29 de agosto de 2017

O Brasil, uma vez mais.


   Talvez seja cedo para antecipar as eleições presidenciais no Brasil. A bem dizer, esta publicação vem ao encontro de um desejo meu, antigo, de explicar o que me passou a mover contra alguns políticos brasileiros, nomeadamente de esquerda. Dilma Rousseff e Lula da Silva não são uma novidade no blogue. Durante todo o processo de destituição da anterior Presidente, e não Presidenta, dei ampla cobertura a estes dois ex-dirigentes e à realidade que se vivia no Brasil.

    A Comunicação Social é um verdadeiro quarto, ou quinto, poder, dependendo das formulações. Eu coloco-a em quinto porque, à tradicional divisão tripartida, acrescento o poder moderador. É outro assunto. Quando os ecos da destituição de Dilma chegaram a Portugal, iniciou-se o movimento de solidariedade com a, à época, Chefe de Estado e de Governo.  Sabemos em como a esquerda é prodigiosa em adulterar dados e factos; em promover-se, sendo directo. E aqui falo da esquerda radical. Esta mesma esquerda é aquela que ombreia uma eventual candidatura de Lula às presidenciais do ano vindouro. Temer substituiu Dilma, as hashtags populistas inundaram as redes sociais e chamou-se de golpe a um processo que cumpriu todos os trâmites e formalidades constitucionais e legais.

    Os portugueses, claro está, observam à distância de um Atlântico. É mais fácil, e cómodo, perfilhar do óbvio sem procurar aprofundar, ver além do que buscam impingir. Eu também, assumo, pela minha adolescência, nutri alguma simpatia por Lula. Vi-me embalado na propaganda de um país mais justo, menos pobre, mais solidário e igualitário. Cedo percebi que a idoneidade da classe política brasileira é discutível da esquerda à direita, e apoiar por apoiar, apoio quem demonstra respeito, ao menos respeito, por Portugal. E encontrei esse respeito na direita brasileira, eventualmente em Temer.

    Lula e Dilma não gostam de Portugal. Odeiam a herança portuguesa. Odeiam a norma culta do idioma. A esquerda brasileira encetou uma política clara de aniquilamento da herança portuguesa no Brasil e de exaltação das componentes africana e indígena. Marcos Bagno, linguista (já entenderão o porquê do itálico), afecto à ex-Presidente, defende que o português falado no Brasil é outro idioma, que já se afastou o suficiente da norma portuguesa-africana-asiática para assim ser considerado. Defende, nesse sentido, a institucionalização de um português mal escrito e mal falado que desrespeita todas as regras gramaticais. O motivo é simples: o ressentimento visceral face a Portugal, uma negação do legado linguístico, cultural, histórico, social e étnico português no Brasil. Parecer-vos-á um absurdo, certamente, como a mim, porque não há paralelo de algo semelhante na América de línguas castelhana ou inglesa. Também Lula, há não muito tempo, culpou Portugal dos males que afligem o Brasil, esquecendo-se dos duzentos anos de independência daquele território e do desinvestimento da república brasileira na educação do seu povo. Reconheço os erros de Portugal, mas não falamos dos PALOP, independentes há quarenta anos. Portugal é o bode expiatório de políticas posteriores à independência que levaram o Brasil ao estado caótico em que se encontra, em inúmeras áreas.

    A direita brasileira, que não padece, quanto a Portugal, de um mal chamado xenofobia, reconhece o inestimável contributo português na formação e consolidação de um país de proporções continentais como o é o Brasil. Portugal é o obreiro do Brasil. Para tal, analise-se o mapa daquele país aquando da independência. O império, nomeadamente com Dom Pedro II, concretizou o que Portugal iniciara séculos antes, que houve movimentos secessionistas após 1822, prontamente sufocados. Há, da parte desses brasileiros, interesse em manter acesa a chama do nosso vínculo cultural e linguístico. Exorta-se a história que nos une. Ora, enquanto português, não conseguiria ser indiferente a tamanho apreço e até, em alguns casos, dedicação. Procura-se repor a verdade, adulterada por um fenómeno conhecido como marxismo cultural, ou seja, pura campanha demagógica e populista de uma esquerda radical, intolerante e ignorante.

