29 de novembro de 2015

Almost December.


   O ano aproxima-se da recta final. O último mês, para muitos o mais aguardado. Tenho um sentimento misto com Dezembro. Por um lado, mantenho a ingenuidade própria das crianças. Anseio por montar a árvore, por decorar a casa. Gosto do lado festivo do Natal. Da iluminação, incluindo nas ruas, do reboliço, das músicas, dos gorros e dos cachecóis coloridos. O reverso encontra alguma melancolia nas recordações que traz, dos anos em que tive verdadeiramente uma família. Não a melhor, a mais equilibrada: a minha, e dessa sinto profunda saudade.

    Por vezes, é como se lutasse contra uma maré. Têm-me dito de que se trata apenas de mais uma época, que seria suposto relativizar a importância que dou a dois dias desvirtuados por completo do seu sentido primitivo. Refuto a crítica. As semanas natalícias são, no fundo, o pouco que ainda não foi tomado pelo realismo da vida adulta. Em verdade, o que consegue colocar-me um brilho nos olhos, um sorriso, um dinamismo qualquer que afaste a apatia.

    Lisboa, salvo determinadas ruas, mergulhou num negro muito pouco enquadrado com um final de Novembro, em que seria suposto vislumbrar a árvore gigante, dignamente decorada, e a Avenida da Liberdade com alguns encantos. A Rua Augusta, graças à vertente marcadamente comercial, tem luz, brilho e decorações privadas que nos dão um cheirinho a Natal. Espero que revertam esta situação o quanto antes, até porque os gastos do orçamento municipal em iluminação são compensados pelo estímulo a que as famílias saiam ao centro da cidade, consumam, se divirtam e fujam dos centros comerciais.

      Por cá, nada fiz. Ninguém tem paciência, ninguém me acompanha. Preciso ganhar coragem para tirar a árvore e para me empenhar na decoração. Comprei, há umas semanas, dois mimos no El Corte Inglés: uma rena vermelha, que posteriormente troquei por uma castanha, por defeito, e uma bola de pano também em tons rubros. Creio que o vermelho, o dourado e o prateado, este último menos, são as cores ideais para uma árvore. Não excessivamente ornamentada; a beleza encontra-se no equilíbrio. Queria comprar enfeites novos. Decidi substitui-los gradualmente, dado que já conjecturo a minha lista de presentes (disse-o há uns anos: não troco presentes, comprando o que gosto; mando fazer os embrulhos e ofereço-me... tem piada para mim). Além do presépio, o que completa o aparato em torno da árvore são, precisamente, os embrulhos no chão.

      A mãe diz-me que ainda falta muito até ao Natal. Nós sabemos que não é assim. E a excitação não me permite que fique confortavelmente à espera que a quadra se concretize. Nada, nem os sonhos, se confirma se não perseguirmos.

22 comentários:

  1. Já curti muito Dezembro: Aniversário, Natal, Ano Novo. Árvore, enfeites, ceia, festas, etc. Hoje não curto mais. Não faço e nem participo de nada. Sempre Viajo lá pelo dia 20/12 e volto no dia 02/01 quando tudo terminou. Acho que é coisa de "velho" ... kkkk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser, meu amigo. Conheço pessoas novas que não ligam a mínima ao Natal, das quais um amigo muito próximo, e pessoas mais velhas, uma prima, de quarenta e poucos, que é fanática com a árvore e com a iluminação, que adoram. :) Vai do espírito da pessoa, creio.

      Engraçado, mas a mãe reage assim como você ao Natal: que passe logo. :)

      Eliminar
  2. Eu já tenho árvore montada Mark'zinho :DDDDD Adoro o natal :DDDDDDD E não te deixes abater, porque o natal é como a Marcha de Alcântara: é lindooooooooo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A árvore é quase da minha altura (e eu sou relativamente alto). Ainda me cai em cima. :) Mas se não o fizer, ninguém faz...

      Sim, é verdade. O Natal é lindo. :)

      Eliminar
  3. De facto Lisboa está muito cinzenta :) As luzes ainda não estão acesas ;(

    E daqui ao Natal é um pulinho de pardal :)

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquele Rossio está uma tristeza. E a ideia de instalarem a árvore lá foi infeliz. Enfim.

      um abraço grande, amigo.

      Eliminar
  4. Este sábado fiz a árvore e a sala já está enfeitada para o Natal.

