12 de abril de 2012

O Príncipe e a Raposa.


 Num mundo cada vez mais cruel, a confiança constrói-se com pequenos e tímidos passos. Lenta e progressivamente, conhecemos as pessoas que se aproximam de nós e aquelas às quais nós nos aproximamos. Vemos o brilho do seu olhar através da nossa retina, desvendamos as suas reais intenções, ouvimos as palavras certas. Oh, é tão bom ouvir as palavras certas! Na Idade Média, nas batalhas e nos conflitos entre os reinos, os cavaleiros utilizavam, com a sua armadura, um escudo de defesa contra a espada do inimigo e contra as lanças atiradas à distância. A barbaridade imperava, dizem alguns; foi substituída pelas armas de fogo, uns séculos mais tarde, e pela energia atómica, num passado ainda recente. Nunca percebi o significado do conceito de barbaridade.
 Há quem se defenda com uma cara , semblante cerrado e ameaçador. Há quem fuja do confronto com o próximo, tendo aqui a palavra confronto não um sinónimo de algo mau, pejorativamente falando. De confronto entenda-se o diálogo, a aproximação a outrem, o convívio ameno. Há quem tema o Homem; terá razão?

 Uns dirão que a Humanidade está perdida, como um pedaço de matéria que é atraída por um buraco negro. Os menos cépticos tentam agarrá-la com todas as suas forças, como quando uma chave cai numa sarjeta da água das chuvas. Por entre os ferros que cobrem toda a extensão do bueiro, colocamos a nossa mão, por  vezes atravessada, a muito custo, e lá conseguimos retirar o objecto que dávamos por perdido. Talvez ainda haja tempo para um resgate.

 «Somos responsáveis por aquilo que cativamos.»

 Somos responsáveis por cuidar daqueles que amamos; sentimos que somos pertença -divisível por muitos - de todos aqueles que mereceram ganhar a nossa estima, que trespassaram as muralhas que orgulhosamente sós erguemos ao longo do tempo. Quando o pano cai e as emoções extravasam à superfície, todos precisamos de alguém.
 A raposa deu a sua confiança e o princepezinho teve a sua amizade.
 Que ninguém nos tire o que conseguimos conquistar.






16 comentários:

  1. Eu sei que te disse isto um milhão de vezes (senão mais!),mas tu escreves maravilhosamente bem.
    Quem me dera ter metade do jeito que tens para escrever!!
    Amei. Amei a temática,as palavras escolhidas,o video. Tudo!!
    Gostei muito =)

    p.s-muito obrigada pelo teu comentário tão querido e fofinho. Obrigada pelo apoio =)

    beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Mark, meu querido amigo.
    Hoje foi um dia lindo. Comecei por ouvir música francesa, que adoro, e acabo por ler este teu post maravilhoso. Le petit prince de Antoine de Saint Exupéry - é uma fonte permanente de alegria.
    "Aimer, ce n'est pas se regarder l'un l'autre, c'est regarder ensemble dans la même direction."
    Um abraço apertado :)

    ResponderEliminar
  3. Aparte mais maravilhosa do mais maravilhoso dos livros...

    ResponderEliminar
  4. O teu blog é encantador, caro Mark!
    Imagino-te como pessoa.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Simplesmente fantástico :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Sonhadora: Obrigado, querida. :$
    Não tens nada a agradecer; pelo contrário, eu tenho a agradecer o carinho que me dás. :)
    Beijinho! *

    Pedro: Muito obrigado! *.*
    Abraço! :)

    João: É, sem dúvida, um livro maravilhoso repleto de mensagens dirigidas ao Homem. Travestidas de fábulas, as verdades estão lá todas. ^^

    Anónimo: Poderias ter assinado ou escolhido a opção de colocar um nome. Seria mais fácil designar-te até para a posterioridade. Em todo o caso, muito obrigado! Mas, sou uma pessoa como qualquer outra. :)
    Abraço!

    Francisco: Concordo. :)
    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. Escreves como respiras :)

    Aproveito para te convidar para vires dar uma olhadela ao no PIXEL, no meu blogue e ficas convidado a participar neste concurso de histórias :p

    http://good-friends-are-hard-to-find.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. sad eyes: Muito obrigado pela atenção. :) E, já agora, muito obrigado pelas palavras. :33

    ResponderEliminar
  9. As palavras do sad eyes são exactamente o que eu penso sobre os teus escritos. Sinto Marl, em cada uma delas. Abraço cheio de carinho. ^^

    ResponderEliminar
  10. Pedro: Oh, muito obrigado. :$
    És um querido. *.*
    Um grande abraço! ^^

    ResponderEliminar
  11. olá, Mark. juntas as palavras com tanta delicadeza e sentimento. uma das mais belas histórias de amor, porque o amor pode ser tanta coisa. "por favor, cativa-me!"

    ResponderEliminar
  12. Olá, Margarida! Muito obrigado pelas tuas palavras e pela amabilidade da visita. :)

    ResponderEliminar
  13. Hoje em dia,quase ninguém quer ser cativado. Preferem viver na ilusão de ser autossuficiente,do "eu me basto," de não precisar de ninguém para nada. O que é uma ilusão,uma mentira. Todos nós queremos ser cativados e cuidados por alguém,faz parte da nossa natureza.

    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  14. Citizen: Sim, é verdade, todos precisamos de carinho. Quem diz o contrário, ou é feito de ferro, ou mente. :)

    Abraço! :33

    ResponderEliminar
  15. Um dia terás um principe, que te achará a raposa mais especial do mundo. E deixarás de ser uma raposa como as outras aos olhos dele, e ele deixará de ser um rapaz como os outros aos teus olhos. ;)

    ResponderEliminar
  16. Coelhinho: Muito obrigado. :) Quem dera! ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)