14 de abril de 2014

Mini Férias.


  A faculdade deu-nos uma semana de férias da Páscoa, enquanto os miúdos têm duas. Bem sei, bem sei que é outro nível de ensino. A mãe está sempre a lembrar-me. Ainda assim, considero pouco. O ritmo é devastador. Estes dias não chegam para nada, somando-se as avaliações que se aproximam a passos largos (começam e prolongam-se por todo o mês de Maio).

  Aproveito e ponho o sono em dia. Aos dias da semana, saio da cama sempre cedo. Antes das sete, às vezes às seis e meia. Estudo um bocadinho, arrumo a mala, vejo os códigos que tenho de levar. Depois, arranjo-me, tomo o café da manhã e vou para as aulas. Ter metro perto de casa é uma ajuda. À noite, deito-me tarde. Fico a estudar pelo menos até à uma e tal. Não durmo o suficiente, dizem, se bem que durma pouco. Basta-me umas cinco horas. Estas férias servirão para descansar.

  Não dou importância à Páscoa. Sou cristão (não confundir com católico!), acredito na palavra de Jesus, ponho reticências quanto à sua concepção milagrosa, não o confundo com Deus, sequer acredito que seja filho. Foi um homem bom com alguma ligação a uma entidade superior. Um profeta. Aqui, tendo a aproximar-me dos islâmicos. Jesus é um profeta para o Islão.
  Odeio amêndoas. Se tiverem chocolate, pior ainda, e nem como o tradicional folar.

  Marquei um café, nesta sexta que vem, com um amigo, ex-colega de curso. É de Guimarães e por lá está. Conheci-o no início do primeiro ano, assim que entrei na faculdade. Era ele aluno do terceiro. Quando terminou a licenciatura, voltou à terra. Simpatizou comigo (dir-me-ia, mais tarde, que era aliciante falarmos). Fazendo parte dos veteranos que praxavam, acredito que as experiências com caloiros não tenham sido agradáveis. Ocos como são, a maioria, o estímulo a puxar qualquer tema deve ser nulo. Realmente, das vezes em que ficava na faculdade, de tarde, isto ainda no primeiro ano, conversámos sobre tudo. É socialista, convicto, partilhando comigo algumas posições mais de centro-esquerda. Meses depois de regressar às origens, lá me confidenciaria que chegou a estar interessado em mim, mas que, e transcrevo (guardei a sms): "o olhar paternal que incidia sobre ti dominava-me o desejo". O que eu me ri ao receber isto! Com carinho. Claro que notara algo, mas estava - e estou - ali para estudar, o resto é isso mesmo, resto, e nunca lhe dei liberdade nesse sentido. Não o vejo há que tempos. Sinto vergonha alheia. Combinámos ir a Belém. Espero que o tempo ajude.

    Prometi-me que não pegaria nos livros. Vou ter de quebrar. Lá para quinta. Ossos do ofício.

32 comentários:

  1. Há muita coisa que se pode estudar Mark, e aqui não tem nada ver com promiscuidade.

    ResponderEliminar
  2. sexta feira não tá quase tudo fechado? mau dia não? xD eu nem mini férias tenho, é bulir e até na sexta de manhã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez esteja. Ele vem cá ver uns amigos, afinal, morou em Lisboa por anos, aproveitamos e reencontramo-nos. :) Um café também se bebe em qualquer lado, I guess...

      Pois. :s

      Eliminar
  3. aproveita e descansa, boas "férias" :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje não fiz nada. :) Há meses que não passava um dia a olhar para as paredes. Soube maravilhosamente bem.

      Eliminar
    2. ainda bem! :D

      r. estou a tentar fazê-lo

      Eliminar
  4. Um tempo de descanso, por muito pequeno que pareça, é sempre positivo. Aproveita bem que pelo que dizes será o único em muito tempo.
    Que corra bem o café (:

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, sim. A minha licenciatura é muito exigente.

