3 de março de 2015

Programas.


     Mais do que nunca, o meu lado ligado às artes teatrais e cinematográficas tem estado em evidência. Na realidade, embora grande parte dos meus programas não seja partilhada por desinteresse alheio, remetendo-me para uma solidão forçada, não deixo de estar onde quero. Estando só, há um lado depressivo que desponta, pelo que procuro evitar passar grandes períodos na minha companhia, mormente se os que me rodeiam estiverem em amena cavaqueira.

   O meu amigo (que já me pediu em namoro, mas isso agora não interessa nada, nas palavras da apresentadora...) desafia-me e eu, claro está, cedo. É uma oportunidade. Nesse sentido, estivemos juntos na peça "Amor e Informação", no Teatro Aberto. O elenco é conhecido. Ainda não sei se recomendo. Monótona não é, dadas as cenas em formato zapping. A peça é composta por uma sequência de pequenos trechos nos quais os actores se revezam em mil e uma personagens. Vários sentimentos se misturam. É longa, talvez demasiado para o meu espírito inquieto. Em todo o caso, fica a dica.
     À saída, corremos à chuva. Nada romântico, portanto.

   Este sábado, a escolha incidiu sobre o filme "Olhos Grandes", do Tim Burton, inspirado na história verídica de uma pintora estadunidense cuja autoria das obras foi fraudulentamente atribuída ao seu hediondo marido. E versa sobre esse quotidiano familiar e artístico, pejado de mentiras e engodos, na senda dos dramas que tanto aprecio (fujo de ficções como um rato de um gato). Recomendo a quem gosta deste tipo de filme. Vê-se bastante bem (se for de cabeça no ombro, melhor ainda, cof, cof, cof...).

     E agora o que todos querem, não é mesmo? Em que pés isto anda... Bom, pediu-me em namoro, como referi acima, e eu disse que precisava de um tempo. Como bem se sabe, não acredito no amor, o que não me leva a duvidar do sucesso de algumas relações, atente-se. Só que àquilo a que chamam amor, eu dou outro nome. Enfim, remeto aos meus textos sobre o assunto.
    Passar de mãos em mãos não é ideia que queira importar para a minha existenciazinha neste planeta. Daí que careça, ainda, de saber se é a tal pessoa que quero para estar perto de mim, colmatando as necessidades, que todos temos, de estima, atenção, carinho e companhia. Estamos em processo de conhecimento mútuo.
      Sendo o risco grande, a cautela terá de ser maior.

32 comentários:

  1. Não me pareces nada seres pessoa para andar de mão em mão, não me pareces nada uma teres uma existenciazinha. Não me pareces nada que não acredites no amor. Um abraço grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por não querer andar em experimentos é que pretendo acertar em cheio. E temo. Muito. Temo envolver-me e enganar-me. Ele está ciente disso. :)

      um grande abraço, Eolo.

      Eliminar
    2. Percebo o acertar em cheio num grande amor querendo evitar pequenos desamores. Mas lá diz o ditado popular, "quem não arrisca, não petisca". Se sentires que queres, o coração manda. Não vais conseguir controlar se vais sofrer ou não por dependeres de terceiros e o preço da solidão não se justifica.

      Eliminar
    3. É, deve ser assim. Sou inexperiente nestes campos, porém com uma certeza: terá de ser alguém que me estime. E com isto não quero dizer que mereço ser melhor tratado do que A ou B. Sei, todavia, que mereço um rapazito decente. :)

      Eliminar
    4. Mereces quem te ame e quem te respeite e que te estimule a todos os níveis (não estou a ser ordinário). Já é muita coisa.

      Eliminar
    5. Oh, muito obrigado, Eolo. É.. Ficar só não é bom. E envelhecendo torna-se pior. Falta muito, é verdade, mas consigo antever...

      Eliminar
  2. Fiquei contente por saber.
    Namoro? Aceita*, claro.
    Namoro é... experimentar, dar, receber, trocar.
    E só poderás saber se é 'a tal pessoa' se aceitares.
    Um abracinho amigo.
    P.
    *tu é que sabes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda está a correr o prazo para o vencimento da obrigação. :)

      um abraço, P.

      Eliminar
    2. Imaginas o meu sorriso quando li a tua resposta? Prazos :))) Só em direito...
      Foi de orelha a orelha.
      O rapaz vai insistir. Tenho a certeza.
      E tu vais resistir?

      'Carpe Diem'

      Abraço amigo.
      P.

      Eliminar
    3. Ele respeita-me. Veremos onde tudo isto me leva. É difícil resistir quando somos bem tratados.

      um abraço.