    Apesar de gostar muito desta altura do ano, de ano para ano começo a sentir uma certa tristeza, como se o peso dos anos me esteja a dizer para começar a mudar a atitude perante o final de ano, pois por regra deixa-me sempre melancólico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A taxa de suicídio aumenta significativamente na quadra natalícia. Lá está, é um mês que traz lembranças a todos. Inevitável não esquecer os bons momentos, os familiares que já não estão presentes...

      Eliminar
  5. Eu como nunca passo o natal em minha casa, não costumo fazer decorações nem árvore sequer.
    Contudo, há algumas semanas comprei umas luzes para fazer uma instalação iluminada que será a minha "árvore de natal", e acho que por aí me fico :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre fizemos, ainda que não passando a maioria dos natais em casa.

      Tive um ano "piroso" em que espalhei luzes pelos quartos. :)

      Eliminar
    2. Isso não tem nada de piroso :)
      As luzes certas, nos sítios certos podem fazer uma decoração muito interessante.

      Eliminar
    3. Em defesa da minha honra, devo dizer que tinha doze anos nesse Natal "brilhante". :)

      Eu sei, heheheh. Estou a brincar.

      Eliminar
  6. O que mais sinto falta nessa nesta época é o cheiro que tinha na infância, após uns anos nunca mais o senti. Nos últimos anos Natal é a época que menos gosto no ano (as festas com a família grande). Mas os enfeites e as luzes que tomam conta da cidade ainda me despertam um certo encanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Também em mim. Aprecio imenso a decoração urbana de Natal. Lisboa, este ano, desilude. Armaram a árvore, colocaram uns enfeites singelos na Rua Augusta e umas luzes quaisquer nas árvores da Avenida da Liberdade, mas ainda nada ligaram. Não sei o que esperam...

      Parece que o Natal vai perdendo significado à medida em que o tempo passa. Comigo não é excepção. Estes natais são incomensuravelmente diferentes, para pior, daqueles da minha infância.

      Eliminar
  7. não percebo esta loucura pelo Natal (ou até percebo). Não gosto, espero ansiosamente por Janeiro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Transformou-se (ou transformaram-na...) numa época muito virada para o consumismo. Bom, não contrario muito; assumo que compro e que gosto de o fazer.

      Eliminar
  8. Eu gosto do Natal. E agora com familia alargada ainda mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Com a família unida, o Natal reveste-se de um encanto adicional. :)

      Eliminar
  9. Eu também adoro o Natal. A minha mãe também (houve um ano que eu trabalhava por turnos, e saía à meia noite de 24 para 25, e quando cheguei a casa, ela estava à minha espera para comermos passas de figo e um copinho de licor - tradição da nossa consoada). O meu pai, apesar do ser ar macambúzio e de mal com o mundo, também delira, apesar de se conter, porque homem que é homem não tem sentimentos (outras mentalidades - anda a soltar-se agora que é avô).
    E pronto, isto para dizer que já montei a árvore de Natal e fiz o presépio. Se um presépio tem de ter musgo, eu pergunto que coisa falsa é que tu usas no teu presépio (atendendo a que não há musgo na cidade... lol).
    Odeio os stresses comerciais. Já comprei uma parte dos presentes que queria, e como entretanto já recebi, vou comprar os restantes. A três semanas do Natal, sim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sair à meia-noite de 24 para 25 de Dezembro deve ser terrível. Bom, há sempre quem trabalhe por turnos e fique nos serviços durante a Consoada e o dia 25. Médicos, enfermeiros, bombeiros... operadores de call center, por aí. Uma atitude própria de uma mãe. Muito querida. :)

      Eu irei, finalmente, montar a árvore. Amanhã. Antes tarde do que nunca. Olha, uso musgo. O avô consegue-o através de um senhor amigo. :D

      Gosto do El Corte Inglés, se bem que este ano talvez vá para a baixa lisboeta, num inédito, fazer as minhas compras de Natal. Nos últimos dias, claro. Adoro a azáfama.

      Eliminar
    2. Sim, Mark, para mim foi terrível trabalhar nesse dia. Foi a única vez que me calhou essa "pastilha". Noutro ano fui trabalhar no dia de Natal das 08-16 e custou-me bem menos. A véspera tem para mim muito mais significado (vou visitar a família mais velha, distribuir beijinhos e beber chás e comer filhoses em casa de todas as tias!).

      Tens é de vir ao musgo ao campo! Será para ti uma aventura do caneco! :D

      Eliminar
    3. Para mim também. Até porque o pai comemora o seu aniversário na noite de dia 24. Mais um bolo, o bolo de aniversário, precisamente, à mesa. :) Foi assim até ao Natal de 2005...

      Iria com muito gosto. Estou farto da cidade, acredita. :)

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)