22 de abril de 2014

Evolução.


     Ontem e hoje, surpreendentemente, pude assistir a duas situações que me fazem crer que o país evolui, ainda que timidamente, com passos cautelosos e sorrateiros.
    Aproveitando o último dia de férias, fui passear pela baixa. Cheia de turistas, como de costume. Famílias que se agrupam junto ao cais para tirar fotos. Os asiáticos, parece-me, são bastante divertidos. Vi uma senhora de saia rosa-choque, camisa floreada e sapatos amarelos, a posar com um bom humor contagiante. Lá fazia mil e um gestos mirabolantes para a objectiva. Acredito que o álbum "Portugal 2014" fique o máximo! Outra turista passeava o cão. Perante a rebentação, o animal refugiava-se atrás da dona com medo da água, latindo em forma de protesto, desencadeando a atenção de quem passava. Um músico tocava viola. À sua frente, um gorro do avesso com algumas moedas. O típico vendedor de água engarrafada, sem-abrigos, para quem há muito a vida deixou de fazer sentido...

   No meio de todos, um casal gay de mãos dadas, possivelmente estrangeiro. Indiferentes, e como deve ser, aos restantes transeuntes, caminhavam sem receio de exibir o que os unia. E não o fizeram de forma a ostentar ou provocar. Exerceram o seu direito de viver o amor e a sexualidade como qualquer casal hetero. Atribuí esse "à vontade" à idade. Eram pessoas na casa dos cinquenta, sessenta, maduras, experientes, que nada temem e que pouco terão a perder. Fui mais feliz para casa.

   Hoje, em direcção à faculdade, vejo dois rapazes da minha idade, ou mais novos, que se dirigiam para o pólo universitário imediatamente em frente, de mãos dadas, conversando e sorrindo. Rodeados de pessoas, percebi que ninguém comentou com o parceiro do lado, gozou, menosprezou, apontou, absolutamente nada. Fiquei surpreso e agradado. É na rua que lidamos com o povo, que extraímos o grau de evolução das mentalidades e, devo dizer, reformulei muito do que pensava. Claro que tenho consciência de que estava numa cidade universitária, na capital, perante pessoas que presumo instruídas. A realidade do país fora das metrópoles é substancialmente diferente. As reacções não seriam iguais no centro de Braga, deduzo, ou numa aldeia no Alentejo ou em Trás-os-Montes.

   Há muito a fazer, mas são episódios como estes que relatei que me dão esperança e me fazem ter algum orgulho de ser português (eu, que digo tão mal do país). Estas quatro pessoas (dois casais) seriam detidas, julgadas e condenadas em vários países; espancadas, abusadas, assassinadas noutros tantos. Portugal, pioneiro que foi na abolição da pena de morte, demonstra a sua pacatez e tolerância. É dos países mais tranquilos e seguros.

    Assim, sim.

29 comentários:

  1. Ihh aqui em Sampa seria muito perigoso. Imagina, tem até grupos de skinheads perseguindo gays.. Muito complicado aqui. O povo tem que passar bem discreto :s

    Abraços!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que é uma realidade desconhecida em Portugal, felizmente. Lamento que as coisas aí estejam ainda assim. Há tempo para tudo. A homossexualidade deixou de ser ilegal, em Portugal, em 1982. Pois é.

      um abraço.

      Eliminar
  2. gosto muito do que disseste e espero, muito sinceramente, que estejas errado quanto a Braga..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falei de Braga, falei do Alentejo, de Trás-os-Montes... Bom, não referi Braga inocentemente, claro. É uma cidade conservadora, em que o peso da religião é apreciável.

      Espero estar errado!

      Eliminar
    2. assustas-me quando falas assim..

      Eliminar
  3. Pareces mais animado Mark :) Ainda bem :) E ainda também que temos exemplos desses que nos fazem acreditar que a humanidade ainda tem salvação :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pareço? :) Não noto nada. Acho que são estas pequenas situações que alegram os meus dias. :D

      Eliminar
    2. LOL Ai Mark, Markzinho, estás aqui estás a levar uma belinha LOLOL :P

      Eliminar
    3. É porque hoje estou num dia "sim". x)

      Ahahah, já não ouvia essa palavra há imenso! :D

      Eliminar
    4. Tu precisas que alguém te leve a ver as estrelas de carro LOL Fosse eu mais novo e solteiro LOLOLOL

      Eliminar
    5. Ahahahahahahahah, morri com essa. xD

      Eliminar
  4. Por aqui, na colônia, as coisas também estão evoluindo, esta cenas são cada vez mais comuns , e menos chocantes, mas ainda temos que evoluir muito! abs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Brasil... A perda do Brasil foi a "amputação" mais dolorosa para Portugal. Erro das Cortes de 1820. O caminho que os dois reinos (o Brasil já era um reino na altura) seguiam era o federalismo... Que borrada a dos portugueses.

