17 de julho de 2016

A barbárie.


    Seria uma afirmação gratuita se disséssemos que a humanidade regrediu ou que estamos mais intolerantes. A história das relações entre os homens (e as mulheres...) tem sido pautada por conflitos - alguns de enormíssima escala - por desigualdades, por fanatismo, por terror. O século XX, aqui tão perto, é um terrível exemplo do que acabei de referir. Duas guerras mundiais e incontáveis contendas de menor repercussão por todo o globo. Assistimos à ascensão de movimentos autoritários, totalitários, que instrumentalizaram o ser humano, cumprindo este os desígnios de facínoras que, à esquerda ou à direita, provocaram dos quadros mais aterradores de que alguma vez tivemos conhecimento.

     Na Europa ocidental (porque nos Balcãs e no demais leste europeu houve muita instabilidade nos finais do século XX, e salvo a excepção dos grupos armados IRA e ETA), desde os finais da II Guerra Mundial que os povos conheceram períodos de estabilidade e de paz. A construção europeia facilitou o diálogo e promoveu a entreajuda. Foram décadas de progresso. No início do século XXI, com os atentados ao complexo do World Trade Center, alterou-se por completo o paradigma. Londres sofreu atentados, Madrid idem, e a Europa soube, uma vez mais, o que era viver em permanente sobressalto. Desde então, sendo sincero, fui-lhes perdendo a conta. Multiplicam-se incessantemente. Continuam a traumatizar, como no instante em que liguei a televisão, algures num dia de 2004, e soube que haviam colocado explosivos nos comboios suburbanos da capital espanhola.

     Entretanto, quando julgamos estar a lidar com os piores dos terroristas liderados por Bin Laden, surge-nos uma organização inominável que tem recrudescido os seus atentados à civilização ocidental. No Médio Oriente, a instabilidade não é uma novidade. Entre 2015 e este ano, seguramente provocaram mais de uma mão cheia de ataques, a maioria dos quais em solo francês. Justamente em França, uma das pátrias da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Se existe um coração da civilização ocidental, este encontrar-se-á na Gália.

     Devemos tirar algumas ilações destas campanhas ofensivas. Estimulámos conflitos naquelas zonas do planeta. Apregoámos, em uníssono, a guerra contra o mal, o tristemente célebre eixo do mal de Bush filho. Arrogámo-nos o direito de decidir o destino daquelas pessoas em nome de uma legítima defesa preventiva. Pergunto-me: não teria sido melhor deixar Saddam ser deposto pela vontade do seu povo? Vemos um Iraque destruído, ocupado pelas forças do Daesh, que ardilosamente planeiam investidas à nossa segurança e tranquilidade desde aquele inóspito território.

      Passámos de carrascos a vítimas. De agressores a agredidos. Temos a guerra - que é uma guerra velada - à porta de casa, nas estações do metro, nos festejos de um dia nacional. A qualquer momento e em qualquer lugar, a morte espreita. Somos impotentes para lidar com um cenário a que também nos é imputada a responsabilidade por. Sobeja-nos viver entre o choro e o riso.

14 comentários:

  1. Assim como tem acontecido com as organizações, a liberdade nos levou a algumas encruzilhadas nos mais diferentes campos. Faz-se necessário repensar posturas e abordagens... e é urgente repensar as posturas que temos adotado na sociedade, não podemos abrir mão de conquistas valiosas, mas precisamos entender como evoluir!

    Grande abraço meu amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu costumo dizer que evoluímos em tecnologia e ainda não avançámos o suficiente em humanidade. Claro que estamos melhor. Há duzentos e poucos anos ainda queimavam pessoas vivas no Terreiro do Paço, em Lisboa. Muito mudou.

      um grande abraço, amigo Latinha.

      Eliminar
  2. Em um futuro bem próximo, os historiadores irão classificar nossos tempos como Idade Média II. Espero que tenhamos uma nova Idade das Luzes.

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bela analogia, amigo.

      um grande abraço.

      Eliminar
  3. o que mais me incomoda, e nisto me incluo, é pensar o quão banal estes atentados se estão a tornar, e como estão a fazer parte do quotidiano. ataques terroristas em países ocidentais e todos de unem. ataques terroristas na Síria, Paquistão e por aí fora e a Europa assobia para o lado, como se essas mortes não fossem tão importantes como as outras (e foi um comentário muito parecido com um amigo nosso). e as notícias só apregoam a barbárie e a carnificina em Nice e as mais de 200 mortes estúpidas na Turquia pouco são comentadas nas redes sociais.
    bjs e boa semana.
    ps: já terminaste os estudos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens imensa razão. Na Turquia, saiu gorado um golpe de Estado, e por isso morreram tantas pessoas. Julgo que não foi qualquer atentado. Mas, sim, claro. Podem colocar todas as bombas e mais algumas em Bagdad, provocando trezentos mortos, que apenas uma em Paris, provocando dez vítimas mortais, terá maior repercussão. É muito injusto.