      Eliminar
  3. teatro recomenda-se, se bem que nos últimos tempos não tenha assistido a peças.
    não penses muito, deixa andar. pelas tuas palavras, parece-me um rapaz de boa têmpera. até esteve contigo no velório. não só nos bons momentos, mas também nos maus é que vemos o quão os amigos são importantes. amor, amizade, qualquer-coisa-que-toca-fundo... deixa-te levar. é bom :)
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, de facto. Bom rapaz, é. Não o sendo, nem seria seu amigo. Tem sido uma presença importante. No entanto, preciso das minhas certezas. Não posso me entregar assim. Mas entendo o que dizes. Nestas coisas a razão nem sempre funciona como queremos.

      um beijinho.

      Eliminar
  4. Impossível escapares incólume a azares e más escolhas na vida.
    Só te resta experimentar e descobrir :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, a redoma de vidro provida pelos pais não dura sempre.

      Eliminar
  5. Acho que é a primeira vez que comento o teu blog, e o que me levou a fazê - lo foram umas certas palavras que aqui escreveste. Não as vou repetir, pois não é necessário. Aceitar namorar com uma pessoa não deve de ser um passatempo mas não é um contrato para o resto da vida. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, No Limite do Oceano. :)

      No meu caso, e ainda bem que falas em contratos, seria. Tirando o "peso dramático" de «para o resto da vida», até porque não há contratos ad aeternum. Não estamos para sempre vinculados a nada. No que diz respeito a relacionamentos, quanto a mim falo, gostaria de acertar. Preciso muito de estabilidade e todos os terrenos pantanosos assustam-me. :)

      Eliminar
  6. Se te sentes bem, experimenta, sem pensar muito antes, porque correr à chuva é tão bom quando se está apaixonado...

    ResponderEliminar
  7. Namoro com teatro?! Estás muito à frente, anos de luz de muita gente

    Fiquei contente por saber das novidades ;)

    Verdade! Se não deixares acontecer, nunca o saberás ;)

    Grande Abraço amigo Mark(ito) ;D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com teatro, com cinema... Temos nos revezado. :)

      um grande abraço, Francisco.

      Eliminar
  8. Ai, mas são progressos...
    Pela primeira vez falas na palavra "namoro", que ainda não foi aceite, mas pode vir a ser...
    Muito bem!!!

    ResponderEliminar
  9. Gostei: "Sendo o risco grande, a cautela terá de ser maior".
    Se ele gostar mesmo de ti, vai saber esperar. Como a Terra para dar bons frutos precisa de ser tratada e adubada... Assim são as relações humanas.
    Segue a tua intuição.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão. Passaram uns dias desde que escrevi este texto e houve algumas evoluções. Não tão positivas assim. Acho que era fogo demais para um pavio tão curto. Vivendo e aprendendo. :)

      um grande abraço, João Eduardo.

      Eliminar
  10. Querido Mar, a vida é feita para ser vivida. Se estamos cá agora, amanhã podemos não estar. Isto não quer dizer que tenhamos de viver a 1000%, mas creio que tu compreendes o que eu pretendo dizer. Por vezes temos de dar passos em falso. Por vezes temos de cair. É verdade. Eu sei que custa, eu sei que dói. Mas faz parte do processo do crescimento interior. Só assim poderemos amadurecer e ganhar experiência. Como tu disseste já e muito bem, tu não podes viver numa redoma de vidro por todo o sempre. Isso seria uma utopia. Não quer isto dizer que tens obrigatoriamente de "namorar" com alguém - quer dizer tão simplesmente que deves manter-te com o coração aberto para essa eventualidade. Não é uma fatalidade. É uma benção. Quando somos amados, acarinhados, é tão bom! Tu próprio sabes disso agora. ^^
    Li que estes dias a coisa parece não ter evoluído positivamente. Fases boas e menos boas existem em todo o tipo de relações, bem como o criar de expectativas. Dar Tempo ao Tempo e saberem viver os momentos que passam juntos pode ser a melhor solução, enquanto se conhecem. Acima de tudo meu fofinho, não tenhas medo. Tu mereces ser feliz. E eu estou feliz por te ver feliz. Saudades tuas. ^^

    Beijinho e abraço :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo apoio, João. És um querido.

      um abraço e um beijinho. *

      Eliminar
  11. espero que tenhas dito que sim :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Miguel.

      Nem que "sim", nem que "não". :)

      Eliminar
  12. Ter tempo para se conhecerem é uma ótima saída! Boa sorte, espero que dê tudo certo! :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem por isso, amigo Eros. As coisas não correram muito bem. Continuamos a falar, mas quebrou-se aquele entusiasmo que ainda havia aquando da publicação deste texto. E nem tive culpa.

      um grande abraço.

      Eliminar
  13. Acho que "processo de conhecimento mútuo" diz tudo. Abração Mark.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que já findou esse processo, Namorado. E do que concluí, não gostei.

      grande abraço!

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)