      O Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves... Ainda me dói só de pensar. Dói-me mais do que Olivença. x)

      Divagações à parte (LOL), tudo evoluirá, com certeza. :)

      Eliminar
  5. A mudança chega, a passo lento mas chega. cá pra baixo ainda não é assim tão simples, mas nem assim evito andar de mãos dadas com o meu rapaz :)

    ResponderEliminar
  6. Isso nota-se na linha de metro até São Sebastião, marquês de pombal, expo., Mas se fosse aqui na amadora, não sei. Na Amadora, há quem tenha na Varanda, um slogan a dizer: Jesus Era Gay, como se isso fosse muito importante...

    Gosto de ver casais gays(eles e elas) descontraída na rua o no metro :D

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, na periferia talvez seja mais arriscado. Eu fiquei surpreendido porque nunca tinha visto dois jovens, rapazes, de mãos dadas. Achei bonito e descontraído.

      um abraço.

      Eliminar
  7. Francamente, face ao que vejo do estrangeiro, acho que os portugueses estão cada vez menos preconceituosos... verdade que ainda temos caminho a percorrer, mas acho que estamos cada vez melhor... ;D

    ResponderEliminar
  8. Que legal que aí em Portugal as coisas para a comunidade homossexual esteja evoluindo.

    Isso é a prova de que dar direitos é muito importante para se garantir a cidadania das minorias sexuais. A sociedade aprende a respeitar mais quando o Estado está mais presente na proteção das minorias.

    Infelizmente ainda temos muito o que percorrer aqui no Brasil. Temos um Congresso tacanho e hipócrita e uma presidente amordaçada pela governabilidade.

    Enfim, melhoraremos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com certeza melhorão, Tiago. Tenho fé nisso. O Brasil é um país tendencialmente tolerante, de forte imigração e com uma longa tradição em receber com respeito todas as pessoas. Além disso, a sodomia deixou de ser crime por aí nos tempos de D. Pedro I (IV de Portugal). Foram pioneiros!

      Bom, é importante salientar que o moralismo foi introduzido pelos portugueses, infelizmente.

      Eliminar
  9. eu tenho falado disto no meu blog, agora já ninguém liga.. eu pelo menos sinto-me à vontade de fazer o que quiser com o artista.
    ah, e olha que braga é das cidades mais gays de portugal, não tens noção do número de gays que se vê lá nas ruas e não deve haver muito mais desrespeito por eles como há aqui em lisboa. (mas eu percebi o que querias dizer, estavas só a dar um exemplo :P)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei. Braga é conhecida por ser a cidade dos 3 Ps: Padres, bom, e o resto deixo à tua imaginação. LOL É ainda uma cidade maioritariamente jovem.

      Mas, atenção, é muito conservadora, daí que não duvide que um casal gay que ande de mãos dadas seja apontado por lá.

      Eliminar
  10. Mark, não vou utilizar uma expressão brejeira que me lembrei, porque o teu blog é um blog de bem, onde não se dizem essas coisas.
    Mas os estrangeiros estão-se nas tintas para o que pensam deles. Como já trabalhei com estrangeiros, tenho essa noção, e andariam de mãos dadas nem que fosse aqui na minha terrinha.
    Quanto aos jovens, duvido que o façam fora de um centro urbano... lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, deve ser isso. Não estão "nem aí", como se costuma dizer, e fazem eles muito bem. Em Portugal, felizmente para eles e para nós, não são perseguidos por estas manifestações de afecto públicas.

      Os jovens... é capaz. Eu não o faria nem num centro urbano.

      Eliminar
  11. Sim, o nosso país, uma das coisas positivas que tem, apesar de tudo, é uma evolução nas mentalidades acerca das minorias sexuais. A homofobia existe, mas também se vê muita aceitação e não vamos restringir isso apenas a Lisboa; o exemplo de Braga, Setúbal e outras cidades mais pequenas, em que posso incluir a Covilhã, caso que conheço, por ser a minha cidade natal e onde muita gente me conhece e respeita a minha orientação sexual - nunca me vi lá, a ser apontado ou maltratado.
    E mesmo no caso da grande Lisboa, pois eu não vivo na Amadora, mas não acredito que seja muito diferente de Lisboa (o caso apontado pelo Francisco podia ser lá como em qualquer outro sítio) e eu, morando em Massamá, bem perto, faço a minha vidanormal, toda a gente no meu prédio sabe e mesmo algumas pessoas por perto (é um meio pequeno) e não noto qualquer animosidade; inclusive, em prédios próximos ao meu, vivem casais homossexuais, que eu nem conheço, mas que não têm receio de o mostrarem e que não têm quaisquer problemas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ainda bem que assim o é, que vai havendo maior abertura. :)

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)