      Neste meu artigo, eu quis mesmo centrar-me nas nossas responsabilidades e na alteração que as nossas atitudes comportaram: os atentados não mais acontecem apenas no longínquo Médio Oriente; não, são aqui, ao lado. À porta de casa.

      um beijinho e uma boa semana.

      p.s.: Tenho uma tese que não sai nem a ferros. Há-de sair. :) Temos de combinar um café. Já terminei o livro que simpaticamente me emprestaste.

      Eliminar
  4. Então?! Agora vamos buscá-los com muito amor e carinho e damos-lhes tudo :)

    Eles odeiam tudo o que Não é Muçulmano, mas nós insistimos que eles são bons :)

    Eles são bons, quando são minoria.

    Quando matarem todos os Cristãos. Será a Luta entre Sunitas e Xiitas

    Mas, lá estamos nós com a mania de meter o bedelho no Livro Sagrado deles

    A Igreja do Passado, lá ficou. Agora querem dar Democracia para um Povo que quer a Sharia?!

    Isso... Dêem uvas a quem quer só batatas...

    Grande Abraço amigo Mark

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, há de tudo: bons e maus em qualquer religião. Tenho uma amiga muçulmana, de longa data (de infância), que condena com veemência estes atentados. Imagina tu que havias nascido muçulmano e organizavas a tua vidinha, tranquilo, aqui mesmo por Lisboa; que culpa terias tu de uns doidos andarem por aí a matar meio mundo? Tens de pensar assim. :) Como tens de pensar que se vivesses nesses países ocupados e tivesses filhos pequenos para criar, decerto que gostarias que um país europeu te acolhesse. :)

      um grande abraço, amigo Francisco.

      Eliminar
  5. O último ataque em França deixou-me apreensivo. O facto de ser um ataque feito com um método diferente, muito mais simples mas porém, extremamente eficaz, é aterrorizante. Há muita verdade no que dizes. Os atentados, um pouco por todo o Mundo, estão a tornar-se tão frequentes, que começamos a lidar com isto como fazemos com outras notícias - é certo que as escutamos, ficamos a pensar naquilo durante alguns momentos mas depois, deixamos de nos incomodar com aquilo.

    Em parte talvez seja culpa da era em que vivemos. Acedemos de mil e uma maneiras diferentes à informação. Mesmo quando queremos ignorá-la, ela é atirada para a frente dos nossos olhos, através de um visor de telemóvel ou ecrã de um computador.

    Por outro lado, de facto, a culpa do que está a acontecer é de quem começou com as guerras ainda na década de 90. E infelzimente parecem não ter aprendido nada até agora, uma vez que o lema é continuar a combater ainda mais forte e agressivamente por forma a castigar quem causa estes males.

    Porém, como acontece de outras formas e em outras sociedades, mais próximas de nós, quem acaba por pagar são sempre os mesmos: os inocentes.

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É quase uma síndrome de Estocolmo adaptada; às tantas, habituas-te e já te é "quase" indiferente. É aprender a viver em permanente perigo e sobressalto. Um horror. Estamos quase formatados. Daqui a nada, saímos para as ruas a olhar para cada canto, desconfiando do homem de estranha figura que se aproxima, da mala que jaz ali no chão...

      A culpa é inteiramente nossa. Nossa enquanto humanos e nossa enquanto europeus, circunscrevendo-me aqui ao continente. Fomentámos conflitos e colhemos os frutos da nossa ingerência desmedida.

      um abraço. :)

      Eliminar
  6. Mark não sei qual será o futuro da Humanidade, mas se vivemos com tanto "veneno" dentro de nós que acaba por resultar em ódios, sejam de que natureza forem...depois começo a ver que o ser humano e as suas conquistas são uma espécie de Economia, há coisas cíclicas, e o único senão é que a morte quando aparece, acaba por ser eterna.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não sei. Continuamos uns incivilizados do pior.

      Sim, a História repete-se. Eu creio que ninguém acredita que estamos a salvo de um terceiro conflito de grande escala. Já estivemos tão perto, durante a Guerra Fria. Este conflito de civilizações, Ocidente vs. Oriente, e de religiões, Cristianismo vs. Islamismo, é absurdo. Ainda não percebemos de que somos feitos da mesma matéria.

      Eliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, sou compulsivamente, diante das evidências, obrigado a dar-lhe razão, Tiago.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)