15 de setembro de 2014

O Eu.


   Ando a revisitar doutrinas que conheci há anos, chegando-me por livros que li ainda sem a bagagem cultural e a idade necessárias para compreender as suas essências. Uma delas é o existencialismo, não o de Sartre, embora coincida. Kierkegaard é um autor que me fascina pelas suas ideias. Fui surpreendido com a inclusão de parte da sua obra na disciplina de Direito Constitucional, inserida nos planos de estudo de um dos melhores professores que já tive e com quem pude aprender muito do que sei na área do direito público.

    O contacto prévio com Kierkegaard, anos antes, ajudou a que estivesse familiarizado com as suas teorias, o que me permitiu certa ligeireza e à-vontade no modo com que o abordei nas provas escritas.

   Somos livres. A liberdade implica responsabilidade, eterno chavão, e angústia. Por podemos escolher, vem a ansiedade. O homem é uma síntese de alma e de corpo sustentada pelo espírito. A angústia é o resultado da relação da liberdade com a culpa. Recusando universalizar os indivíduos na espécie, Kierkegaard defende que cada um de nós existe perante Deus e que foi por cada pessoa que Ele se deixou encarnar, sofreu e morreu. Dotados de liberdade ilimitada, somos uma fusão do infinito, do finito, de temporal e de eterno, de liberdade e de necessidade. O Eu é a liberdade.

    De facto, e tomando-me como exemplo, a escolha envolve angústia. Estamos condenados a ser livres. E há um medo que advém dessa liberdade total.


     Sartre, Jean Paul, surge mais tarde. Houve uma evolução no meu pensamento. E se nunca pusera em causa a existência de Deus, o existencialismo de Sartre não mais é cristão como o de Kierkegaard. 

    Vi-me diante de uma areia desconhecida, movediça e cruelmente verdadeira. Sartre nega Deus, nega deuses, e coloca-nos num patamar de absoluta solidão, continuando a ser livres, talvez ainda mais livres do que na construção de Kierkegaard. Percebo que nascemos, vivemos e morremos sós. Somos livres num mundo desprovido de razão. Um gigante absurdo. Nem sempre o bem vence o mal, como nos ensinam nas fábulas. Retomo a angústia de se optar num mundo sem sentido. Não havendo deuses, não há a quem recorrer no limite. Seremos nós a dar um sentido sem sentido em corpos perecíveis, matéria que se degrada, sujeita às vicissitudes do tempo e das mazelas naturais às quais se somam as que voluntariamente, numa inconsciência consciente, causamos.

     Recusava-me a aceitar o nada, o irracional, o ilógico. Não reconhecendo ao nada o valor da inteligência, que buscava no divino, tudo teria uma origem que não poderia jamais passar pelo surgimento casual e espontâneo do universo. Haveria uma força motriz, precedente, intencional, criadora de todos os mundos e espécies viventes que os habitam. Daí a nossa existência terrestre ser um elo com algo que viria, e que antecederia, latente no inconsciente. Cada vez vejo com mais clarividência de que não é assim. Tudo é o acaso, incluindo o ser humano. Estamos sós perante a não existência de deuses, sós entre nós, cada um consigo.

    Caminharei a passos assustadoramente largos rumo ao ateísmo. Perder Deus será a derradeira etapa de uma descrença progressiva na humanidade e no sentido da vida. E talvez aí, sem o suporte de deuses, encontre o Eu no meio do vazio.

18 comentários:

  1. Tenho algumas reservas em embrenhar-me nas leituras de ensaios desse tipo; não porque não sejam eventualmente interessantes, mas porque me cansaria lê-los com a atenção devida e estaria a perder um tempo precioso e que muito prazer me dá na leitura de outros tipos de livros.
    Li algo de Sartre quando era novo, e nada mais.
    E para se chegar ao ateísmo, não é preciso cansar tanto o intelecto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O saber não ocupa lugar e quando aprendemos com gosto não cansa o intelecto. Toda a leitura é meritória. Só o acto de ler o é.

      Há quem acredite e há quem rejeite Deus só porque sim, ou porque não. A crítica tem de ser devidamente fundamentada ou então não ultrapassa a convicção infundada. Não serei ateu, ainda, mas pouco faltará.

      Eliminar
    2. Eu não rejeito Deus, nem sou ateísta, apenas me distancio muito dos dogmas da Igreja, por culpa da própria Igreja.

      Eliminar
  2. vive o melhor que puderes, Mark, com deus, sem deus, contigo apenas, com algo que te faça vibrar, por... tu o saberás. estás aqui e agora e tens uma vida para viveres. depois, é uma incógnita. como dizem, ninguém regressou para contar como é :)
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto, Margarida. É assim como dizes. Todavia, a humanidade vive na ânsia de se encontrar, de se explicar e, sobretudo, de se justificar. :)

      um beijinho grande.

      Eliminar
  3. «Caminharei a passos assustadoramente largos rumo ao ateísmo. Perder Deus será a derradeira etapa de uma descrença progressiva na humanidade e no sentido da vida. E talvez aí, sem o suporte de deuses, encontre o Eu no meio do vazio.»

    ...

    Uma vez, no decorrer de uma aula de filosofia, a propósito de uma intervenção em que tentava defender o que julgava ser inatacável, o professor confrontou-me com esta pergunta praticamente definitiva: «- Tu até podes estar a percorrer o caminho que conduz à verdade, mas quem te garante que assim é?!»

