14 de fevereiro de 2013

Uma tarde.


    Os últimos dias têm passado depressa demais. Se há colegas que tiraram umas férias antecipadas, eu esmerei-me nas melhorias de notas. Não que me arrependa, contudo, o travo a insatisfação pessoal é inegável. Somos mais do que os estudos, os livros e os apontamentos. Existimos para além das licenciaturas e dos graus académicos. Nunca aceitei anular-me por completo, nem pela metade.

    Ontem saí com um amigo que conheci há relativamente pouco tempo. Pensei acerca da palavra amigo quando pretendi situá-lo na minha vida, concluindo que se o amor são bons momentos, a amizade são partilhas, interesses recíprocos. Sorrisos que se trocam ouvindo-se histórias e episódios do quotidiano, entre reflexões que merecem uma maior atenção.
    O ponto de encontro foi o Chiado e por ali andámos. Levou-me até uma espécie de café japonês na Rua da Alfândega, que devo dizer que não conhecia. Ele tem uma atracção pelo Japão, país e cultura que não me seduzem, de todo. Conhecedor da gastronomia, escolheu, para si e para mim, uma espécie de doce nipónico que me reportou muito aos nossos sconeskurimu-pan. Não sei até que ponto este "bolo" terá sido influenciado pela presença portuguesa no Oriente, nomeadamente no Japão nos inícios do século XVI: o sabor era praticamente lusitano. A casa situando-se em Portugal deve ajudar à semelhança no paladar.

    Ficámos nesse café por um bom tempo. Esqueci-me, por momentos, de que a rotina voltará na próxima segunda-feira... Quando saímos, decidimos caminhar ao largo do rio, até que chegámos às Docas e por lá nos sentámos a conversar. Ele estuda Artes e tirou um caderno para desenhar, mas a falta de inspiração e a brisa fresca não propiciaram a sua criatividade.

    Foi uma tarde simpática, agradável. Regressámos quando os raios solares começaram a fraquejar. Apesar de ter gostado, fico sempre com a terrível sensação de que os bons momentos duram pouco, enquanto os fastidiosos parecem eternos. Também diferem muito em quantidade. 

     Talvez por isso os bons momentos sejam especiais.

23 comentários:

  1. vamos ver os próximos desenvolvimentos :)

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL, tu e os desenvolvimentos. :D É um amigo, Francisco. :)

      abraço.

      Eliminar
  2. "Somos mais do que os estudos, os livros e os apontamentos. Existimos para além das licenciaturas e dos graus académicos. Nunca aceitei anular-me por completo, nem pela metade." concordo tanto com essa frase, se soubesses!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É difícil remar contra a maré... :|

      Eliminar
    2. gostei do trocadilho! :p
      e obrigado pela tua opinião ^^

      Eliminar
  3. A frequência desses bons momentos tb depende de ti :)
    Pelo que li também me pareceu um passeio muito agradável :)
    Abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi... bastante. :) Soube a pouco. É sempre assim...

      abraço.

      Eliminar
  4. Bem, estou a ver que, tal como eu, também tu vais "a melhoria", como eu dizia.

    Uma vez uma prof. quando me viu na sala do exame, com uma colega, perguntou-nos "mas vocês não têm de ir para a praia?", ao que a minha colega respondeu "professora, acabamos de almoçar. Estamos a fazer a digestão e vamos depois"... (óbvio que isto foi no 2.º semestre)

    Grande abraço e espero que as melhorias corram pelo melhor :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, faço, mas não a todas. Seria muito desgastante, ainda mais.

      Ahah, sim, já ouvi histórias de alunos da minha faculdade que vão em grupo para a praia depois dos exames e das orais, lá por Junho, Julho. Deve ter a sua piada. :D

      abraço grande e obrigado.

      Eliminar
  5. Gostei da definição de amizade. Isto porque atualmente, a palavra vulgarizou-se de tal maneira... Odeio que me chamem "amigo" quando não passam de bestas infernais que algo pretendem ou cuja confiança que nelas nutro é abaixo de zero.
    Momentos especiais... Terás muitos! Tens asas!!!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós não nos conhecemos há muito tempo, aliás, há bem pouco, mas há uma empatia. :) Tudo tem um começo.

      Quero acreditar que sim. Esperemos.

      abraço.

      Eliminar
  6. Puxa eu até diria que você tinha ascendência japonesa ou asiática no geral porque seus olhos me parecem puxadinhos :D Eu curto muito o Japão como quase todo o brasileiro. Me seduz aquela sociedade e o espírito bem eficiente deles.

    Abraços e seja feliz sempre como ontem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahah, nunca ninguém me disse isso, embora um meio-irmão da parte do pai tenha de facto os olhos "puxadinhos". :D A mãe é brasileira, deve ser por isso (a mãe dele, não a minha!). Eu estava a sorrir; a expressão facial deu esse efeito. :)

      abraço.

      Eliminar
  7. É sempre bom conhecer amigos e conviver com eles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. E contrariar a rotina! :)

      Eliminar
  8. não conheço esse sítio e há algum tempo que não passo por essa rua. deste-me uma bela ideia. :)
    a tua amizade é bonita e espero que cresça forte. interesses recíprocos são importantes, mas se nada existisse em comum entre vós, aparentemente a princípio, também seria muito bom acabares por encontrar algo em comum ao longo do tempo. acontece-me muito isso (ou, então, são interesses que eu tenho e que estavam bem escondidos e só sei que gosto quando os encontro.)
    bjs. boas melhorias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não conhecia o café e gostei. :) Pronto, a companhia terá ajudado a essa satisfação pessoal. :D

      Curiosamente, há detalhes em que somos o oposto, ex., o carinho pelo Japão. É uma sociedade que nunca me seduziu.

      :)


      beijinho e obrigado.

      Eliminar
  9. Mark, realmente, é um problema do mundo e da sociedade em que vivemos. Estamos sempre atribulados e com pouco tempo. Eu, particularmente, sinto muita saudade do tempo em que estava no ensino médio e que tinha tempo para pensar em mim. Hoje me vejo tão preso no trabalho, tão ocupado e com a cabeça cheia. Mas, te digo uma coisa: no final, só nos marca o que é bom. O ruim passa. O fastidioso passa a ser uma lembrança até engraçada, às vezes. Agora, o que é/foi bom fica guardado em cada segundo de duração.

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, quando estava no colégio tinha imenso tempo. :) E sentia-me eu ocupado e atarefado!... :D

      Sem dúvida! Na sua maioria, os momentos que vivemos não são muito bons, digamos assim, logo, os que o são acabam por nos marcar.

      abraço.

      Eliminar
  10. Esses momentos só duram 'pouco', como tu dizes, porque se calhar te apetece mais. Isso é bom sinal. Se os repetires, vão começar-te a saber a 'muito'. :)
    Abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acertaste tanto, nem imaginas quanto... Sim, apetece-me mais. :)

      Os estudos não preenchem a nossa vida pessoal. Preencherão, quanto muito, a profissional...

      ... e tomara que comecem a saber a 'muito'! :)


      abraço, obrigado, e boa semana para ti também.

      Eliminar
  11. :P Os bons momentos duram pouco, talvez porque não são banais, rotineiros e iguais! :P Tenho que experimentar esse spot :P

    Nome do estabelecimento?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, querido, nem me recordo, mas era algo com o nome Castela! Ahah :D

      Eliminar

Um pouco da vossa magia... :)