voltar sem ver ninguém nas ruas. O mundo vazio. Preciso de uma ilha deserta. Mas saberia como a moldar, porque a vontade continua a ser minha e dentro de mim nada há que não queira. Os ditadores nunca conseguiram extinguir os sonhos e até eles caem. As estátuas poderão ser derrubadas e as árvores morrem, mesmo que de pé. Os sonhos ficam, pelo menos até que a sua força motora viva. Depois, bem depois não sei, mas se agora valer a pena, não interessa o que aí vem.


12 comentários:

  1. Simplesmente adoro-te!

    Diogo

    ResponderEliminar
  2. Por que não experimentas um fim de semana de turismo rural em Manteigas? Com o teu eu estarás, em harmonia e no encanto de toda aquela fascinante "natureza" que ainda hoje me seduz.

    Just fly.

    ResponderEliminar
  3. já te disse que tens um "pequeno" dom? Saudades de ler os teus pensamentos.

    ResponderEliminar
  4. Puxa, obrigado, Diogo. Sem palavras. ^^

    Paulo, bem que eu precisava de uns dias num local calmo. O turismo rural, que nunca fiz, deve ser excelente para descansar.
    Obrigado. ^^

    Speedy: Oh, és um simpático. ^^

    Abraços a todos (:

    ResponderEliminar
  5. Já escrevi assim outrora...entretanto perdi esse dom, consequência de querer simplificar tudo ao máximo... perde-se a capacidade de querer trabalhar bem as palavras. Não te deixes perder esse dom, escreves lindamente!!

    ResponderEliminar
  6. Emanuel: Claro que não perdeste. É só uma questão de te empenhares novamente nesse sentido. (:
    Oh, obrigado. ^^

    ResponderEliminar
  7. Escreves com uma naturalidade incrível!

    ResponderEliminar
  8. há pouco estive aqui a explorar isto e encontrei este design... apetecia-me mudar o blog, para ver se ganho entusiasmo para voltar a escrever... Mas gostaste ?

    ResponderEliminar
  9. oh...ok. Vou mantê-lo assim durante um tempo, depois volto a pôr como estava...

    ResponderEliminar
  10. Precisava mesmo de algo novo, percebes? :b

    ResponderEliminar
  11. Caso contrário perco o entusiasmo...

    ResponderEliminar
  12. Gostei bastante do que escreveste*

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)