9 de maio de 2013

Visita de Estudo.


    Pela primeira vez, em três anos de ensino superior, lembraram-se de nos levar a algum lado. Verdade seja dita: as visitas de estudo estão, de certa forma, associadas ao liceu. Fui a imensas em tempos idos. A tantas que já me esqueci da maioria. Esta visita tem uma componente prática, de forma a estarmos informados acerca do modo como funcionam as instituições de crédito, vulgo bancos. Como poderão constatar, algo interessantíssimo. Não poderei queixar-me, afinal, é uma visita no âmbito da disciplina optativa que escolhi. Porém, a falta de informação é gritante. Na maioria dos casos, escolhemos a optativa influenciados por colegas ou para ficarmos na mesma turma que amigos. Não há um mero colóquio onde nos exponham as vantagens e desvantagens de escolher determinadas cadeiras. O papel omisso que a faculdade deveria desempenhar é executado frequentemente por alunos de anos superiores. Ora, como já referi, a minha participação na vida académica é inexistente.

    Perguntar-se-ão onde será essa visita de estudo tão interessante. Nada mais, nada menos, do que à sede da Caixa Geral de Depósitos. Uma excitação total. Terá a sua utilidade, evidentemente, mas quando não se gosta da disciplina em si, nada de útil se consegue vislumbrar. O edifício é medonho; acredito que o interior seja imponente.


    Não gosto de mercados financeiros, nem de cadeiras económicas. Curiosamente, tenho excelentes notas nessa área, comprovando-se o mesmo, novamente, com a nota que recebi ontem. Na minha licenciatura, apesar de não ser dedutível, há uma forte componente económico-financeira. Do que mais gosto, claro está, é do ramo histórico-jurídico. Aliás, se vier a exercer algo na minha área de formação, será nesse campo.

    Estou a ponderar se deva, ou não, ir. A minha consciência diz-me que sim: a vontade, que não. Temo que dê pela minha ausência, mas realmente é terrível fazer algo que não se quer. 

     Eu a querer viver uma aventura insólita e surge-me... a CGD.

30 comentários:

  1. Sei que não tem nada a ver com o post, mas adoro a nova foto de perfil! Belo Cabelo, dá imensa vontade de mexer lol
    Abr

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mexe na pilinha. LOL

      Obrigado, Miguel. :D

      abraço.

      Eliminar
    2. Na pilinha de quem? XD lol

      Eliminar
    3. LOOL, Miguel, menos! :D

      Eliminar
    4. tu é que falaste em pila, eu estava a falar de cabelo... XD eu até tive de ler a tua resposta 3 ou 4 vezes, porque nem estava a acreditar na resposta... Em suma, your fault ;)

      Eliminar
    5. Ahah, tu é que tens a mente maldosa. :P "Mexe na pilinha" é uma expressão que se costuma utilizar quando alguém, regra geral do sexo masculino, diz que quer mexer em algo, seja o que for. :) É uma expressão deveras habitual. :)

      Eliminar
    6. Ups,... essa tb não sabia! Tenho pais que ficam muito chocados quando uso o termo "pilinha" nas aulas (normalmente para deixar alunos à vontade). Mas... it's the end of the world ;)
      É bom ver-te num discurso mais "jovial" com o Miguel. Grande Mark!
      Quanto à visita de estudo... ainda bem que não passei por esse pesadelo. Odeio economia.
      Big hug

      Eliminar
    7. Também não gosto nada de cadeiras económicas. :s

      abraço, Paulo.

      Eliminar
  2. Ah... E eu a pensar que Justiça e Banca não se davam... Sou tão ingénuo... (:P)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, dão-se muito bem. É uma promiscuidade enorme. :|

      Eliminar
  3. Não viste o dinheiro do país lá? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O dinheiro que o país teve, em tempos, foi para as mãos de alguns. xD

      Eliminar
  4. pensa positivo. estiveste a dois passos da culturgest.
    bjs
    (ps, tu escreveste ali em cima 'mexe na pilinha?' vais à cgd e nem foi preciso receberes um livro da saída de emergência. :D)
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, a Culturgest é um óptimo consolo. :)

      Livro de emergência. LOL :D

      beijinhos.