    A verdade acaba por ser uma abstracção, independentemente da posição que cada um de nós assume perante ela.

    É-me difícil acreditar no que quer que seja apenas por uma questão de fé. Não sei que coisa é o sentido da vida e, por outro lado, não me parece que a humanidade seja "O" compêndio mais adequado para entender o significado da evolução.

    Não sou aquilo a que, vulgarmente, se chama crente. Não sou ateu. Não sou, sequer, agnóstico. Não pretendo situar-me no mundo como se a religião fosse o princípio e o fim das coisas, mas não desisto de me encontrar pelos meus próprios meios. Creio, contudo, que essa é uma tarefa que me ultrapassa. Falta-me tempo!...

    Seja como for, suponho que sem oposição não há vida possível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há verdades absolutas. O que é considerado "verdade", no seu tempo, facilmente é desmentido décadas depois. Foi assim com Copérnico, por exemplo, quando a sua teoria heliocêntrica veio desconstruir a pirâmide de certezas da época. A humanidade viu-se confrontada com o facto de não estar no centro do universo; a Terra é um dos planetas que gira em torno de uma estrela entre infinitas estrelas da Via Láctea, por sua vez uma galáxia ínfima quando comparada à vastidão do universo.

      Busco incessantemente a verdade, sabendo que jamais a encontrarei. Chegarei a pequenas verdades que poderão não o ser.
      Deus era inquestionável. Era. Olho em redor e percebo a absoluta solidão de cada ser humano. Nascemos sós e morremos sós. E o mundo segue e avança.

      Eliminar
  4. Vou ser bem sincero com você, eu cada vez acredito menos em Deus, e olha que o peso da religião no Brasil é bem grande, não só da Igreja Católica como também de evangélicos, etc.. Eu acho assim como você, estamos sozinhos nesse mundo. Eu vejo tanta injustiça e me pergunto: cadê Deus, ele não vê isso? Depois eu vejo as religiões explicando isso e aquilo apenas pra que acreditemos que Deus existe mesmo. Acho esse "deus" mau demais e injusto.

    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, e é um Deus omisso. Outro detalhe que nunca entendi é o motivo pelo qual Deus deixou de ser tão interventivo na Terra. Lemos o Antigo Testamento e deparamo-nos com uma Entidade que fala aos homens, que interfere no quotidiano, que escolhe profetas e transmite ordens e regras de conduta, leis em muitos casos. Por que motivo deixou de fazê-lo? Desde que Jesus veio à Terra (para a Igreja Católica, o Deus encarnado), Deus "desapareceu". Os judeus ainda esperam o seu messias, é verdade...

      A ingerência de religiosos na política, no Brasil, é preocupante. Em Portugal, a Igreja Católica tem um tratamento privilegiado, até a nível da Concordata, que rege as relações entre Portugal e a Santa Sé. Não me incomoda. Seria hipocrisia negar o contributo do catolicismo na formação de Portugal. Ele faz-se presente ao longo dos séculos de história deste país, além de ser a fé da maioria dos portugueses, com mais ou menos impacto no dia a dia. Estamos embrenhados em valores cristãos.

      um abraço.

      Eliminar
  5. Kierkegaard o meu Filósofo preferido. Verdade! Tive Filosofia até ao 12º

    "A função da oração não é influenciar Deus, mas especialmente mudar a natureza daquele que ora"

    A fé é a mais elevada paixão de todos os homens.

    For you with love :)

    Grande Abraço amigo Mark

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não dei Kierkegaard no colégio. Conheci-o através de leituras extra-curriculares, por iniciativa própria. Bom, só tive Filosofia até ao 11º ano, verdade.

      É uma citação dele? Interessante. Faz sentido.

      Oh, tão querido. :')

      um abraço grande, amigo Francisco.

      Eliminar
    2. Sim, são frases dele :)

      E, também era o filósofo mais giro daquela época ;)

      Tudo agregado numa só pessoa e eu a nascer anos depois LOLOLOLOLOLOLOL

      Abraço amigo

      Eliminar
    3. És demais. Se não tivesses nascido, terias de ser inventado. :) Ahah

      um abraço.

      Eliminar
  6. Não é nada difícil progredir para o ateísmo, eu mesmo me encontro nesse limiar, apesar da rígida educação católica e dos sacramentos todos que passei (falta-me o casamento, lol, estou à espera que 'eles' facilitem isso).
    Em Roma conheci um geneticista, que descobri depois que é um dos investigadores mais promissores do mundo. Falávamos de ciência e religião, e ele dizia-me "Acredito no que os meus olhos vêem. Se não compreendo o que vejo é porque ainda não investiguei o suficiente". Revi-me completamente naquela resposta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mais fácil do que pensamos progredir para o ateísmo (ou regredir...). Tive uma educação embuída em valores católicos, sim, embora só tenha o baptismo. Os pais não praticam. O catolicismo não teve qualquer peso na minha formação, felizmente. Até agora, sempre distingui claramente a entidade "Deus" de qualquer religião, que rejeito, embora respeite.

      Boa resposta. :)

      Eliminar
  7. Haverá sempre alguém que te irá segurar. Nem que seja um amigo desconhecido.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)