16 de março de 2012

Chovia.


 Estava em aulas quando começou a chover. Suspeitara já da chegada das primeiras chuvas. O céu estava demasiadamente iluminado. As nuvens cinzentas, espessas, acumulavam-se a um quanto. Da minha secretária, na sala de aula, conseguia olhar o céu, embora tivesse de fazer um esforço adicional para vê-lo bem. Ao mesmo tempo, o professor desfiava um rol de considerações sobre a União Europeia.
 Um colega olhava para a namorada. No seu olhar, pude ver a libido acumulada, o desejo expresso nos seus olhos; atrás, uma colega navegava em redes sociais, indiferente à aula e disfarçando, no portátil, os apontamentos que não tirava. Tirei uma folha no dossier e comecei a escrever o que achei relevante da aula.

Chovia.

 E a chuva, tão natural, caía do céu. O professor, ao reparar nos rostos perplexos dos alunos, disse-o: "Cai água do céu!". Provocou gargalhadas e eu senti-me num país tropical com uma seca de dezenas de anos. Ilusão que principiou. Logo a euforia pela chuva deu lugar às comuns preocupações.

Vou apagar uma molha ao sair daqui

 Era o que todos queriam. Arrependeram-se e não quiseram mais. Talvez amedrontados pelo som dos trovões, apesar do perigo real ter passado com o fim do relâmpago. Talvez porque seja no mínimo assustador que um raio consigo iluminar toda a sala, num clarão que as lâmpadas, quando ligadas, não conseguem produzir. Talvez porque não queiram molhar a roupa imaculadamente seca e vistosa. Talvez porque pensem mais em si do que nos outros.
 A chuva e a trovoada, indiferentes, continuaram lá fora.


10 comentários:

  1. Pergunto-me o que terá levado o professor a fazer tão brilhante afirmação?

    Será que ele esperava que caíssem outras coisas do céu? :P

    ResponderEliminar
  2. Foi bem vinda, a trovoada que trouxe a chuva...

    ResponderEliminar
  3. "apanhar uma molha" ;)

    E eu a pensar que era eu que não tinha jeitinho nenhum para ditos populares :D

    ResponderEliminar
  4. Hórus: Ahahah, temos de perceber o contexto: ele disse-o de forma irónica e claramente provocatória, tal era a admiração da maior parte dos meus colegas! :) Digamos que, por não chover há imenso tempo, estavam todos a olhar espantadíssimos para a chuva.

    João: Concordo. :)

    Speedy: Fiquei muito surpreendido quando ouvi a dita expressão. Nunca tinha ouvido antes. ^^

    ResponderEliminar
  5. Acredito, se acontecesse aqui, também iríamos ficar nesse estado :P

    Infelizmente, não tivemos direito nem a chuva nem a trovoada. Mas ainda bem que pelo menos alguma zona do país foi "abençoada". ^^

    ResponderEliminar
  6. Mais um belo texto. Você tem uma escrita expressiva, eu diria que melancólica mas muito sentida e profunda!

    ResponderEliminar
  7. Hórus: Ahahah :D


    Ty: Obrigado. :$$

    ResponderEliminar
  8. Eu gosto da chuva, always did! Há um quê de serenidade, de introspecção, de mim... ;)

    Gostei do comentário do prof! Nada melhor que nos pormos no lugar do outro fazendo-o voltar (assim) à realidade ;)

    Hugs... you know how...

    ResponderEliminar
  9. Obrigado, adorei este post.

    http://joateba94.blogspot.pt/2012/03/foste-e-nao-permaneceste.html lê, comenta e segue (:

    ResponderEliminar
  10. Daniel: Também aprendi a gostar da chuva. Em pequeno, detestava-a. :)

    Hugs!

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)