      Eliminar
    2. não, é mesmo editora 'saída de emergência'. houve uma polémica há uns dias com uns livros que a CGD queria oferecer aos seus clientes, oferta dessa editora, e depois voltou atrás com essa decisão, devido ao conteúdo sensível; uma idiotice da CGD, enfim.

      Eliminar
    3. Humm, não sabia! Não me admira nada, sabes... Estes banqueiros, alta finança, etc, ligam mais aos números do que às letras. :s

      Eliminar
  5. Dizem que há lá muitos gays :)

    Ao menos podes lavar as vistas se forem giros ;)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na Caixa Geral de Depósitos, a sério? LOL Não fazia ideia! Espero, se for, que algum banqueiro pegue em mim! :D

      abraço.

      Eliminar
  6. Se eu fosse a ti ia. Pode-se que mudes de ideias e até te interessas pela coisa.

    ResponderEliminar
  7. E se fosses tu a decidir o destino da visita o que escolhias?
    Pensa numa aventura insólita e cheia de emoções financeiras...
    :)))

    Abraço, Mark.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escolhia algo certamente muito diferente do que irá acontecer! ahah :D

      abraço, Pedro.

      Eliminar
  8. Bem, em primeiro lugar, fiquei deveras chocado com a tua expressão da pilinha.... lol (a versão aqui "do campo" é ligeiramente mais brejeira, e não me arrisco a reproduzir... ehehe)

    Não te quero fazer inveja, mas na minha licenciatura tinhamos visitas de estudo um pouco mais interessantes que a CGD. Mas de qq maneira fico à espera que contes como foi essa aventura financeira.

    Ah, e também gostei muito muito da tua nova foto. Mas não me arrisco a tecer mais comentários, vá-se lá saber onde me mandarás mexer... ehehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chocado porquê? LOL É uma expressão tão normal. Eu também brinco, digo disparates, etc. :D Vocês levam-me muito a sério! :P

      Ai, "a aventura" foi tudo menos isso! Nem merece um texto. Passámos um sistema de segurança horrível e ficámos numa sala cheia de computadores e gráficos de bolsas, mercados, etc, a ouvir um homem em monólogo. No final, permitiu-nos perguntas. Até era simpático, mas estivemos uma hora em pé!
      Mudei de opinião relativamente à arquitectura do edifício. Não é tão feio assim; continuo a considerá-lo medonho de grande.

      Obrigado, Horatius. :) Não te mando mexer em lado nenhum. Ahah :D Eu disse aquilo ao Miguel porque ele é um brincalhão. :)

      Eliminar
  9. Era muito mais interessante levarem-vos a visitar o BPN, e até podiam fazer lá uma conferência presidida pelo silva e com a presença dos "seus muchachos. Então é que tinha a ver com Justiça...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL, pois era. :) Não se lembraram! ;)

      Eliminar
  10. Estava eu no 2.º ano do meu curso quando fiz uma visita de estudo ao mesmo edifício, naturalmente por razões relacionadas com a minha área. Imagina só, ainda o edifício estava em final de construção...
    Abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nunca tinha visto o edifício tão de perto. Vi-o toda a minha vida, mas a uma distância significativa: quando passava a pé ou de carro. Ontem tive a percepção do quão grande é.

      abraço, sad.

      Eliminar
  11. Embora a visita seja deveras aborrecida - [consigo imaginar!] - tenho a certeza que tu podes fazer toda a diferença. Seja lançando perguntas polémicas ou simplesmente pedindo explicações aqui e ali! Tenho a certeza que a visita se tornará muito mais interessante e memorável!
    E na volta ainda ficam de olho em ti, para te oferecerem algum cargo no futuro! ^^

    Abraço :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É curioso, mas o senhor que nos explicou o funcionamento dos mercados na CGD referiu isso mesmo: alguns de nós poderiam trabalhar ali de futuro e ainda nos deu dicas. :)

      Mantive-me bastante calado. Como não me interessou muito. :D


      abraço.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)