26 de janeiro de 2010

O meu livro...

Encontrei-o. Encontrei o meu romance, ou seja, um livro que andei a tentar escrever.
Há cinco anos atrás, comecei a escrever um romance. Lembro-me que andava entusiasmado com o futuro livro, cheio de ideias prontas a serem passadas para o papel. No entanto, o tempo passou e com ele passou também a vontade e, sobretudo, a novidade de escrever um livro. Mas, a vontade ficou bem guardada em mim. Às vezes, dava por mim a pensar em terminá-lo. Nunca se concretizou, e assim ficou esquecido numa estante do meu quarto.
Em Agosto passado, na altura da minha mudança de residência, pensei ter guardado esses manuscritos. No meio das arrumações não os vi em concreto, mas deduzi que estivessem entre tanta papelada. Talvez tivessem sido arrumados pela mãe ou pela Ana.
À chegada, ao arrumar tudo nos seus devidos lugares, dei pela falta do meu "livro". Procurei, procurei e não encontrei nada. Dei por perdido. Talvez tivesse caído, ficado espalhado a um canto...
Ontem, encontrei-o dentro de uma caixa empoeirada na arrecadação. Estive a ler tudo e, meu Deus!, quanta imaginação e ingenuidade. O esboço é o mesmo, bem como a história, mas se quiser acabar aquilo que comecei, terei de reformular muita coisa. Em cinco anos muita coisa mudou. A minha cabeça já não tem quinze anos. As vontades são outras e a maturidade também. A escrita mantém-se inalterada. Sempre fui muito pródigo e precoce. Escrevo da mesma forma que escrevia com quinze anos, salvo algumas modificações. O vocabulário enriqueceu um pouco, é certo.
Sobre o livro; bom, é um romance e deve ser lido como tal. É uma história de amor entre dois adolescentes que lutam contra o preconceito e a imaturidade.
Confesso que não sei como dar um rumo ao livro. Primeiro, na altura, decidi escrever à mão; segundo, apetece-me acabá-lo, mas não sei como.
Por enquanto, coloquei-o na gaveta mais utilizada por mim.
Daqui a cinco anos estarei a escrever o mesmo sobre os manuscritos...

6 comentários:

  1. Como te entendo! Mas não faças como eu que desisti de fazer tal coisa! Pensa bem nisso e vai em frente!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Angelo. :)
    Mas, não desistas também. Tenta! :)

    ResponderEliminar
  3. Nunca desistas dos teus sonhos, são eles que realizam o ser humano como pessoa.
    Se tens o sonho de escrever um livro, persegue-o e realiza-o, pois ninguém o fará por ti.

    ResponderEliminar
  4. Obrigado, Teresa.
    Irei "pegar" no meu livro, certamente. :)

    ResponderEliminar
  5. Deixaste-me curioso :3

    Quero ler esses manuscritos :)

    hughie ^^

    ResponderEliminar
  6. Hórus, está uma "criancice" pegada, ahah. :D Quando o comecei a escrever era ainda muito ingénuo. Já não é publicável, definitivamente. :)

    Hug! ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)