9 de novembro de 2016

Trump, o dia seguinte.


     Em rumo contrário ao que a maioria das sondagens anunciava parcas horas antes, Donald Trump conseguiu ser eleito o quadragésimo quinto Presidente dos Estados Unidos da América. A sua principal oponente, Hillary Clinton, colheu os frutos de uma campanha que não convenceu o cidadão médio estadunidense, ou norte-americano. O êxito, é importante que sublinhemos, não é inteiramente de Trump. Há demérito da candidata do Partido Democrata, que representou o sistema e que sofreu o impacto do descontentamento dos seus compatriotas. Em artigos anteriores, eu enunciei o que penso de Trump, pelo que me escusarei a repeti-lo. Estudar o fenómeno Trump fora dos EUA seria importante, uma vez que o candidato republicano granjeou simpatia entre todos os que procuram uma política externa dos EUA menos intervencionista. No seio do seu país, acredito que as medidas proteccionistas - e populistas - de alguém que não possui a experiência política de Hillary, que jogou contra si, levaram os estadunidenses a optar pelo que lhes parece ser o mal menor.

     O mapa dos EUA com os votos contabilizados é peremptório: Trump ganhou, e fê-lo também em tradicionais bastiões democratas, como o Wisconsin e New Hampshire. Um enorme mapa vermelho cobre o território dos EUA. Na Nova Inglaterra, tradicionalmente democrata, Hillary manteve o status do seu partido. Mais abaixo, assegurou a Virgínia, onde se temeu o descalabro. Na costa ocidental, por seu turno, Oregon e Washington ficaram a azul. Na Flórida, um dos estados decisivos, Trump saiu vitorioso, impondo-se gradualmente como o futuro líder. Ao princípio da manhã, era evidente a vitória de Trump, ainda que a confirmação final não passasse de mera formalidade. Ohio rendeu-se, o Michigan também, e a partir daqui sabíamos o desfecho. Os estados do sul, rurais, que são historicamente republicanos, completaram a noite de sucessos para Donald Trump. No cômputo final, Hillary conseguiu obter mais votos populares, o que, todavia, não se reflectiu em assentos no colégio eleitoral, em virtude de o sistema estadunidense prever o sufrágio indirecto. Trump obteve 289 assentos - bastando para ser eleito 270 - e Hillary ficou-se pelos 218. Amarga derrota, que nem as populosas Califórnia e Nova Iorque, fiéis ao Partido Democrata, conseguiram contrariar. De modo similar, no Senado e na Câmara dos Representantes - o Congresso - Trump governará com apoio, tendo conquistado a maioria nas duas câmaras.

      Donald Trump afigurou-se como o candidato do homem branco, rural, trabalhador assalariado, que cativou, nas urnas, hispano (os republicados perderam no Novo México, entretanto) e afro-americanos e as mulheres, muito embora se tenha dirigido a todos nos termos mais reprováveis e indignos. O discurso odioso que propagou tornou-o, para muitos, um fait-divers, um entertainer de mau gosto, alguém vindo do social com aspirações pouco credíveis e levianas. Eu alertei, e fi-lo nomeadamente no último artigo em que opus Trump a Hillary, para o perigo de subestimar a ameaça Trump, máxime atendendo à deriva à extrema-direita a que vamos assistindo (cuide-se a França, e a Europa, com Marine Le Pen). No momento certo, com o aumento da tensão com a Rússia e com a desconfiança dos estadunidenses quanto ao seu futuro, quanto à política de emprego e quanto à deslocalização das grandes empresas, Trump proferiu as palavras que os cidadãos quiseram ouvir, ainda que tenham preenchido o boletim de voto com uma nuvem de incertezas pairando sobre as suas cabeças. Hillary representaria a continuidade, e tão-pouco foi uma figura imune a escândalos e a mexericos. Enquanto Secretária de Estado, estimulou conflitos em determinados pontos do globo, tornando-se numa mulher susceptível de gerar opiniões contraditórias e inimizades, não só entre os seus compatriotas como por quem não é cidadão estadunidense e não habita nos EUA. Eu diria que, por cá, pela Europa, e pelo Médio Oriente, houve quem suspirasse de alívio com o falhanço de Clinton.

        No púlpito, entre aplausos entusiastas, Trump foi mais comedido nas palavras, agradecendo à sua adversária e proclamando-se o presidente de todos os americanos. Será impossível passar um pano sobre a propaganda mal intencionada e xenófoba que fomentou. Em boa verdade, a realpolitik não se compadece de palavras vãs; Trump terá de trabalhar com mexicanos, com mulheres, com africanos, e estas primeiras afirmações vão ao encontro dessa postura mais conciliadora. A polarização, contudo, é inevitável. Uma parcela significativa de estadunidenses não se revê em Trump, e certamente não concordará com a administração emanada desta nova ordem.

