30 de agosto de 2015

A Mulher.


    Se atentarmos à fisionomia de cada um dos géneros que compõe a espécie humana - e a maioria das espécies do reino animal - constataremos que não é igual. O homem tem características que a mulher não tem, e vice-versa. O património genético que herdamos, não fosse o cromossoma 23, é exactamente o mesmo. Podemos, então, concluir que as nossas diferenças residem num único cromossoma, o suficiente para que tenhamos sexos distintos, a começar no imediato pela genitália, e características secundárias que também elas nos dão a clara certeza (darão?) de que estamos perante um homem e/ou uma mulher.

      Não sou sociólogo, logo, escusar-me-ei a considerações que nos remetem à origem da crónica dicotomia homem vs mulher que tem originado, por tantos milénios quantos tem a espécie humana, a discriminação social entre os géneros. Não será difícil imaginar como terá começado. Sendo o homem, regra geral, fisicamente mais forte do que a mulher, porque a Natureza assim quis, ter-se-á ocupado das tarefas mais perigosas e que exigem maior dispêndio de forças, como a caça a animais de grande porte, a pesca. A mulher, até pela maternidade, ficou-se pelo trabalho doméstico, pela árdua tarefa de amamentar, cuidar dos filhos. Pelo tempo, as naturais apetências de cada um originaram uma supremacia de um dos géneros sobre o outro, ficando a mulher totalmente à mercê do pai, em primeiro, mais tarde do marido. E tem sido assim, de uma ou de outra forma, o percurso que temos feito.

       As Revoluções Liberais quase nada fizeram pela mulher. O voto não lhe foi permitido. A sua posição, desde Roma, em que tão-pouco era considerada cidadã, sofreu parcas alterações. O lar. Obedecer, casar, dar continuidade à espécie, com raras excepções a esta linha mais ou menos óbvia. Houve mulheres que pela sua firmeza, coragem e bravura se distinguiram. Cleópatra VII, Joana D'Arc; Isabel, A Católica; Maria Stuart, A Sanguinária; Isabel I Stuart, A Rainha Virgem; Catarina, A Grande, entre tantas outras. Por cá, D. Leonor Teles, a odiosa esposa de D. Fernando, mulher firme, o que tal má fama lhe granjeou...; D. Catarina de Áustria, esposa d' El Rei D. João III, regente do reino na menoridade do futuro D. Sebastião, espanhola, senhora de fibra; D. Maria I, primeira Rainha de jure, por direito próprio, filha de D. José e herdeira legítima do trono; e por que não referir D. Maria II, nossa segunda monarca senhora, de vida cujo desfecho foi algo dramático. Ainda assim, D. Maria I necessitou que defendessem a sua causa, o seu direito a reinar, porquanto muitos teriam preferido ver sentado no trono, em seu lugar, o seu filho primogénito, José (em homenagem ao avô). Consta-se, aliás, que esse teria sido o desejo do falecido D. José, seu pai, e do próprio Pombal.  A vida destas mulheres, embora agraciadas pelo facto de terem podido exercer com influência os anos que o destino lhes permitiu, não foi imune a invejas, a vilipêndio. O preço a pagar por se competir com homens.

      Foi o século XX que, efectivamente, trouxe à mulher o reconhecimento dos seus inalienáveis direitos. As sufragistas por isso lutaram - e conseguiram. Um pouco por todo o planeta, a mulher foi alcançando o direito de voto e, lentamente, demais direitos, consagrados em leis fundamentais e em diplomas ordinários: direito ao trabalho, igualdade salarial, protecção jurídica nos casos de violência conjugal, doméstica, acesso a cargos até então vedados e a profissões tidas como exclusivamente masculinas, como os corpos de segurança, possibilidade de progressão na carreira. Em Portugal, a Constituição de 1976 consagrou, em definitivo, a igualdade formal e material entre o homem e a mulher. No ano seguinte, em 1977, o Código Civil conheceu uma reforma profundíssima que lhe expurgou as normas, ou as reformulou, que continham qualquer menção discriminatória quanto à mulher (Decreto-Lei N.º 496/77 de 25 de Novembro). Nesse sentido, livros como o Livro IV da Família e o Livro V respeitante ao Direito das Sucessões foram os principais visados pelo diploma. Dois anos depois, em 1979, o Decreto-Lei N.º 392 de 20 de Setembro veio eliminar as demais barreiras que se erguiam à mulher no mundo laboral.

     Todas estas alterações legislativas acompanharam, mutatis mutandis, a evolução social que se efectivou em relação à mulher e à injustiça que presidia à continuidade de tão desigualitário panorama legal. Nos intermináveis anos da Guerra Colonial, como acontecera anteriormente, lá fora, com a Segunda Grande Guerra, as mulheres viram-se obrigadas a tomar as rédeas das fábricas, das oficinas, dos postos que pertenciam aos seus maridos, dada a mobilização destes para as fileiras.
      Muito há ainda por fazer. Sabemos que as leis de nada valem se não forem cumpridas. E para as fazer cumprir, exige-se uma fiscalização rigorosa e perene.

