29 de janeiro de 2011

Um Medo Maior


O amor, sendo um sentimento maior e abstracto, deve ser vivido de forma espontânea e livre. Se o amor é o verdadeiro motor da Humanidade, porque razão milhões de seres humanos escondem o seu amor, tão legítimo como qualquer outro, dos olhos impiedosos do mundo? E que direito tem o mundo de julgar um amor como sendo superior ou quantitativamente inferior a outro sentimento idêntico? Existirão, porventura, amores mais válidos, reais ou merecedores de um tratamento diferente?
O amor é só um, manifestando todo o seu esplendor de variadas e diversificadas formas. Não existe uma fórmula para amar, um guião de como, quando e quanto amar. Ama-se e é tudo. E amar é o que basta ao mundo. Todas as formas do amar devem ser entendidas como algo de benéfico e não de destrutivo. Uma forma diferente de amar não compromete outra forma diferente de amar. Ambas poderão coabitar livre e espontaneamente, com o acréscimo de que a tolerância enriquece e compromete a fidelização da diversidade.
Não existe, por isso, uma supremacia de um amar sobre outro amar. Existe, isso sim, a supremacia do amor sobre todos os sentimentos que radicam na nossa sociedade.
Contudo, o amar exige, nos dias de hoje, uma boa dose de coragem. Sobretudo o amar diferente. O amar contra ventos e marés, tempestades de preconceito e trilhos ardilosos. Apenas o acto simbólico de amar é uma prova de valentia num mundo carregado de ódio e de sentimentos nefastos. Mas o amar diferente é o mais complexo. É um amar menosprezado, como se se tratasse de uma mera peça barata que vai a leilão. Um amor olhado com desdém, visto como o cúmulo da loucura e da insanidade de dois seres humanos. Então, torna-se um amor escondido, marginalizado, tratado como o lixo imoral que vagueia na perdição. Este amor é um filho menor de um mundo imperfeito, amoral e desprovido de tolerância.
É um amar com medo. 
É um medo maior.








 A todos os que sofrem por amar... diferente.

9 comentários:

  1. Olá Mark. Senti-me profundamente tocada com suas palavras (um desabafo), acho que alguém cheio de amor no coração e em todos os órgãos onde o sangue pulsa jamais condenará o amor, porque quem ama de fato reconhece em outro ser amor independente de sua manifestação. Infelizmente, muitas pessoas perderam a capacidade natural de amar em detrimento de regras sociais, de uma mania de organização patológica. Você já viu um infeliz preocupado com a felicidade do outro?
    A coragem que supera o medo que nos toma para amar plenamente só torna ainda mais nobre o sentimento.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Gostei do post, bem interessante....
    Alguns tem medo de amar, medo de sofrer.... Outros amam de tal forma, que nao se valorizam, se sujeitam a tudo...
    Indepndente disso, o Amor é o combustivel da vida...
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. epa, mark concordo ali com as palavras da juci. ao ler este texto fiquei tocado porque eu sei que é amar "diferente" como tu lhe chamas. parece mesmo que tiraste-me uma foto à alma... abc.

    ResponderEliminar
  4. de tudo aquilo que já escreveste aqui, isto foi aquilo que gostei mais.

    Coragem é coisa que falta sempre.
    primeiro para assumir por dentro. depois para assumir perante os outros...
    e quando nada disto se cumpre, o meu analgésico mais eficiente é censurar esse sentimento..

    ResponderEliminar
  5. Mark, dás-me sempre tanto para ler, mas eu gosto, pois cada palavra tua tem magia. Tens um vocabulário muito bom e eu gosto disso. Palavras fortes envolvem-nos o pensamento e deixam-nos sempre com vontade de ler mais :)

    ResponderEliminar
  6. Mark, tocaste na minha ferida. Como custa viver diariamente esse amor diferente, como se houvesse por acaso sequer dois amores iguais. Como o ser humano pode ser paradoxalmente tão tolerante e cruel para os seus iguais. Argh...

    ResponderEliminar
  7. Obrigado, pela parte que me toca.
    Quanto a dizeres que "amar diferente" é "amar com medo", isso depende.
    Eu não tenho qualquer medo de amar diferente! Embora saiba que há muita gente que tem (o Déjan, por exemplo) e isso explica-se pela homofobia reinante que não permite a muita gente assumir-se.
    Eu assumo-me completamente, pelo que sou feliz!

    ResponderEliminar
  8. Adorei simplesmente! [para não dizer que amei, eheheheh ;)]

    Uma vez mais, as palavras certas no momento certo! :3

    Obrigado! :D

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)