9 de setembro de 2011

Loved by you, just you, nobody else.

Se pudesse, viajaria numa máquina do tempo que me projetasse diretamente nos anos de ouro do cinema mundial. A cor, o brilho e todo o glamour incontestável das décadas de 50 e 60 do século passado deixam-me a pensar que os verdadeiros felizardos não são aqueles que vivem com toda a tecnologia ao seu dispor.
Lisboa preserva ainda alguns candeeiros dessa época nas ruas mais obscuras, cujo tempo teima em não deixar a sua marca. O tio também guarda o antigo Volkswagen Carocha que tanto prazer lhe deu na juventude. Em criança, adorava entrar no carro, colocar-me ao volante e sentir o peso dos anos e dos quilómetros percorridos. O estofo, usado, adquiria uma tonalidade gasta, de cor já esbatida pelo sol. Era o seu automóvel de recreio.



Cantar ao som do vento, sentindo a brisa fresca na pele, arrefecendo os ímpetos, contudo sem secar a voz quente e sedosa.



"I wanna be kissed by you, just you and nobody else but you. I wanna be kissed by you alone... I couldn't aspire, to anything higher, than to fill the desire to make you my own..."



2 comentários:

  1. Se puderes, vê o filme "Longe do Paraíso", que além de ser magnífico, retrata como nenhum outro essa atmosfera dos "fiftie's".
    http://www.imdb.com/title/tt0297884/

    ResponderEliminar
  2. Também adoro. E a Marylin é fantástica

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)