20 de agosto de 2016

Os Jogos Olímpicos.


     A edição dos Jogos Olímpicos sediada no Rio de Janeiro, Brasil, esteve desde o início envolta em polémica. Primeiramente, soubemos das despesas exorbitantes que estariam subjacentes à realização da competição desportiva. O Brasil carecia de infraestruturas. A construção de estádios e de pavilhões acarretaria largos milhões de dólares, num país enfraquecido pela crise social e, desde o último ano, também política. Posteriormente, os problemas relacionados aos elevados índices de criminalidade no país, o que poderia inviabilizar a concretização do torneiro em solo brasileiro.

     Querelas à parte, os Jogos tiveram lugar e, até ao momento, a par de incidentes pontuais, nada há a registar. Bem como em 2014, quando o Brasil organizou o Campeonato do Mundo de Futebol, muito se falou sem motivo aparente. Recuando no tempo, a 2010, a África do Sul enfrentou iguais temores pelos adeptos, pelas federações de futebol dos Estados participantes e até mesmo por algumas organizações, das quais enumero a FIFA.

     Evidentemente que as autoridades brasileiras estão conscientes do perigo e preparadas para qualquer eventualidade. Lidam diariamente com a criminalidade, desde a que perpassa as ruas até à altamente organizada.

      Em termos estritamente competitivos, tenho acompanhado algumas modalidades. Portugal revelou-se uma desilusão. Ao momento, arrecadámos uma medalha, de bronze, pela atleta Telma Monteiro. O Brasil, por seu turno, leva umas quantas medalhas, inclusive de ouro. São vitórias lusófonas que, claro está, têm igualmente um sabor especial. Os portugueses habituaram-se a torcer pelo Brasil, particularmente no futebol, nas décadas em que Portugal sequer conseguia o apuramento para as fases finais das competições, ou, quando o conseguia, era afastado precocemente. Esses laços de afinidade são constatáveis. Nestes Jogos, muitos adeptos brasileiros estiveram ao lado dos atletas portugueses, incentivando-os com palavras de apreço e de estímulo.

      Cri nos atletas portugueses. Julguei que Nélson Évora repetiria a façanha de 2008, trazendo uma medalha para casa. Tal não foi possível.
       Sobrepondo-se aos prémios, julgo que o mais importante é estimular o gosto pela prática desportiva e as saudáveis relações entre os povos. Os Jogos Olímpicos, pelo seu mediatismo, têm esse dom. Suscitam a curiosidade de milhões e revestem-se de um carácter competitivo que não conhece o ódio, o despeito e a rivalidade de outros eventos desportivos. Os Jogos são costumeiramente tidos como consensuais - o que dificilmente encontra paralelo - pela sua abrangência e por nos remeterem aos gloriosos congéneres da Antiguidade Clássica.

        Haverá mais em quatro anos.


6 comentários:

  1. Creio que foi a pior participação nos Jogos Olímpicos. Vamos para lá fazer passareles lololololololololol

    Mas, o Brasil apesar de tudo está de parabéns. Falta saber o que irão fazer à Aldeia Olímpica

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem capaz. Um desastre.

      Espero que lhe dêem melhor fim àquele que demos aos estádios do Euro 2004...

      um abraço, amigo.

      Eliminar
  2. Felizmente este CIRCO acaba hoje e voltamos à nossa programação normal com todas as mazelas sociais que temos, acrescidas, agora, das despesas irresponsáveis contraídas por um estado falido. Mais uma vez os otários vão pagar.

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tal como aqui, amigo. Tal como aqui...

      Eu, confesso, presto pouca atenção às Olimpíadas.

      um forte abraço.

      Eliminar
  3. não segui com interesse estes JO, em primeiro porque estava a trabalhar, em segundo, porque não vejo, agora, muita TV. li sobre os problemas que enumeraste e só vi as prestações portuguesas depois. não acho que tenha sido uma desilusão. estávamos eufóricos com o europeu de futebol e pedimos medalhas, mas os atletas olímpicos não são tão apoiados financeiramente como os do futebol, por exemplo. a maioria paga as viagens do seu bolso, dorme em hostels, etc (pelo que li online). e representar PT sem apoios e nestas condições não deve ser fácil.
    assim, no cômputo, ficámos em boas posições, penso.
    Brasil surpreendeu (sim, corrupção, sim, depois da festa, 'that's all, folks', vai voltar à vida normal). como cá, com o euro, temos estádios vazios e a precisar de manutenção. o país endividou-se e agora estamos a pagar a factura.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois. Eu nunca acompanhei com atenção quaisquer Jogos Olímpicos; por nunca me terem despertado a atenção, ainda que considere uma competição muito válida, e por não ver TV.

      Sabes, eu não me conforto com vitórias morais. Vivemos muito disso. Portugal participa nos Jogos Olímpicos desde praticamente o início, senão desde o início, dos Jogos da Era Moderna e temos pouquíssimas medalhas de ouro, por exemplo. Sou sensível a todas essas condicionantes, mas, vejamos: estão lá os melhores. É natural que as pessoas criem expectativas. Não será ingratidão ficar ligeiramente desapontado. Eu fiquei, sobretudo com o Nélson Évora. Esse seguramente que não terá problemas monetários. Terá bons patrocinadores, até pelo prestígio alcançado.

      Lá está, temos 4.ºs e 5.ºs lugares. Melhor do que nada.

      um beijinho.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)