12 de setembro de 2018

Vários em um.


    Pretendo tratar vários assuntos, e nada mais fácil do que compilá-los aqui. Começarei pelo Motel X - Festival de Cinema de Terror de Lisboa. Fui a duas sessões, sendo que a última coincidiu com a de encerramento do certame. Apreciação global: não gostei muito, devo dizer. Tudo muito desorganizado - como de costume neste país - e poucas sessões para a procura. Fizeram uma gala de entrega de prémios que empurrou o último filme para horas tardias, desrespeitando-se o horário. As pessoas que pagaram os seus bilhetes, que nem todas o fizeram, não compraram sessões de encerramento, infindáveis discursos e outros que tais. Não pretendo repetir, a menos que saiba de um filme extraordinário em cartaz.



  Netflix. Criei conta recentemente. Estou a adorar. Tem poucos títulos, sobretudo em filmes, comparando-a com a brasileira e com a norte-americana, todavia dá imenso jeito, e afasta-me das redes sociais. Estou a usufruir do primeiro mês gratuito e ainda a decidir se fico ou se cancelo. Como adoro terror, tenho-me deleitado com alguns filmes bastante bons do género.

   E por falar em terror, fui ver, ontem, o The Nun. Péssimo, péssimo. Sim, realmente é muito mau. Uma sucessão de clichés. Tanta propaganda para um filme fraquinho, fraquinho. O final assemelha-se à agua da minha banheira a descer pelo ralo - se se decidirem a vê-lo, entenderão. A narrativa é desinspirada, e os efeitos são em demasia. Os clichés, esses sim, abundam, tornando a história banal, corriqueira, vulgar mesmo. Humor (sim, tiveram essa pretensão) mal conseguido e interpretações para lá de ruins.



   Aulas e compras. Tenho comprado imensas coisas para a rentrée. Roupa, muita, um guarda-chuva giríssimo, um relógio, um perfume, enfim, que se juntam a tanto e tanto que comprei a pensar no tal regresso. Sinto um nervoso miudinho, como se estivesse a entrar, agora, pela primeira vez no ensino superior. Fi-lo há oito anos, e eventualmente poderão procurar pelas publicações de Setembro de 2010. O voltar, a rotina, o estudo. Sentir-me válido. Útil.
   É natural que - mas não quero com isto dizer que suceda obrigatoriamente - o blogue se ressinta, isto ao nível da periodicidade de publicações, que a bem ver nunca estabeleci nenhuma. Eu quero mesmo terminar aquilo. Quando digo mesmo, é realmente mesmo. Quero dar tudo o que não dei e que devia ter dado. Tive oportunidades e não as aproveitei. Fui leviano. Não quero que se repita. Muita merda - deve ser a primeira asneira em quase onze anos de blogue.

4 comentários:

  1. Como já disse não curto o gênero terror, mas há quem goste ... rs
    Quanto à Netflix sou apaixonado. Viciado mesmo ... rs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, a Netflix vicia.

      Terror é uma paixão, mas do bom. Cada vez sou mais exigente...

      Eliminar
  2. Merda, merda muita merda para esta tua nova fase da tua vida

    abraço amigo

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)