20 de julho de 2012

Tédio.


 O meu estado de espírito tem ditado um comportamento irrequieto. Talvez fruto do stress acumulado ao longo dos meses e do corpo se ressentir da vida citadina, não estou particularmente sensível à cordialidade da mãe e do resto da família. Agora, mais do que nunca, posso afirmar que me irrita saber que ainda não molhei os pés no Atlântico (mesmo desvalorizando a experiência do pai que o inferioriza ante o Índico).
 Preencher com motivos plausíveis a palavra merecer parece-me justificar o que está à vista de todos, e depois lá vem aquele trago a futilidade que me leva a pensar que sou permanentemente injusto, até mesmo tendo em consideração o período em que vivemos.

 Vivi absorto no meio de papéis, livros e sebentas, a que me predispus incinerar num auto-de-fé, naqueles momentos em que a angústia toma a réstia de serenidade que ainda se mantém viva. Paro, medito no crime que seria, mas sempre procuro arranjar uma desculpa que me permita aliviar o peso de tais indignos pensamentos - não encontrar uma cláusula no Código Penal que contemple um auto-de-fé de livros é uma delas. Trata-se de uma lacuna jurídica. Interessante.
 Falam-me do que há-de vir, de que o Sol ainda está posicionado bem no alto do hemisfério norte e de que as águas estão frias. Contem-me histórias.

17 comentários:

  1. Tu é que és um emérito contador de histórias.
    Cada texto teu é uma história tipo poesia em prosa...

    ResponderEliminar
  2. Seus textos são deliciosos.
    Aqui está um friozinho gostoso, muito agradável. Aposto que seria de seu agrado. :)
    Abraço brasileiro, irmão português.

    ResponderEliminar
  3. João: Obrigado. :)

    Ty: Pois, agora no hemisfério sul é Inverno. :)
    Eu adoro o Verão, mas não desgosto o Inverno. :)

    Francisco: Ainda não fui à praia este ano. Snif. :'(


    <3 a todos

    ResponderEliminar
  4. gostei, Mark, na mesma senda dos anteriores, mas notei um amargo, o frio que o T. tb mencionou.
    Deixa lá, terás, com certeza, oportunidade para molhares os pézinhos no atlântico :).
    bjs.

    ResponderEliminar
  5. Margarida: A tua sensibilidade feminina é algo de que nós, homens, podemos invejar. :)
    Sim, está lá o amargo. É a sensação de que o esforço não é recompensado, apesar de também haver muita impaciência. :$

    beijinhos :*

    ResponderEliminar
  6. "Tédio"...
    É isso mesmo... Sinto-o associado a algum medo. Não gostei do ano letivo e continuarei... Acompanhar o alzheimer de minha avó é horrendo (nem o Exorcista 1 é tão assustador quanto as graves crises)...
    Curioso, escrevo com os tempos verbais incorretos, sem estrutura e sequência. Tédio meu por não conseguir expressar tudo o que me atormenta. Tantos têm sido os meus erros...
    Não queria utilizar um blogue com nickname mas parece que alternativa não tenho.
    Abraço-te

    ResponderEliminar
  7. Paulo: Eu admiro imenso a tua persistência, coragem e dedicação em acompanhares a tua avó nestes momentos difíceis. O Alzheimer e as suas terríveis consequências são aterradores. Ouvem-se progressos na luta contra a doença nos jornais, na televisão, mas sem concretização na vida dos doentes. :/
    Que mais poderei dizer? :( Desejar força e coragem!

    abraço :3

    ResponderEliminar
  8. É... Tem razão. A vida tá um tédio mesmo. Se cuida aí, Mark.

    ResponderEliminar
  9. Citizen: As minhas férias estão entediantes, até ao momento. Ainda há dois meses pela frente. :)

    Obrigado e igualmente. <3

    ResponderEliminar
  10. Podemos ir à praia juntos... vais ver que o tédio desaparece que é uma beleza... XD lol

    ResponderEliminar
  11. Tenho certeza que suas férias irão melhorar. você terá ótimas férias! Espero que aconteça muitas coisas boas nesse período.


    Um abraço do Brasil.

    ResponderEliminar
  12. Miguel: LOL És sempre o mesmo. :D

    Citizen: Muito obrigado. <33

    abraço :3

    ResponderEliminar
  13. Miguel: Já me disseste isso uma vez. :) LOL

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)