29 de março de 2012

Sobre as viagens e os túneis.


 No metro, procuro sempre ficar em pé, junto à porta. Em criança, recordo-me que das poucas vezes que viajava de metro, tinha de colocar os dedos nos ouvidos porque o barulho perturbava-me. Então, lá tinha de vir um adulto, geralmente quem me acompanhava, dizer-me que com os dedos nos ouvidos e a fazer birra «parecia um menino feio». O percurso era-me interminável e também ficava bastante atordoado pela escuridão que via lá fora. Aquele negro dos longos túneis do metropolitano eram um mistério para mim. E, por que razão tinham fios de várias cores dispostos uns em cima dos outros? Que fios seriam aqueles? Diziam-me que não podia tocar porque «dava choque». Soube, mais tarde, que o revestimento de plástico, colorido, serve precisamente para isolar os cabos.
 Andava debaixo da terra e isso também era questionável. Se os outros comboios andavam em carris, por cima da terra, era suposto estes serem iguais. Talvez fosse melhor andarem debaixo da terra, pois assim evitava-se a degradação que via na linha da Praia das Maçãs, no Verão, quando íamos até às piscinas pelo colégio. No caminho, na carrinha do colégio, seguia os carris até eles terminarem num beco sem saída ou até os meus olhos lhes perderem o fim.
 Também o tamanho dos buracos me era estranho.

"Avó, para meterem os comboios no chão têm de escavar muito, não é?"

É assim que ela mo conta. Eram, indubitavelmente, bem maiores do que os buracos que via na quinta durante as férias grandes. E depois a eterna vontade de ter um metro só para mim.
 Enquanto tinha a música por companhia, vi que as perspectivas mudaram com o tempo. Perdi o medo ao barulho das carruagens a passarem pelos carris, já não vejo a escuridão dos túneis como longos espaços cobertos e medonhos e decididamente não quero tocar nos fios coloridos que vejo pela janela. Mas, agora como dantes, é um alívio quando me sinto a chegar à superfície. Cerro os olhos pela súbita claridade que me invadiu a retina, para de novo entrar nos túneis escavados ao longo do solo.
 Seria a primeira vez que deixaria passar a estação em que costumo sair, continuando a viagem.
 Saí da carruagem.


8 comentários:

  1. Olá Mark!

    Tens de vir passar uns dias aqui no Porto! ^w^

    O "nosso" metro tem zonas em que anda debaixo da terra mas são zonas muito iluminadas e por vezes as paragens subterrâneas são "alvo" de exposições de arte e de esculturas.

    Abraço grande :3

    ResponderEliminar
  2. A evolução normal das coisas.
    Sobre túneis, li outro dia num livro uma passagem, sobre a travessia de comboio, no princípio do século XX, do enorme túnel do S.Gotardo que faz a ligação ferroviária entre a Suiça e a Itália; era uma coisa quase épica...

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito de te ler.
    Abraço amigo
    :)

    ResponderEliminar
  4. Hórus: O pai mora no Porto. x) Eu ia frequentemente antes de entrar na faculdade. Ultimamente, é ele que se tem deslocado cá para me ver (quando o faz!).
    No Porto há o metro ligeiro de superfície. É muito bonito! Eu conheço. Também tem zonas subterrâneas. ^^

    Abraço! :3

    João: A Suiça, com os Alpes e por se situar no "coração" da Europa, deve ter túneis surpreendentes. :)

    Pedro: Obrigado! :3
    Abraço! :)

    ResponderEliminar
  5. Vim aqui agradecer-te os teus comentários no "My Story" e retribuir-te o abraço com um sorriso.
    :)

    ResponderEliminar
  6. "E a fazer birra «parecia um menino feio»" ahahah aos anos que não ouvia esta expressão!

    Por acaso, adorava andar de metro quando era míudo; passava o tempo todo a olhar pela janela fora, a ver a "paisagem". Era tremendamente excitante.

    E, sim, concordo com o ruído, o metro de Lisboa é bem barulhento.

    ResponderEliminar
  7. Eu gosto imenso de metros, inclusivamente já andei a estudar a história dos transportes subterrâneos. O que me fazia confusão era porque é que o metro fazia curvas se andava debaixo do chão. Porque não ía logo a direito para a estação seguinte? Lol...

    ResponderEliminar
  8. Coelho: Também adoro metros e, sobretudo, a maravilhosa engenharia que está por detrás de tão espantoso meio de transporte urbano! *.*
    Realmente, agora que perguntaste, por que motivo fará curvas se está debaixo do solo? O.o

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)