      Muito obrigado, Jade. :)

      Eliminar
  5. Boas férias :)
    eu terei um fds prolongado de 4 dias, que saberão a férias :)
    Abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho a menor dúvida. Yay! :D

      um abraço, sad. :)

      Eliminar
  6. Aproveita bem Mark.... Quem sabe isso não dá em algo! ;D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL, só o vejo como amigo e ele também, seguramente.

      Eliminar
  7. "à terra"... Meio pejorativo. Eu achei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aos seus olhos, maliciosos, claro. :)

      Eliminar
  8. Alguns com uma vida tão corrida como a sua e outros com uma vida tão pacata como a minha... cada um com suas certezas, hábitos , atitudes, bilhões de humanos na Terra... ai ai e pra mim que sou vidrado em sorrisos o seu continua lindo ....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha vida é muito monótona, Dernier. Não é assim tão agitada. É "casa - faculdade; faculdade - casa", com poucos desvios. :)

      Obrigado. :D

      Eliminar
  9. No meu tempo, as férias de Pascoa e de Natal eram para por trabalhos em ordem. Das seis cadeiras semestrais, no fim das férias de Natal tinham de estar cinco trabalhos despachados. Das da Páscoa, pelo menos três. Mas chegamos a conseguir o prodígio dos cinco na Páscoa. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosh, pesadinho. :s Nós temos cinco cadeiras semestrais, mas valem por bem mais, ahah. :D

      Eliminar
    2. Não sabes o grau de dificuldade das minhas, que eu não te contei ;)
      E podiamos optar, como muitos colegas, por tirar efetivamente as férias como férias. Contudo, se o fizessemos, teriamos de fazer muitas noitadas(falo no plural, porque os trabalhos eram de grupo), pois a somar aos trabalhos, teríamos as frequências.

      Eliminar
    3. Sim, sim, claro! :)

      Eu creio que todas as licenciaturas têm o seu grau de exigência. A tua, pelos vistos, exigia muitos trabalhos. A minha, felizmente, não os exige, excepto às cadeiras optativas em que se "troca", vá, o exame final por um trabalho, ou, no caso, um teste, um trabalho e a cadeira fica feita, acrescentando-se a participação oral, assiduidade...

      Noitadas, nunca as fiz porque me recuso. Isso seria dar cabo de mim. Não conseguiria fazer directas, mas há quem as faça. :)

      ODEIO trabalhos de grupo (e o 'caps' é intencional!). No secundário, fartava-me de trabalhar e havia sempre quem se "encostasse". No primeiro ano da faculdade, participei num trabalho de grupo em que duas meninas também se "encostaram"...

      Eliminar
  10. Só te posso desejar umas boas férias! ^^
    Eu agora que estou a fazer um Curso de Espanhol Administrativo, não deixo de suspirar, fechado entre 4 paredes, enquanto o sol brilha intensamente lá fora...[pelo menos na próxima 6ª feira e na 2ª feira de Páscoa não tenho aulas]. :D

    Abraço :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, João, e bom curso. :)

      Sei bem o que é ver o sol pela janela e suspirar por querer estar do lado de fora... :)

      um abraço!

      Eliminar
  11. Boa Férias :)

    Abraço amigo Mark

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Francisquinho!

      um abração. :)

      Eliminar
  12. Aahhh... Também vou tirar umas férias, aqui neste post, de te comentar.

    Oh, fod*-#&.

    ResponderEliminar
  13. Ai Mark :P Tu vai rapaz! Afinfa-lhe :P

    ResponderEliminar
  14. Eu como estou, desde há uns tempos, em férias permanentes, já não ligo a isso, claro.
    Mas para quem estuda e principalmente para quem trabalha, as férias não são um luxo, mas sim algo verdadeiramente necessário.
    Tal como tu, a Páscoa não me diz absolutamente nada e apenas pelo facto de poder rever a minha Mãe, fui "à terra" (que comentário idiota), estar com ela dois dias.
    Quanto ao teu encontro com o teu ex-colega é muito salutar e deveras interessante saber "certas coisas" à posteriori, não concordas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, achei curioso. :)

      Oh, não estás de "férias". Estás a gozar o descanso merecido depois de uma vida em que trabalhaste. :)

      A Páscoa é um disparate, Deus me perdoe.

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)