18 de setembro de 2011

As horas que me antecedem.




Quando o queijo da tosta mista derrete, vejo que está no ponto. Para mim, a tosta mista terá de ter o pão suavemente torrado e o queijo derretido, mole e saboroso. Sentei-me no escritório da mãe a preparar tudo para o reinício das aulas. Fiquei com pena de algumas canetas ainda pouco utilizadas, cores que não gastei o suficiente. Não aproveito o material de anos anteriores por um ressentimento com tudo o que me prenda a um passado do qual não gostei. A necessidade de inovar é bem maior, paradoxalmente com o medo do amanhã.

A tosta esfriou e o queijo endureceu. A garrafa de leite com chocolate encontrava-se a meio. Cada gole foi diminuído propositadamente de forma a que o leite durasse mais tempo. Seria gula ir buscar outra garrafa ao frigorífico, por isso detive-me a saborear aquela com calma. Em pequeno, gostava de fazer bolhas nos líquidos vertidos nos copos ou mesmo nas garrafas. Aprendi cedo de que isso não se faz, mas é tão divertido. Não, não o fiz.

Os cadernos coloridos fitavam-me agora por cima da secretária da mãe. A cor não lhes traz vida, garra, o ânimo necessário para que enfrentem todo um ano letivo. Peguei no estojo e aproximei-o do nariz. Gosto do cheiro a novo, por estrear, cheiro da novidade, de algo recente sem marcas do tempo ou do uso natural dos objetos. Separei cada embalagem, ainda fechada, das canetas coloridas - com aroma a pastilha elástica - e do restante material, começando a abrir uma por uma à medida que colocava o conteúdo no estojo. A novidade foi perdida, como um presente que se abre e deixa de o ser. Seria bom se perpetuássemos a novidade de uma embalagem por abrir indefinidamente.

Tudo arrumado, cuidadosamente separado. Falto eu, no fundo. Tamanha desorganização funcional que não me parece que haja muito a fazer nos próximos tempos. O ser humano, extraordinariamente versátil e adaptável às situações novas ou nem tanto, tem uma capacidade, passo a redundância, de fundir-se na sua realidade de modo a que não tenhamos a absoluta certeza de onde começa, enquanto pessoa, e de onde começou a realidade, boa ou má, que o transformou. Difícil para quem não atravessa o mesmo processo.
As horas que me antecedem doem, mas o amanhã atenuará o sentimento presente em mim.


3 comentários:

  1. também gosto de tostas mistas com muito queijo derretido :p
    não vai ser nada esse recomeço vais ver, custa só o primeiro dia e depois é só levar por diante ;)
    abc

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)