6 de dezembro de 2014

Despojos.


    Outra manhã em branco. Vem-me à memória quando saltava para a cama dos pais e programávamos o dia de sábado, o que faríamos, com quem estaríamos. A que exposição me levariam. Em que restaurante almoçaríamos. Hoje, acordando, sou indiferente ao frio que sinto quando deixo que a aragem gélida irrompa pelo meu quarto, ainda que em finos trajes.
   Tomo o xarope. O corpo ressente-se da atmosfera desconfortável dos anfiteatros. Eventualmente, das aulas tardias.

    Cresci sabendo que necessitava de cuidados especiais. Uma cabeça humedecida pela chuva equivaleria a uma semana de remédios. Daí me protegerem; a mãe não consentir que saísse de casa sem os botões do casaco abotoados, sem calçado quente ou o café da manhã. Tampouco me deixava só, à porta, enquanto esperava pelo transporte do colégio.

     Deixo correr a água, à medida em que o vapor se adensa. E fraquejo. A páginas tantas, o som dos salpicos na banheira meio cheia acostuma o meu ouvido. No recorte da água, a silhueta dos meus sonhos, distorcida, comprimida pelas últimas gotas que se evadem da torneira mal fechada. Que se criam e anulam no infinito manto espesso dos minutos de um dia perdido.

24 comentários:

  1. Este estado febril deixa-te inspirado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente não tive febre. Apenas um resfriado.

      Eliminar
  2. Caso para dizer, que és uma "flor de estufa", mas que com o tempo irás ganhar muitas defesas

    Também fui assim, no worries

    Não morres por isso ;)

    Abraço amigo Mark

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco, essa e umá resposta digna de um homem do campo xD
      Acho que se o Mark vivesse no campo não teria tantos problemas de saúde... pelo simples facto que não iria respirar poluição todo o dia..

      Eliminar
    2. Com certeza, Horatius. Morar em Lisboa não ajuda. :(

      Eliminar
  3. Curiosa essa imagem da silhueta distorcida dos sonhos. Uma silhueta comprimida pelas últimas gotas de uma torneira mal fechada!...

    É uma imagem metafórica de um dia apenas perdido? É que, no correr do texto, parece sugerir uma espécie de despojamento. Uma quase indiferença para com os sonhos que, inevitavelmente, hão-de sobrepor-se à penumbra da solidão.

    Porque a vida continua a ser um desafio. Uma equação com várias incógnitas!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, caro driftin', tens razão, é mesmo um despojamento. Não apenas um mero dia perdido. Uma vida perdida, ou perto.

      Eliminar
    2. uma vida perdida? oh, Mark... :( então?
      dia difícil sim, mas assim não...
      o natal não é propício a pensamentos felizes quando os que amamos já cá não estão, mas há que tentar dar a volta.
      bjs.

      Eliminar
    3. Tenho momentos melhores, outros piores. Sou de fases, como a Lua.

      um beijinho grande, Margarida, e obrigado.

      Eliminar
  4. Os filhos crescem e saem por aí nas ruas de Portugal pelados prontos para pegar um resfriado. Rs. Brincadeira! Também não fiz muita coisa no sábado além de dormir e comer. Rs

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "dia perdido" foi metafórico. Perdi-o em vários sentidos. Até saí, passeei por aí, desencontrando-me cada vez mais.

      um abraço.

      Eliminar
  5. True story? És assim tão susceptível? Abracinhos fofinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, sou de compleição frágil. Adoeço com relativa facilidade. Deve-se à bronquite asmática desde tenra idade, que sempre me obrigou a tomar medicação. Os dois maços que a mãe fumava por dia, durante a gravidez, não devem ter ajudado em nada, bem como as suas famosas "noitadas".

      um abraço, tartaruguinha.

      Eliminar
  6. E um dia que começava com um banho de banheira tinha tudo para correr bem... ;)

    ResponderEliminar
  7. Um texto que ficava bem num livro de contos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho essa pretensão, João. :)

      Eliminar
  8. Continuas sem "compreender" a separação dos teus pais. Um filho "não se faz" por acaso e passados alguns anos, todo o universo criado,
    e desmoronado. Recordas, com saudade, os momentos de afeto, em criança, prestados pelos progenitores.
    No final do teu texto, fiquei em dúvida. Creio que te consideras imperfeito. Mas todos o somos, Mark! E fragilidades, também as temos. Podem não ser de saúde física mas de outra ordem. A outra interpretação, que me ocorreu, foi a de um homem desejado, amor impossível ou inconcretizável porque, nem a água, nos seus "contornos", mostra quem merece o teu amor.

    Abraço.
    Espero não ter feito uma interpretação muito absurda. Não me expressei bem - tenho noção. Este período de luto está a ser... E as palavras ainda não consigo libertar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa interpretação. És um homem atento.

      Luto? Eu não fazia ideia. Lamento muito, Paulo!

      um abraço grande!

      Eliminar
    2. Devia ter seguido psicologia clínica ou psiquiatria :(

      Enfim, ...

      No post anterior, não consideres o comentário: pensei tratar-se deste.
      Em http://ondenaoestou.blogs.sapo.pt, selecionando a tag "cancro" ou "mieloma múltiplo", podes acompanhar um pouco da degradação. Infelizmente, coragem e força ainda não tive para escrever a respeito de tudo. Abraço grande.

      Eliminar
    3. Não conhecia esse teu blogue na plataforma do Sapo. Irei lá.

      Os meus profundos sentimentos.

      um abraço sentido.

      Eliminar
  9. Um belo texto, tal como tantos que tu escreves. É impressão minha ou tens dedicado mais a tua escrita a uma escrita pessoal e menos sobre a História? :)
    De qualquer das formas, gosto muito desta tua forma de expressão, gosto mesmo muito quando desabafas, tu és um rapaz muito sensível e que guarda muito para dentro de si. Espero que estejas bem, fofo. Alguma coisa, estou sempre à distância de uma chamada, de uma sms... estou aqui.

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não é impressão. Tenho escrito realmente mais sobre o quotidiano e menos acerca de actualidades políticas, temas históricos, jurídicos, dissertações, ensaios, etc, etc. Não deliberadamente; faltam-me assuntos. É tudo tão... superficial, pelo menos para o que me atrai debruçar-me. :) E o Dezembro também é propício a explorar um lado mais intimista e pessoal. Por mim falo, sou um tipo mais sensível no Natal.

      Eu sei que sim. Muito obrigado!

      abração!

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)