30 de janeiro de 2017

Alternativas.


    O panorama político português faz-se representar por várias cores partidárias. Não será dos mais abrangentes, mas, ainda assim, da esquerda à direita, reúnem-se tamanhas sensibilidades. O PSD, como maior partido da oposição, ocupa um lugar cimeiro no que respeita às alternativas de governo. Esperam-se, o que também se aplica ao PS, quando dá o lugar aos sociais-democratas, políticas responsáveis, verdadeiramente direccionadas aos problemas concretos do país. Desde o momento em que não conseguiu fazer aprovar o seu plano de governo, o PSD adoptou uma postura claramente revanchista. Começando pelo seu líder, Pedro Passos Coelho, que não cede, julgando que ao manter-se no leme dos destinos do partido demonstra que não abandona o país. A atitude de ostentar a bandeirinha de Portugal à lapela é uma garotice típica de quem não entende como funciona a alternância democrática.

     A propósito da votação da TSU, ver o PSD aliado a extrema-esquerda é cenário dantesco. O que tem incomodado Pedro Passos Coelho e os seus correligionários é o aumento progressivo do salário mínimo nacional. Tudo o que belisque os interesses do grande patronato é motivo para que o PSD se movimente, impaciente, nem que para isso siga a tradicional rebeldia do PCP e do BE. A propósito, tudo farão para que a aliança governativa falhe ou saia melindrada. A retórica, um ano volvido, é a mesma: usurpação. A solução encontrada, como já foi sobejamente comentada, inclusive por mim, encontra total cobertura na Constituição e, diria mais, é naturalíssima em qualquer país cuja democracia esteja viva e saudável.

     Ainda que se pense o contrário, reconheço a importância do PSD como um grande partido da social-democracia europeia. Admiro o PSD de Sá Carneiro, nomeadamente, quando o partido, enquanto PPD, foi fundado, assentando num centro-político razoável e equilibrado. A sucessiva deriva à direita, à extrema-direita, a última protagonizada pelo actual líder, vem descaracterizando o partido da sua ideologia primitiva. O PSD, presentemente, perdeu espaço no seu campo político. Com esta liderança, ademais, revela ter ficado preso ao passado, daí que não consiga impor-se e recuperar a confiança do eleitorado. Urge renovar o partido, mudar de presidente, arejar - que me permitam os sociais-democratas por estes singelos e despretensiosos conselhos.

14 comentários:

  1. E o PS juntou-se à direita, para que os trabalhadores não tivessem 25 dias de férias. Eles encontram-se todos na casa de banho para irem lavar as mãos, antes de irem almoçar

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Repara: cordialidade e educação são distintas de divergências políticas. :)

      um abraço grande.

      Eliminar
  2. Uma das coisas boas que esta virada à Esquerda trouxe ao panorama político português - esta capacidade de entendimento entre extremos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Foi a primeira aliança à esquerda. :)

      Eliminar
  3. Vou fazer um post a responder à tua analise. ;)

    ResponderEliminar
  4. Não sei Mark. Os indícios têm sido positivos mas, eu ainda sou muito desconfiada desta geringonça política.
    Tempos estranhos estes em que os próximos não se entendem e os mais extremados criam alianças.

    Beijinhos


    p.s. enviei-lhe mail Mark ... não sei se recebeu uma vez que o meu mail de vez em quando falha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma geringonça que, todavia, tem durado mais do que o suposto!

      beijinho.

      p.s.: Já vi e já respondi, presumo. :)

      Eliminar
  5. são tempos políticos estranhos, estes, mas a geringonça, umas vezes, afinada, outras não, lá vai rolando.
    não gosto do PPC, revanchista, como referes, mas o que é mais estranho, não há ninguém com capacidade para liderar esse partido. é incrível que ele continue.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há-de chegar o momento em que "correrão" com ele, digo eu. O PSD está à deriva porque não o PS de Costa mantém índices bons de popularidade. Ou seja, não conseguiram ainda provar que, afinal, "tinham razão".

      um beijinho.

      Eliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, a Bélgica e a Espanha tiveram crises governativas célebres.

      Basicamente é isso: as esquerdas uniram-se para derrubar um governo neoliberal encabeçado pelo PSD (com o apoio do CDS). No âmago, são muito diferentes, daí que não haja qualquer coligação ("coalizão", no Brasil). Há acordos pontuais parlamentares. Até se diz, na oposição, que o PCP e o BE estão com o PS quando lhes agrada, e contra o PS quando não lhes convém.

      Já não existe um verdadeiro "centro". Os partidos tradicionalmente do "centro" político, oscilam à direita ou à esquerda consoante a realidade do momento.

      um abraço, Tiaguinho. :)

      Eliminar
  7. Se neste momento correrem com PPC, o PSD não terá maioria nas eleições. Estão à espera dessa possibilidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu julgo que com PPC é que não terão absolutamente nada.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)