       Desta vez, decidi guardar o que seria uma introdução para o fim. Deu mote a esta excursão um diálogo que ouvi entre pai e filha, há dias, enquanto caminhava. A menina, de tenra idade, uns seis anos, andava atrás do pai, ignorando a advertência deste para que se mantivesse em casa, junto à mãe. Perante a insistência da filha, e enquanto se dirigia ao capot de um carro, exprimiu todo o seu preconceito naquele lugar-comum que já ganhou uma certa, como direi, comicidade: «Isto não é trabalho de mulheres!» Surpreso ficaria, o senhor, com a quantidade apreciável de senhoras motoristas, polícias, e por aí. Quem sabe e não estimula, com a sua atitude, uma afirmação da filha? Prevê-se uma dor de cabeça. Para ambos.

20 comentários:

  1. É impressionante como ainda hoje sejamos obrigados a conviver com mentes tão obscuras assim. De fato, tais mudanças não se concretizam com leis. É necessário que mudemos a cultura, isto, só se consegue com uma revolução na educação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, trata-se do típico homem-médio português. O fulano pouco instruído, "machão". Quantas vezes opressor...

      É com a educação, sem dúvida. Temos avançado. Noto isso.

      Eliminar
    2. Amigo Paulo, por aqui, exceptuando nas grandes cidades, eu diria que também...

      Eliminar
  2. Texto magnífico. Só que infelizmente as mulheres não "pensam"...

    Pergunta a uma mulher porque tem dias de maternidade, dias de assistência à família, esses direitos todos... Elas não fazem puto de ideia que tudo o que tem à data de hoje, o devem a uma Senhora de Nome Maria de Lurdes Pintassilgo...

    Esteve 11 dias no poder e correram com ela. Num país onde há mais mulheres que homens, estão a falar de?!

    Alguém votou mais tarde na senhora quando concorreu a 1º ministra ou a Presidente deste país?! Claro que não... Então?!

    As mulheres falam muito, que os maridos não ajudam em casa. Trabalham vários casais no Call Center, quando chega a hora de um ficar em casa. A mulher nem dá tempo ao marido para este pedir... Vão logo na frente e depois dizem que os maridos não fazem nada....

    E algumas ainda ligam a insultar as sogras. As mães das meninas é que são boas

    Depois quando são trocadas, muito que elas adoram chorar e fazerem-se de vítimas

    Grande abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi uma grande senhora. Até à data, a nossa única Primeira-Ministra. Candidatou-se à Presidência da República, em 1986, mas não foi bem sucedida.

      Francisco, a igualdade conjugal no seio do lar depende de ambos. O Estado não se intromete, e nem pode, na organização familiar das pessoas. :)

      No demais, sim, as mulheres tendem a ser mais desunidas.

      um grande abraço.

      Eliminar
  3. Olá Mark. Sumido, você :)

    Gostei de sua análise. Bem objetiva. O preconceito com a mulher é algo ancestral e creio que acontece em quase todas as culturas humanas. Não conheço uma em que a mulher seja exatamente igual ao homem, tratado com a mesma dignidade inclusive salarial. Sempre tem alguma diferença.
    Temos muito que trabalhar pra mudar isso. Lamentável que um pai fale isso pra uma menina.

    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ty.

      Nem tanto. Aguardo com expectativa pela rentrée. :)

      Com a informação de que dispomos actualmente, sim, torna tal comportamento inadmissível. Não sei o que esse pai espera da sua filha: que seja submissa ao marido, "fadinha do lar", com poucos estudos e dependendo economicamente de outrem? Mexer num motor de um carro torná-la-ia menos mulher?

      um abraço.

      Eliminar
  4. Ótimo texto, infelizmente a sociedade ainda tem muito a crescer com as diferenças. Deve ser difícil mudar o pensamento de alguém enraizado nessa cultura machista, porém se não nos colocarmos a frente de discussões creio que será mais difícil ainda. Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto. Quase que me apeteceu virar-me para o senhor e alertá-lo, mas jamais o faria. Não era nada comigo. Lamento pela menina. Crescer com um pai assim, enfim.

      Uma cultura muito machista, que exportámos para o Brasil, infelizmente.

      abraço. :)

      Eliminar
  5. sou feminista, não fundamentalista, mas sou. porque a mulher ganha menos do que o homem (com excepção da função pública, embora ache desnecessária a menção em concursos públicos da parte da igualdade de género), porque na educação dos filhos e nos trabalhos domésticos, elas trabalham muito mais do que eles, mesmo trabalhando fora, porque, infelizmente, ainda existem locais que aceitam cães mas não mulheres. mas também aceito que a mulher, no geral, na educação dos filhos, protege muito mais o rapaz do que a rapariga, sendo que o rapaz não faz tantos trabalhos domésticos como as filhas (afinal, têm mais jeito, segundo as mães e as avós). se é um ciclo vicioso, só cabe à mulher quebrá-lo.
    e por me recordar das sufragistas e do tempo cinzento em que as mulheres nem podiam sair do país ou abrir um negócio sem a autorização do pai ou do marido, é que voto. sempre.
    bjs. boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. No que diz respeito às tarefas domésticas, cabe à mulher impor-se. Creio que vão protelando, algumas sendo até coniventes («é homem!», como já ouvi).