    Simpatizo com Michel Temer, sim, e não tenho de me sentir mal por isso - alguma esquerda também lida mal com a livre expressão e com a livre opção política. Além de me parecer um homem informado, tenho-o como minimamente educado: sabe estar, conversar, os seus discursos são lógicos e coerentes. E tem políticas que - e repare-se que a minha análise é e pretende ser a de um português tradicionalista quanto à História - são fundadas e equilibradas no que concerne a Portugal e à Lusofonia. Procurou reverter a abominável Lei do Espanhol, de Lula da Silva, que vendia o Brasil aos países parceiros e vizinhos, consagrando-se o ensino daquele idioma sem se averiguar da reciprocidade desses países no ensino do português. Em suma, Temer e a direita brasileira vêm adoptando medidas que manifestamente protegem o legado português e a identidade brasileira, que é muito portuguesa - e o tanto que isto incomoda a essa esquerda.

    A seu tempo, acompanharei a par e passo as eleições presidenciais no Brasil, um país irmão que estimo e que procuro ver próximo a Portugal tanto quanto possível.

8 comentários:

  1. Brasil é igual a Portugal, a culpa morre solteira ou então é dos outros lolololol

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, 'tá bem. (risos)

      um abraço, amigo.

      Eliminar
  2. Mark, não caia na lábia da direita brasileira. Sério mesmo que está a elogiar Temer somente porque ele respeita Portugal? E é bom lembrar que o acordo ortográfico entrou em vigor no governo de Lula:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordo_Ortogr%C3%A1fico_de_1990#Brasil
    Nick

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nick, meu amigo, nem na lábia da esquerda.

      Bem sei que o AO entrou em vigor no governo do Lula, mas isso não surpreende. O AO simplifica o idioma; tudo aquilo que a esquerda brasileira quer. Aliás, soube de um projecto da esquerda brasileira de eliminar a acentuação em todas as palavras! Eles, como disse, não gostam da norma culta do idioma. A esquerda brasileira defende a simplificação máxima do português para que assim seja mais "fácil de aprender". Um absurdo. Daí eu ser contra -este- acordo. Defendo outro. Já lá vai o tempo em que, ingenuamente, acreditei neste (des)acordo ortográfico.

      um abraço.

      Eliminar
    2. Mas o acordo, como pode ver, surgiu nos anos 90. Longe da "era Lula". Porém, ele que deixou entrar em vigor. Mas se é um acordo tão ruim, qual motivo de Portugal aceitar participar?
      E hipoteticamente: se Portugal tivesse um presidente tão ruim para seu povo como Temer é para os Brasileiros, mas que "gostasse" do Brasil,gostaria que eu "elogiasse" esse presidente por ele ter afinidades com meu país?
      Nick

      Eliminar
    3. Sim, bem sei que o Acordo é de 1990. Já escrevi muito sobre ele. Demorou anos a entrar em vigor, e ainda nem entrou em vigor em todos os países lusófonos, pelas polémicas que o rodeiam.

      Eu já expliquei o motivo pelo qual ele o "deixou" entrar em vigor: simplificar. Ah, e outro: exportar a literatura brasileira para a África lusófona.

      Bom, fará mais sentido eu elogiar e gostar de Temer, que respeita Portugal, do que de Dilma, que sempre manifestou desprezo e desdém por Portugal e por todos os países lusófonos. A esquerda brasileira vê Portugal como um invasor, opressor.

      Eliminar
  3. Temer nunca foi nada por aqui a não ser a velha raposa. Mas melhor que qualquer coisa q seja da esquerda isto ele é. Felizmente ficamos livre para todo o sempre desta nefasta esquerda. Agora é reconstruir, tarefa difícil pela falta de lideranças novas e de respeito e credibilidade, mas haverá de aparecer.

    Como sempre perfeita sua percepção.

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a minha análise foi clara: parte de um português e de um português que, apoiar por apoiar, apoia quem ao menos respeita Portugal. :) E Temer, bem sei, não é nenhum poço de virtudes.

      Muito obrigado, meu amigo. Foi a análise de um português, tradicionalista quanto à História, patriota.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)