18 de novembro de 2014

November.


   O frio chega, timidamente. Instala-se no nosso quotidiano, impondo-nos roupas quentes, agasalhos de algodão. De igual modo, a cidade prepara-se para receber outra época de consumismo selvagem, visto pelas montras e pelas ofertas tentadoras, tecnológicas, na sua maioria. Somos escravos do digital e nunca estamos na vanguarda da tecnologia. É irrealista não se ficar confuso perante tanta diversidade. Um assomo de saudade dos tempos em que o game boy, no colégio, tinha o dom de me tornar logo no menino popular. Hoje, muito provavelmente, já haveria outro no dia seguinte, com mais aplicações... 

    O mundo está a ficar muito complicado para mim. Não será pelo avanço. Esse faz parte da humanidade. Estamos condenados à evolução. Os limites serão impostos por alguma entidade superior, a existir. Demasiado confuso porque ainda não aceitei inteiramente que cresci e que vou ficando só, que já não sou mais o menino de bochechinhas rechonchudas que quem passa por perto quer apertar. As bochechas, sim, continuam rechonchudas, mas têm barba, tornando-me num homem. E ser-se um homem envolve estar-se à altura de tal. Não apenas ter qualificações académicas ou dobrar anos. Contar meses não implica estar apto para se enfrentar o mundo de desafios e perigos que nos espera a cada esquina.


    Começo, no processo típico de por quem os anos passam, a sentir falta disto e daquilo. Das saídas com os pais, irrepetíveis. Dos jantares no penúltimo mês do ano, quando a decoração natalícia surgia pelas ruas da cidade, iluminando-as e aquecendo-nos o coração. Dos natais no Alentejo, da sua atmosfera gélida que tornava o ar expirado em fumo. De viver, por fim, no manto de ingenuidade e inocência próprio da parca idade. Aí era feliz, sem o saber, talvez sem o ser, mas, citando Maria Guinot, «troco a minha vida por um dia de ilusão». Já tive direito a esse dia, a esses dias.

16 comentários:

  1. Ai Mark, não digas estas coisas nesta tua idade, pois sem quereres estás quase a "enterrar-me" e olha que cá vou andando...
    Tens uma imensa vida para viver e ainda não atingiste o auge, lembra-te disso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veremos se será assim tão imensa. :)

      Eliminar
  2. reconheço tão bem essa nostalgia. e se a tentação imediata é dizer-te que ainda és muito novo para a sentir, também me conheço o suficiente para saber que ela não tem nada a ver com a idade. agradeço-te por, hoje em especial, me teres lembrado disso, e sobretudo de que ainda haverá dias desses à minha espera lá à frente.

    e agradeço-te também por essa canção da Guinot que me deixaste a cantarolar baixinho. e troco a minha vida por um dia de ilusão, e troco a minha vida por um dia de ilusão.

    mas lembra-te que
    "Às vezes é no meio de tanta gente
    Que descubro afinal p'ra onde vou
    E esta pedra
    E este grito
    São a história d'aquilo que sou"

    acredita em mim. visto daqui, em que a minha sequência de dias é maior do que a tua, há, apesar de tudo, muito e muitos dias, dias desses, esses dias, a que ainda vais ter direito.

    abracinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre fui nostálgico. Devo mesmo dizer que vivo no passado uma boa parte do presente.

      Uma linda canção, que nem parece que concorreu a um festival de tão mau gosto. Não o era nos anos 60, 70 e até meados de 80. :)

      Obrigado, querido Miguel.

      um abraço.

      Eliminar
  3. eu sentia, ainda sinto, mas passa-se tempo sem me recordar, da minha meninice, da inocência, do tempo que fluía devagar (agora uma semana passa tão rápido que daqui a uns segundos é natal...). sim, tenho saudades desse tempo e até há alguns anos, de certas épocas, como esta. mas o facto é que a vida continua. e adaptamo-nos. quando aqueles que gostamos - e que continuavam as tradições nestas épocas - já cá não estão, não temos muita vontade de prosseguir com esses costumes. é o meu caso. o natal é cada vez mais um dia como outro qualquer, com a diferença que é feriado e descanso.
    o natal devia ser da família e da reunião e do amor, mas juntar numa noite pessoas que mal se vêem num ano e trocar prendas não faz, agora, o meu género. limito-me à família pequenina que me resta e é estimá-la.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo e já sinto essa passagem impiedosa do tempo, sobretudo agora com o mestrado à noite. O tempo passa depressa demais; passará igual, mas a valoração que lhe damos, com os anos, muda.

      Os natais perdem todo o sentido quando os que amamos se vão. Um dia passarei por isso, inevitavelmente, a menos que "vá primeiro". Para alguns, onde acredito que te incluas, eu não o farei por ti, seria melhor que terminassem. Qual a alegria de uma época que só nos traz à memória pessoas que não podemos mais abraçar e beijar? Não faz sentido.

      um beijinho.

      Eliminar
  4. Ao ler isto fiquei com saudades dos dias frios em que passava em frente á lareira a ler um qualquer livro. Nunca vivi muito o entusiasmo quanto ao consumismo feito no natal, mas nada como não ter nada para fazer, relaxar no quentinho do lar e não ter preocupações da vida de adulto. Fiquei nostálgico :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda podes passar uns serões em frente à lareira, a ler um bom livro e a beber algo quente. Talvez não tantas vezes como nessa época. :)

      Eliminar
  5. Esses dias podem sempre voltar, adaptados á realidade actual ;)

    ResponderEliminar
  6. Estás a crescer e a ter outras obrigações e deveres :)

    C´est la vie,,, Como cantou Sandra Kim "J´aime la vie" em 1986

    Não custa viver, custa saber viver :)

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  7. Cada dia que passa fico pensando o quanto é difícil crescer e ficar adulto...

    ResponderEliminar
  8. Já tinha saudades dos teus textos <3

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)