      Na retribuição, as diferenças são mais visíveis. É incompreensível uma mulher, por ser mulher, ganhar menos por trabalho igual. Revolta. Mau seria se o Estado o fizesse. Não pode. Está constitucionalmente proibido de o fazer. Se calhar fá-lo-ia, se pudesse, sabe-se lá.

      Sim, a mulher precisava de autorização do marido para sair do país, em Portugal. Não admira. Quatro pessoas num café já era um motim.

      um beijinho, Margarida, e boa semana para ti também.

      Eliminar
  6. O lugar da mulher na sociedade sempre teve um papel bem diferente do homem, se é certo que muito está mudado, nos dias de hoje ainda falta muita coisa ser resolvida, mas não me venham dizer que há trabalhos de homens e de mulheres.

    Isso acaba por ser mais um rótulo laboral do que outra coisa. Não se vê mulheres pedreiras? E porque não? Têm força na mesma, e homens esteticistas? Será que não há?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evidente que não há. Só há "trabalhos de homens e de mulheres" na cabeça de gente "quadrada" (isto usando um eufemismo para não ser mais duro).

      Mulheres pedreiras, confesso que nunca vi. Homens esteticistas, sim, vários. Uma profissão tida como feminina, olha, é professor do 1.º Ciclo (antiga "primária"). Estereótipos...

      Eliminar
  7. Uma das "competências" do meu trabalho não é realmente para mulheres. Não porque elas não o sejam capaz de fazer - que são - mas porque implica lidar com pessoas que podem não reagir da melhor maneira se ali encontrarem uma mulher. Antes de por uma mulher naquela função específica, há que mudar mentalidades e criar civilidade, e aí sim, estas poderão exercer a função com o mesmo risco para a sua integridade que os homens.

    Quanto à tua lista de portuguesas notáveis, deixa-me acrescentar duas: D. Leonor Lorena e Portugal (também conhecida como Alcipe ou Marquesa de Alorna), que conseguiu reconhecimento do seu valor literário / poético ainda em vida. E também Beatriz Ângelo, que foi a única mulher a votar na 1.ª República.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Curioso. Não sei em que actividade estás envolvido, no entanto, é de lamentar que uma senhora ainda careça que velem pela sua segurança apenas por desempenhar uma função tradicionalmente atribuída a homens. Eu arriscaria a corrigir: será uma competência para mulheres, sim; talvez o problema esteja nos "destinatários".

      A minha lista não é de portuguesas que se tenham distinguido. Verás que algumas, como D. Leonor Teles e D. Catarina de Áustria, nem eram portuguesas de nascimento. Será uma lista de mulheres que por cá se distinguiram, não exaustiva. Esses nomes são muito bem-vindos, como também os de Carlota Joaquina ou de Maria de Lourdes Pintasilgo, que omiti por lapso, entre inúmeras.

      Eliminar
  8. Nós viveremos sempre de preconceitos. O lugar de uma mulher é em casa, um homem frágil é maricas, um homem não chora são clichés que a sociedade utiliza para ir catalogando as pessoas escalonando-as conforme os seus interesses. A verdade é que para a afirmação de alguns, existe a negação de muitos outros e isto acontece porque as pessoas têm medo de competir por um lugar na sociedade que estão inseridos. Isto é, por exemplo, se o lugar de uma mulher é em casa, esta nunca irá ocupar o trabalho de um homem e assim este não tem de competir com ela pelo lugar. Dizem que a natureza escolhe os mais fortes ao invés dos mais fracos, mas a verdade é que os humanos eliminam à partida pelas condições que consideram menores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, durante o Verão frequentei a Padaria Portuguesa do Areeiro. Habituei-me a ir lá beber café. Conheci um casal já de certa idade. Um dia, falando com o senhor sobre, enfim, actualidades várias, acabou por confessar: "O fracasso dos casamentos surgiu quando a mulher começou a trabalhar fora...".

      Esta visão, dando a devida desculpa à sua provecta idade (quase noventa anos), dá-nos uma visão do ponto em que ainda estamos. Há quem veja na emancipação da mulher o fim do casamento, como a Igreja viu em Eva todos os males da humanidade.

      Eliminar
    2. A culpa será sempre de alguém... e se for dos "outros", tanto melhor.

      Eliminar
    3. «Esta visão (...) dá-nos uma visão (...)» Tanta "visão"! :D Aquela visão dá-nos uma ideia, isso sim, do ponto em que estamos. Corrijo o lapso.

      Sim...

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)