17 de maio de 2013

O final de uma etapa.


   O semestre está a terminar. Contrastando com a maioria das licenciaturas, podemos falar apenas do final de uma etapa. A etapa das aulas e das primeiras avaliações. No modelo adoptado na minha faculdade, necessitamos de fazer a frequência final a todas as disciplinas de modo a concluirmos as cadeiras, o que redobra a exigência e a dificuldade. Não há dispensa de exame seja qual fora a nota. Evidentemente, o mercado de trabalho não é alheio a tudo isto, preferindo os licenciados naquela casa. É comum dizer-se que um mero catorze equivale a muitos dezoitos noutras paragens... Assim o é, posso assegurá-lo.

   Temos recebido os últimos testes. Já não sinto - como sentia - as "borboletas" no estômago. Torna-se uma rotina. Se ganhamos alguma coisa, uma dou como garantida: controlo das emoções. Ficamos mais fortes ou pelo menos dissimulamos melhor a fraqueza. As mãos não tremem mais como dantes.
   Notas. As minhas notas têm sido bem melhores do que esperava, num ano de si difícil, o famoso ano dos cadeirões. Num raciocínio anatómico, este ano poderá ser considerado a espinal medula do curso. Inevitavelmente, descemos, e descemos até comparativamente ao primeiro e segundo anos.


   Hoje aconteceu-me algo insólito desde que estou na faculdade. Um professor, neste caso, uma professora, elogiou a minha nota publicamente, realçando que se destacou, a nota, da quantidade «absurda», nas suas palavras, de negativas. Muitos ficariam eufóricos; eu fiquei incomodado. De repente, fui alvo de todos os olhares, até de colegas que raramente reparam em mim. A turma em peso, um silêncio sufocante, alguma inveja que escapa entre sorrisos de circunstância... Enfim, horrível. Por vezes, questiono-me se os conhecimentos que aquelas pessoas adquirem - refiro-me aos professores - ocupam o lugar do bom senso e da discrição. Eu não faria isto a um aluno; provavelmente elogiá-lo-ia a sós, numa conversa no final da aula. Algo particular. Cá fora, foi a vez dos elogios dos meus colegas. Senti-me um extraterrestre.

   Além das provas que se aproximam, terei de entregar um trabalho expositivo e de investigação à célebre cadeira de Mercados, lembram-se? Pois é, uma dor de cabeça.

     I will survive.

27 comentários:

  1. ..."Por vezes, questiono-me se os conhecimentos que aquelas pessoas adquirem - refiro-me aos professores - ocupam o lugar do bom senso e da discrição." - e questionas tu muito bem! E eu sorrio a imaginar-te :)

    Vais sobreviver, claro. E continuar a crescer em sabedoria e confiança.

    Um abraço com os desejos do melhor para ti, Mark.

    E os parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só quero ter forças para mais um mês. :D

      Obrigado, Pedrinho.

      abraço.

      Eliminar
  2. Também não gosto que me elogiem muito ou me idolatrem, faz-me sentir o peso de uma responsabilidade.
    Seria muito mais sensato da parte da professora fazer esse comentário a sós, até porque acho que menospreza um bocado o resto dos alunos.

    Boa sorte para o trabalho e para o fim do semestre!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, Lobo! Por descuido, não reparei nesse pormenor. É injusto para com aqueles que estudaram e não conseguiram. Enfim, meteu-me numa situação embaraçosa sem o querer. :s

      Sabes, ela fê-lo porque houve montes de negas e positivas muito baixinhas. Digamos que a minha nota "salvou a honra do convento". Eu percebi onde ela quis chegar, mas isso não justifica que o tenha feito.

      Obrigado. :)

      Eliminar
  3. Eu sou o teu guru.
    Abandona o curso e vai para a Ásia fazer voluntariado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOOOOL, para o Bangladesh xD

      Tu não me metas minhocas na cabeça que eu começo a acreditar que a minha felicidade anda por lá! :D

      Por acaso já pensei muito em ir fazer voluntariado para fora, mas falta-me a coragem... :|

      Eliminar
    2. não é necessário sair do país para fazer voluntariado. e é muito gratificante, aprende-se muito e relativiza-se outro tanto. tantas coisas que temos e que damos por garantidas quando afinal é tudo um sopro.
      ah, parabéns, apesar de não gostares de ser elogiado em público. e sente orgulho na tua nota, lutaste por ela, é importante e não deve ser menosprezada.
      quanto aos professores, basta aprenderes com os seus erros, que são muitos, com os exemplos que dás, e serás uma pessoa melhor. e de certeza que ao longo da vida encontrarás pessoas excelentes e com o coração de ouro (cá ou em África, Bangladesh ou Butão :)
      bjs.

      Eliminar
    3. Tens toda a razão em relação ao voluntariado, Margarida, mas se o fizesse teria também uma componente egoísta. :( Afastar-me um pouco da minha realidade e viver aventuras diferentes num país distante! :)

      Obrigado. :)

      beijinhos.

