31 de dezembro de 2014

Retrospectiva.


   Último dia do ano. As pessoas caminham apressadamente. A excitação é perceptível no ar. Renovam-se os votos de um "bom ano". A velhinha que saúda uma transeunte mais nova. As mãos, encarquilhadas do frio e adivinhando uma vida de árduo trabalho, seguram nas da jovem, ágil, plena de força, desejando-lhe "o melhor que há", descrendo o mesmo para si. É viúva, e os sonhos já lá vão.

    A camisa está-lhe claramente apertada. António não quer saber, chama-o o amigo, ao longe. Corre pela avenida com uma caixa de pastelaria, qual malabarista, de telemóvel em riste. Acerta com a mulher os últimos pormenores "do jantar".

"Não enchas os miúdos de bolos antes da hora d'almoço!"

    A moça estava à frente no multibanco, mas o cavalheiro de nariz empinado atravessa-se, indiferente à prioridade de quem está atrás. Há exaltação! A rapariga excede-se, manda-o "bugiar". O homem ajeita o cachecol, indignado. Ele, que é um senhor!, vai lá perder a sua compostura com uma moçoila de lábios ressequidos e de cabelo desalinhado...

    Espreito para dentro do estabelecimento e cumprimento a Dona Adelina. Sai detrás do balcão e vem dar-me um beijinho. Elogia-me. "Está tão crescido, e a barba fica-lhe tão bem, menino! Então, e já temos doutor?" Entre um café, curto, meias de leite e sandes de queijo que vai servindo aos clientes, pergunta-me pelos avós, pela mãe, pelo pai - já vos disse que ainda há quem pense, quase dez anos volvidos, que eles estão juntos?

    Saio. Tenho frio. São onze da manhã e palmilhei ruas e ruelas. Olho para o ano que finda sem saudade alguma. Como previra, foi mau, não tanto como outros que o antecedem, mas, ainda assim, mau. Junto as mãos à boca, em concha, e expiro o ar quente que trago nos pulmões. Esfrego-as. Esqueci-me das luvas em casa... Enfio-as nos bolsos e sigo.
       
     O ano que se aproxima não será melhor. Quanto a mim. A menos que surja algo inesperado e positivo. Não se confirmando esta última e irrealista hipótese, que seja um seguimento equilibrado deste do qual me despeço.
       Encontrar-nos-emos em dois mil e quinze. Até lá!

24 comentários:

  1. Votos de um 2015 cheio de (de)sequilibrios.
    São os melhores :)
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, (im)própria. Considero-te "própria". :) Um bom dois mil e quinze para ti!

      um beijinho!

      Eliminar
  2. Bem sei que o beijinho da Dona Adelina, talvez não passe de mais uma banalidade. Assim como assim, limita-se - como se fosse a sequência de uma qualquer banda-desenhada, a prolongar as mãos encarquilhadas da velhinha, o telemóvel em riste do António e o nariz empinado do equívoco cavalheiro.

    Foi, contudo, se calhar sem verdadeiramente te aperceberes, uma forma de interagires com o mundo à tua volta. Talvez não seja suficiente, mas, por outro lado, bem vistas as coisas, poderia rer substituído com alguma vantagem o acto de enfiares as mãos nos bolsos.

    Que tenhas um 2015 com tanto de inesperado quanto de positivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. driftin', a Dona Adelina conhece-me há imenso tempo. Hoje fui para aqueles lados. Há muito que não ia lá. Não posso julgar a sua reacção, se sincera, se não, mas acredito que tenha sido mais do que uma banalidade, para ela. Para mim não foi, certamente. :)

      Cenas que observei. Entrei na vida daquelas pessoas, por parcos segundos apenas, e observando-as como um simples espectador.

      Concordo quando comparas a banalidade aparente do beijo da Dona Adelina com as cenas que pude testemunhar. E o que é a vida senão uma sequência de trivialidades, umas mais do que outras?

      Um excelente 2015 para ti, caro amigo. :)

      Eliminar
  3. Olha estás com um discurso pessimista, não gosto! Temos de esperar coisas positivas, puxar pensamentos positivos.. :) Desejo-te um ano cheio de metas a atingir, que encontres alguma pessoa especial na tua vida (para colorir esse coração um bocadinho que também é preciso), que os estudos corram bem e que te divirtas :) !

    Eu reparei nessa barba ! Não posso falar muito desse assunto (só logo a meia noite) hehe mas adoro barbas xD Acho que fazes muito bem usar =)

    Um abraço rapaz, porta-te bem =)
    Feliz dois mil e quinze !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não diria pessimista... Realista. :) Mas, sim, reconheço algum pessimismo, herdado directamente do lado paterno, da minha avó.

      É... já não me vejo sem barba.

