27 de julho de 2011

Deixei-os de fora.


Hoje, que a escuridão me tomou, preciso de ti mais do que nunca. Hoje, que o sol teve uma luz fria, senti-me desamparado, sozinho, precisando de um porto seguro. Hoje, o calor foi angustiante, os passos pesados e o clarão nada mais do que uma névoa amarga que sobrevoou os meus pensamentos.
Deitei-me sobre a cama, abraçado à minha almofada e pensei que estavas lá. Deixei os monstros lá fora. Fiquei contigo... até acordar.

6 comentários:

  1. e assim se vive, sofrendo, no silêncio ;(

    I understand It so very well...

    Be strong and run!!!

    ResponderEliminar
  2. ya, eu senti o teu abraço e o teu calor... os nossos corpos tornaram-se 1 e nunca na minha vida me custou tanto acordar e sair daquele quentinho...lol
    =p

    ResponderEliminar
  3. Devias mandar isto a uma certa pessoa...

    ResponderEliminar
  4. Mais um belo texto, Mark. Revela, mais uma vez, a extrema sensibilidade que possuis.
    Concordo com o pinguim. Porque não compilas os textos que fazem referência ao R. e lhe envias em formato de um portefólio, por exemplo e um belo laço (é apenas uma sugestão). Tem tudo a ver contigo

    Até já :)

    ResponderEliminar
  5. Adorei a ideia do "laço". :D

    Thank you all ^^

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)