      Eliminar
  4. não creio que elogiar um aluno à frente dos outros seja mau, no meu caso, dá motivação e um reconhecer do meu esforço.
    não há razões para te sentir um extraterrestre quando conseguiste fazer melhor que todos os outros, no máximo foste um humano especial xD
    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que desmotiva os outros... :| Eu tenho de concordar com o Lobo quando referiu que ela menosprezou os restantes alunos: imagina um/a aluno/a que estudou tanto quanto eu mas teve azar durante a prova... é injusto.

      Oh, obrigado, mas não tenho nada de especial. Sou um rapaz normal. Talvez meio melancólico e introspectivo, apenas. :)

      abraço.

      Eliminar
    2. não é nada injusto, se calhar noutro teste vai ser outro rapaz lá. as vezes o estudo não chega, é preciso estar inspirado e ter até sorte no que sai.
      não desmoraliza nada os outros, os outros se quiserem ter boas notas, inspiram-se pelo teu esforço e até ganham motivação para receber apoio do professor como recebeste.
      mas claro, isto é a minha maneira de ver as coisas, eu vejo sempre tudo pelo lado positivo. :)

      Eliminar
    3. Hum, mais ou menos. Há quem se esforce e não consiga. Claro que também pode funcionar como um estímulo para os restantes.

      Gosto dessa forma de ver sempre as coisas pelo lado positivo. Eu herdei um pessimismo da avó paterna. x)

      Eliminar
    4. então tens que mudar esse pessimismo e começar a ver as coisas pelo lado positivo. tu tiraste boa nota, foste elogiado e ficaste bem visto pelo professor, ficaste a ser admirado por muitos dos teus colegas. e não é preciso pensar em mais nada :)

      Eliminar
    5. ... e "odiado" por outros tantos. LOOOL :D

      Eliminar
  5. Parabéns tímido :)

    Pode ser que algum rapaz giro repare em ti e te comece a olhar com outros olhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahah, duvido. O meu radar não apita na turma. :D

      Obrigado! :)

      Eliminar
  6. Acho muito bem que se façam elogios públicos quando eles são merecidos. Mereces, e não se fala mais nisso :)
    Parabéns pelas boas notas e que continuem nesse registo :)
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Elogios em publico são sempre embaraçosos mas no teu caso são certamente mais que merecidos Parabéns Mark!:)
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, Arrakis. :)

      abraço.

      Eliminar
  8. Finalmente a professora reparou nos teus olhos... a nota foi apenas uma desculpa.

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL, obrigado pelas palavras, Ribatejano. :)

      Eliminar
  9. Meu rapaz
    esses elogios, até compreendo que te incomodem sendo tu uma pessoa como és, mas não são mais que o corolário justo de um trabalho magnífico que tens realizado ao longo de toda a tua vida de estudante e que significou além de muito empenho da tua parte, uma renúncia a outras coisas boas da vida.
    São pois merecidos parabéns públicos que se não te envaidecem , o que aceito, não te devem nunca incomodar.
    Não tenho qualquer dúvida que vais facilmente encontrar trabalho e um bom trabalho após a tua graduação e vais ter uma exemplar vida profissional.
    E não preciso de ser bruxo para o afirmar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, muito, muito, obrigado pelas tuas palavras. :)

      Eliminar
  10. Isto é caso para se dizer: "preso por ter cão, preso por não ter!"

    Aquilo que à partida seria um motivo para ficares muito feliz e orgulhoso, acabou por trazer um pequno dissabor: o facto da professora ter-te elogiado publicamente. Não creio que ela o tenha feito com intencionalidade, queria apenas mostrar que os alunos aplicados são recompensados. Se bem me recordo, há uns tempos atrás mencionaste que os teus colegas [pelo menos uma parte deles], começava a "marimbar-se" para os estudos, preferindo o divertimento e outras actividades mais lúdicas...

    Claro está que quando se opta por essa escolha, principalmente numa época tão crucial como a que vocês estão a passar neste momento na faculdade, os estudos sofrerão e de que maneira. Penso ter sido esta a ideia da tua profesora em elogiar-te e tomar-te como exemplo. Quanto aos restantes, se tinham inveja é porque não se esforçaram devidamente.

    Orgulha-te mas é. Tu mereceste! ^^

    Quanto aos outros...não ligues, a inveja faz mal à pele! ;)

    Hughie :333

    ResponderEliminar
  11. Eu fiquei bastante constrangido, contudo, consigo compreender as suas intenções. De qualquer forma, teria sido melhor dirigir-me umas palavras no final da aula. Pelo menos eu sentir-me-ia melhor.

    Sim, há alunos que começam a perder a vontade e o vigor, sobretudo quando surgem as más notas... desanimam. É compreensível: há quem se esforce e não consiga. Deve ser revoltante!

    Obrigado pelas palavras. :')

    abração.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)