26 de agosto de 2011

Think Less.


Fui almoçar fora com a mãe. De tarde, pedi-lhe que me deixasse perto de uma livraria no centro da cidade. Fê-lo, meio contrariada, mas percebeu que hoje o dia era meu.
Não me detive muito tempo no meio daquelas estantes cheias de ideias, novas e antigas, úteis e nem tanto. Hoje, recusei-me a pensar. Porque pensar é entediante, provoca dores de cabeça e, mais das vezes, complica mais do que resolve. Porque pensar envelhece, como dizia uma tia já falecida, e no caso dela teve o efeito desejado. Morreu, é certo, mas com uma pele fantástica. Ela dizia, já no final da vida, que queria ser um cadáver bonito. Conseguiu-o.
Jamais me inspirei no seu modo de estar na vida e acredito que quem pouco pensa, morre vivo. Bastante paradoxal.
Meti-me num jardim. Naqueles jardins onde habitualmente morre a esperança de um dia vazio. Lisboa tem-os às dezenas e nenhum me preenche as medidas. Sentei-me num banco e arrependi-me momentaneamente de o fazer. O vento que se fazia sentir debaixo de duas imponentes árvores remexeu-me o cabelo.
Vi dois rapazes a correrem lado a lado. Talvez da minha idade. Corriam. Paravam. Faziam flexões (ou tentavam). Voltavam a correr. Paravam. Recomeçavam. Dois amigos. Espera. Ao fazerem exercícios, ambos se tocavam. Simples atividade física ou homoerotismo? Não gosto de observar "pessoas". Deixei o assunto de lado.
Um foi-se embora e o outro continuou a corrida. Agora passou à minha frente e reparou em mim. Sentou-se não muito longe e começou a mexer no telemóvel. Quando se levantou, olhou para mim, sorriu e acenou-me um adeus. Saiu do jardim.
Provavelmente não pensou duas vezes ao acenar-me. Não pensou, como eu não pensei ao entrar no jardim, como a vida pode ter detalhes insignificantes quando não se pensa. Eu não tenho esses detalhes porque penso. Feliz é quem pensa de menos.



11 comentários:

  1. Ora nem mais!
    Nos momentos em que não se pensa e simplesmente se faz é libertador!

    ResponderEliminar
  2. Ja dizia o ditado "ignorancia é felicidade", e nao foge ao teu paradoxo... Ignorante é nao saber, nao saber é em ( muita) parte nao pensar...
    Leva-nos a pensar que afinal quem pensa muito, predicta os passos e muitas vezes nao arrisca, e assim dura mais...mas no entanto nao "vive"...

    ResponderEliminar
  3. Não concordo contigo.
    Não pensar pode ser libertador e até dar prazer...mas será sempre um prazer momentâneo...

    O que é realmente significativo só pode existir com o pensamento...
    Mas olha, não te sigas por mim, mesmo que o quisesse, já não sei ser de outro modo.

    Abraço

    http://www.rabiscosincertossaltoemceuaberto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Eu também queria ser assim, Rabisco. Queria ser como as pessoas que não pensam, mas, tal como tu, penso demais. :/

    Abraço. ^^




    Abraços a todos também.

    ResponderEliminar
  5. Existem tempos próprios para experimentar, para errar, para... Se os não vivermos ou sentirmos iremos fazê-lo mais tarde, de forma descontextualizada e magoando outros.

    De um emotivo racional para ti um pedido: solta-te vivendo. Correr e lançar um "adeus" são atitudes libertadoras da alma. Dança com o vento que o teu cabelo insiste em procurar confundir.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Todos temos dias assim.

    Sorte tua teres os jardins de Lisboa... eu nem sequer isso tenho...

    ResponderEliminar
  7. Não tenho o hábito de caminhar pelos jardins. Trazem-me algumas recordações da minha infância. Passeava muito com o pai e a mãe pelos jardins da Gulbenkian, Campo Grande, etc. Na sexta, lembrei-me de que poderia meditar um pouco num banco de jardim. ^^

    ResponderEliminar
  8. Eu sou muito Carneiro e impulsivo; numa situação dessas, possivelmente deixava de lado o pensamento e seguia o impulso; já o fiz várias vezes e foi compensador...

    ResponderEliminar
  9. há pessoas que pensam de menos e que por isso são felizes, mas não é (nem pode ser) universal.

    ResponderEliminar
  10. Talvez por tanta gente "pensar de menos" é que a Humanidade chegou aonde chegou. Não achas que muita gente tem preguiça de pensar?
    [Que não é, de todo, o teu caso!]

    Creio que boa parte dos portugueses passa a vida a criticar e a lamentar.

    Mas...
    ...e que tal propôr?
    Inovar?
    Re-criar?

    Pensar em novas soluções para os problemas que se arrastam à tanto tempo?

    Eu acho que as coisas poderiam melhorar bastante com isso. Bastava que muitas pessoas passassem a pensar mais. ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)