        Não confio num Trump menos interventivo. A política belicosa dos EUA não dependente inteiramente do Chefe de Estado e de Governo que reside na White House, pois o intervencionismo estadunidense perpassa presidentes democratas e republicanos. Nas décadas recentes, Clinton ingeriu nos assuntos internos de outros Estados, Bush idem. A indústria de armamento envolve milhões e gera muitos interesses. Aliás, julgo ser pertinente o equilíbrio de forças na Europa, quando assistimos à reafirmação de uma expansionista Rússia, o que é diferente da afronta e da provocação gratuita. Para Portugal, a vitória de Trump não acarretará câmbio algum; Portugal foi um dos primeiros países a reconhecer a independência dos EUA logo no século XVIII e é membro fundador da OTAN. A menos que Trump, o que duvido, ponha em causa a estabilidade da aliança atlântica, tudo se manterá como está.
       Num exercício hipotético, possuindo a cidadania dos EUA, neste momento estaria preocupado com as medidas que Trump prometeu implementar, particularmente na saúde, com a revogação dos planos da administração cessante. A saúde continuará a ser fonte de negócio por lá, e o acesso universal aos seus cuidados estará comprometido, afectando milhões de pessoas carenciadas.

        Como observador e, se me permitem, cronista, estou expectante com os primeiros meses de governo Trump. Cederá o Presidente eleito ao establishment, ou, pelo contrário, revolucionará a nação estadunidense tal qual a conhecemos?

14 comentários:

  1. Como já disse outras vezes, é esperar pra ver. Entre o sujo e o mal lavado os americanos escolheram o que julgavam menos pior!

    ResponderEliminar
  2. Quando acordei, eu que adormeci tarde para assistir aos resultados, nem me queria acreditar. Quando me deitei, já Trump levava 70 contra 30, mas pensei que perdesse com o passar da noite os números se invertessem.

    Além disso, já li gráficos que mostram que os latino-americanos também votaram em peso no Trump. Aguardemos as consequências de colocar no poder um homem tão volátil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adormeci muito, mas muito tarde. Fiquei à espera de um resultado seguro. O processo é moroso. São muitos estados, uns com mais peso do que outros. Desisti e deitei-me. Clinton ainda recuperou, quando ganhou a Califórnia e mais alguns estados da costa ocidental, o que não foi suficiente para inverter o processo.

      Sim, sim. Eu mesmo referi isso. Ele conseguiu conquistar o voto dos hispânicos, excepto no Novo México.

      Eliminar
  3. Ele falou mal de todas as minorias e mesmo assim ganhou?!

    Ahahahahahahahahaahahahhahaha

    E, hoje notei que a maioria dos tugas, sabem mais da Economia Americana do que a Portuguesa lolololololol

    O Tuga sempre a olhar para o quintal do vizinho...

    Adorei o teu texto

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estranho, não é?

      Como referi, há mais demérito de Clinton do que mérito de Trump. Clinton não soube capitalizar a herança de Obama, que nem é tão ruim assim.

      Obrigado. Faz-se o que se pode. :)

      um abraço, amigo.

      Eliminar
  4. enso mas entendo q tomarão conta dele. Ele não governará e sim será governado. Se insistir será destituído ou até mesmo o pior. Ele tem metade da população contra ele, o partido contra ele, a mídia contra ele, o mundo contra ele e quem votou nele vai perceber também a estupidez que fizeram.

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, também estou curioso para saber como será a convivência com os republicanos. Alguns republicanos carismáticos afirmaram que não votariam em Trump.

      Sim, uma parcela significativa da população nem o pode ver. Não esquecerei as imagens de uma mulher, ontem, quando já se esperava o pior, agarrada ao telemóvel, a choramingar entre murmúrios: " He's a monster, he's a monster"...

      um abração.

      Eliminar
  5. Acho que vou hibernar... quando é que são as próximas votações mesmo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As próximas eleições para o Congresso dos EUA são em 2018, mas tens as autárquicas em Portugal no próximo ano. Não te deixes hibernar até lá. :)

      Eliminar
  6. Só te digo uma coisa: depois dos resultados eleitorais das últimas legislativas (em que o PSD/CDS ganhou apesar da contestação do povo ao longo de 4 anos) já de pouco me admiro. É apenas o mesmo que vai acontecendo na velha Europa, em que os políticos estão a ser substituídos por "estrelas". É como o povo diz: "mais vale cair em graça que ser engraçado".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas aqui, felizmente, o sistema é bem distinto do sistema vigente lá nos "states". Temos um PR que actua também como árbitro, e sabe Deus o que custou ao Cavaco ter de dar posse ao governo minoritário do PS (com suporte, todavia).

      Eliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)