24 de agosto de 2017

Angola.


   Angola vive dias de indefinição. Depara-se com a continuidade, apregoada pelo MPLA, e a mudança, no momento em que José Eduardo dos Santos se despede da vida política activa.
    Não sou um conhecedor profundo, nem perto disso, da realidade angolana ou do seu panorama político. Sei o que um português interessado procura saber, o que no meu caso equivale a inteirar-me do quotidiano dos angolanos.
    Angola esteve ligada a Portugal até 1975. O corte foi abrupto e provocou mágoas e ressentimentos em ambas as partes. E se Angola é um dos principais parceiros na lusofonia, também é verdade que, de entre os oito, é aquele com o qual Portugal mantém relações tensas. As culpas são, uma vez mais, de portugueses e de angolanos. Quanto a nós, porque temos, assumidamente, dificuldade em entender Angola como um país independente, que se relaciona com Portugal por igual. Temos certo ascendente histórico, a independência é recente, o que nos leva a alguma ingerência nos seus assuntos internos, ao passo que os angolanos, muitos, olham com desconfiança para Portugal, a velha potência opressora. Atitudes mesquinhas também se dão quer por cá, quer por lá. Recentemente, órgãos de comunicação social portugueses deixaram de ser emitidos pelas empresas de telecomunicações de Angola.

     O regime que actualmente vigora em Angola assenta numa oligarquia autocrática. Um partido e uma família que tudo superintendem. Eu, bem como alguns angolanos com quem tenho falado, não acredito que José Eduardo dos Santos prescinda de manter, nos bastidores, a sua posição altamente privilegiada. Talvez a doença que o acometeu seja o principal obstáculo, e quem sabe ela possa explicar este afastamento voluntário.
      O acto eleitoral de ontem, dia 23, é o quarto em precisamente quatro décadas de independência. O MPLA tem ganhado todos. Perpetua-se no poder, negando o verdadeiro multipartidarismo e a coabitação democrática aos angolanos. As eleições, pelo que pude apurar, sem prejuízo de alguns rumores de perturbações, decorreram dentro da normalidade. Indica-se que o MPLA, claro favorito, está bem posicionado. Reclama ampla maioria.
      Confio no labor dos observadores internacionais, mas não poderei depositar fé caso o MPLA saia vitorioso. Pressinto esse desejo de mudança nos angolanos, pelo menos nos que conheço, e imagino os tentáculos que um partido que governa há tantos e tantos anos deve ter em todos os sectores da sociedade angolana. Naturalmente, será de esperar que algum dos partidos que concorreram queira impugnar este acto eleitoral. Já sucedeu o mesmo no passado, com a UNITA, mergulhando o país numa fratricida guerra civil até 2002.

      Não sei, não sabemos, se será desta que Angola encontrará o caminho das liberdades cívicas. Este acto eleitoral encheu-me de esperança, pelos angolanos. Uma representação partidária parlamentar mais abrangente e equilibrada refrearia o ímpeto despótico do MPLA, que, vendo-se sem o seu líder carismático, poderia aceitar proceder a uma progressiva maior abertura do regime. Seria bom para nós, para os cerca de cem mil portugueses a residir em Angola, e excelente para os angolanos, que o coração do progresso não passa sem uma democracia, ainda que a despontar.

6 comentários:

  1. Tenho vómitos sempre que penso em Angola e no monopólio de corrupção da família Santos. Esta família é como um cancro com metástases profundas na democracia, justiça e liberdade do povo angolano.

    ResponderEliminar
  2. Sempre teremos esperanças em dias melhores para todos os povos.

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que o MPLA terá vencido. Ainda não é desta.

      um beijo, amigo.

      Eliminar
  3. O que esperar de um país Africano?! A Europa caminha para uma Angola lololol

    Abraço amigo

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)