      Muito, mas muito obrigado, Ricardo. Retribuo esses votos em dobro para ti!

      um grande abraço e feliz ano de 2015! :)

      Eliminar
  4. Infelizmente partilho do teu pessimismo acerca de 2015.
    No entanto e a nível pessoal¨acho que vai começar bem pois vou ter com o Déjan à Alemanha no dia 19 de Janeiro.
    E deixa-me formular um voto que poderá eventualmente mudar muita coisa na Europa e até cá, no nosso país. Que o Siryza ganhe as eleições na Grécia, embora a chantagem a que este país está a ser sujeito agora, na véspera das eleições torne esse facto difícil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, caro amigo, eu referi expressamente que julgo que 2015 não será um ano "bom" para mim. Para mim. Talvez tenha pecado por não ter feito uma ressalva mais explícita relativamente às outras pessoas e ao mundo, no geral.

      Para ti começará, e felizmente, muito bem. :)

      Será um ano decisivo (ou talvez não...) também por cá, em Portugal. Temos eleições e se acreditarmos que algo poderá mudar...

      Feliz ano e um abraço.

      Eliminar
  5. Espero que esse ano seja melhor para você, Mark. Que seus desejos se realizem. Tem que confiar, o futuro pertence.. a você mesmo :)

    Abraços! Feliz 2015!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ty, Bom primeiro de Janeiro.

      Muito, muito obrigado! Um bom ano para ti.

      abraço. :)

      Eliminar
  6. Feliz ano novo, Mark.
    Um abraço do P.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, P.! Obrigado por te lembrares de mim. Feliz 2015.

      um grande abraço!

      Eliminar
  7. Oh mark então estás tão tristito nesta altura do ano? Nem parece teu... ;)
    Deixa essa tristeza para quando fores um daqueles velhinhos que gostam de reclamar só pelo prazer de reclamar, porque no fundo não têm motivos para tal! ^^
    és tão bonito, jovem, educado e fofo, não precisas de estar triste!
    Sonha, sonha sempre!
    Como diz o poeta, "o sonho comanda a vida"!
    Deixa a sonho tomar conta da tua vida e embarca na viagem dos teus sonhos, rumo ao futuro que tu desejas para ti. Porque sim, tu queres algo, certo? Não estás à espera de ficar no "limbo", depois de tantos esforços e sacrifícios.
    Por isso, avança, tudo é possível, desde que tu assim o querias.
    Beijinho e grande abraço, cheio de saudades tuas.
    Feliz Ano Novo :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, eu acharia estranho se estivesse eufórico. Isso sim não pareceria "meu". :)

      Obrigado pelas tuas palavras, João. És um amor.

      Não ficarei no limbo. :)

      um grande abraço!

      p.s.: Espero que este ano te compense de tudo de menos bom que tem acontecido na tua vida.

      Eliminar
  8. com mais ou com menos melancolia, desejo-te um feliz 2015. mais que bom, feliz, aproveitando os pequenos momentos.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Margarida. Cada ano, cada dia, é uma incógnita. Veremos...

      Feliz ano novo.

      um beijinho.

      Eliminar
  9. Já eu nem tenho barba para mostrar. Rs. Pois espero que algo inesperado e positivo apareça em 2015 para você! Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho um amigo espanhol que não tem barba. Ele tem uns "picos" no rosto, só. E é bem mais velho do que nós dois, tu e eu. :)

      Muito obrigado, Eros.

      um abraço graaande.

      Eliminar
  10. Desejo que tenhas um ano cheio de boas surpresas e que daqui por doze meses a retrospetiva seja mais "animada".
    Grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que assim seja, Sérgio.

      um abraço grande.

      Eliminar
  11. Lindíssima a tua descrição. Tão pormenorizada!
    E eis que nos encontramos numa nova sequência de meses, à qual chamam "ano". :/
    Muita saúde, alegria e paz.
    Vive!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Paulo.

      Dentro do possível, espero que tenhas um ano "bom" (difícil dadas as circunstâncias).

      um grande abraço!

      Eliminar
  12. Olha, ao ler teu texto me lembrei de uma frase que vi alguns anos atrás, talvez ela possa te ser útil: "Espere o melhor, prepara-se para o pior e aceite o que vier"!!!

    Confesso que nos últimos anos andei levando alguns bons cascudos da vida, por isso para além do pessimismo ou realismo, tenho procurado viver cada dia e ir resolvendo as coisas como elas se apresentam... Tem sido uma experiência interessante até, as vezes me perco, mas as vezes acerto!

    Independentemente de qualquer coisa, que você possa fazer desse o melhor ano possível! Muitas conquistas e vitórias para ti.

    Abração! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma frase bastante verdadeira. Faz todo o sentido e tem forte aplicação no quotidiano...
      Acho que também começo a levar "cascudos" da vida. O pior é que sinto que não se ficará por aqui. Confesso que temo um bocadinho o amanhã...

      Muito obrigado, Latinha. Um 2015 cheio de coisas boas para ti também.

      abraçãaaao. :)

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)