7 de agosto de 2016

Doce Agosto.


     A minha semana de férias terminou. Foram sete dias muito bem passados. Estava realmente necessitado de sair de Lisboa. À medida em que nos afastamos da cidade (grande), percebemos o quão atribulada é a vida por aqui, o que em nada beneficia a nossa saúde física e mental. Na viagem de ida, partimos à noitinha. Não pude apreciar verdadeiramente a paisagem, a planície alentejana repleta de sobreiros e de encantos. Todavia, no dia seguinte, abrindo a janela do quarto, senti os raios quentes do sol na pele e a brisa fresca, provida pelo mar, tão perto, amenizando os efeitos de um calor que já se fazia sentir tão cedo.

     Fui à praia e à piscina. Li, passeei, fiz caminhadas nocturnas. E, pela primeira vez até onde consigo recuar na memória, esqueci todos os problemas que deixei por cá. O relógio obedeceu aos meus caprichos, e a semana, ao contrário de senti-la a escapar-me pelos dedos, foi morosa, deteve-se o tempo suficiente para a apreciar.

     Tive a oportunidade de conhecer algumas cidades que ainda não havia visitado. Passámos a fronteira e viajámos um pouco pela costa andaluza. Apesar das elevadas temperaturas, a vida no sul é tão melhor. De Verão, com uma agitação que anima, convidativa a sair, a desfrutar de tudo o que tem para nos oferecer; no Inverno, presumo que pacata, distante da frente gélida que percorre o país. Certas estradas reportaram-me aos EUA. A terra seca, quilómetros diante, cafés e demais comércio nas bermas. A flora muito característica, distinta daquela que encontramos no resto do país.

      Seria capaz de morar por lá. Eu, que sou uma pessoa do aço e do betão, do trânsito e da correria. Observar aquele pôr-do-sol desde a praia, estando sentado à beira-mar, sentindo a rebentação na pele, trouxe-me momentos de paz, de leveza, que há muito desconhecia. Pelo início da madrugada, andar por entre a marina, ouvir os risos das pessoas, olhar o céu e vê-lo limpo, cintilante, com os pequenos pontos azulados entre o firmamento. Entrar nas lojinhas e ser recebido com amabilidade. Oh, pena que findou!

       É possível, sem ser certo, que o repita ainda este ano. Veremos. Dependo de compromissos. Assim dependesse apenas da minha vontade.


10 comentários:

  1. É sempre bom, podermos recarregar as baterias :)

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. um relato maravilhoso. é óptimo 'ver-te' assim :)
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E agora, a saga pela procura de casa. Again.

      um beijinho. :)

      Eliminar
  3. Pelo menos as férias foram bem proveitosas! É disto que a alma vive, de memórias e de bons momentos! ^^

    Abraço :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, de facto. Não parei por um minuto.

      um abraço. :)

      Eliminar
  4. Que bom que vc descansou. Fico Feliz.

    ResponderEliminar
  5. Ainda não comecei as minhas férias, exceto alguns dias dispersos aqui e ali, mas espero que surjam rápido, pois já me vai custando.
    Não que vá para a praia, pois sou do campo e sobretudo da montanha, quando posso.
    Espero que encontre rapidamente a sua casa e goze o espaço e descubra-o de forma demorada, uma "dentada" de cada vez, tome-lhe o sabor, descubra as possibilidades, os percursos, sobretudos aqueles que não se vêem.
    Continuação de um bom tempo de descanso, se for caso disso
    Manel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto do campo; nunca acampei porque para tal não me convidaram. Tão-pouco conheço quem se dedique ao campismo. :)

      Mantenho-me na procura. Ainda não surgiu aquele cantinho em que certamente me sentirei bem.

      Muito obrigado, Manel. Bom descanso para si também quando, por fim, puder tirar umas merecidas férias.

      Cumprimentos.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)