21 de março de 2011

As Aventuras... no Metro!


É raro ir de metro para a faculdade. A mãe leva-me de carro, ou a Ana, ou mesmo eu, que me meto no carro e vou. Porém, esta última hipótese é a mais rara devido aos problemas em estacionar o veículo e à camada de nervos que apanho quando sou eu a conduzir no meio de filas de trânsito infernais. Para além de todas estas modalidades, por vezes vou de táxi ou metro. Odeio. O metro, de manhã, é a coisa mais horrorosa que já vi. Vai apinhado de gente. As pessoas não têm o mínimo civismo. Vêem que não entra nem mais uma alma, mas mesmo assim enfiam-se até o ar ficar irrespirável de tanta compressão no diafragma. Já para não falar das pisadelas, dos empurrões, etc. É uma saga! Agora, imaginem-me a mim no meio daquilo...
Hoje foi um desses dias. Apanhei o metro e nem foi dos piores dias. Estava, digamos, aceitável em termos numéricos. Claro que lugar para sentar é melhor esquecer... Fui em pé, como de costume sempre que vou de metro, de preferência bem encostado à porta que não se abre. Aconteceu-me algo que nunca esperei. Um homem, novo, entrou na estação seguinte com uma rapariga e ficaram perto de mim a conversar. Tinha tão mau hálito que eu ia morrendo. Eu estava precisamente no meio dos dois. A sua boca era enorme e tinha os dentes feios, amarelos e com um aspeto nojento. Cheirava tão mal, mas tão mal da boca, que eu juro: fiquei agoniado. Tive de baixar a cabeça e afastá-la para o lado esquerdo. No entanto, continuava a sentir aquele cheiro fétido a entrar pelas minhas narinas e a revolver o meu café da manhã. Estava impossibilitado de me mover porque, entretanto, foram entrando mais passageiros. Quando saí, aquela coisa mal-cheirosa ainda lá ficou. O homem morreu por dentro e não deu por isso!...
Pensam que acabou? Era bom... Saí da carruagem e dirigi-me para a saída. Senti um vulto atrás de mim, mas, como é natural, não dei importância. Continuei a sentir aquela estranha presença e, quando olhei para trás, constatei que um indiano me seguia desde a saída do metro. Quando viu que olhei para ele, mexeu no pénis, por cima das calças. SIM, É VERDADE! Entrei em choque e acelerei o passo. O indiano também acelerou e quando passou por mim, disse: "Bô diá...", naquele português mal falado e piscou-me o olho. Cheirava mal, àquele cheiro deles. Para quem não sabe, Lisboa está cheia de indianos. Não lhe respondi e continuei a andar. Entrei num café, pedi uma bica, esperei cinco minutos e quando saí ele estava à minha espera!!! Continuei a andar e ele atrás de mim. Continuei e voltei a acelerar o passo quando, de repente, estão dois polícias bem lá à frente. SALVO! O indiano não sabia português, mas adivinhou a minha intenção. Virou e seguiu caminho.
Que raio de dia. Sinto-me enojado. As minhas colegas até repararam que eu não estava bem. Claro que não lhes contei o sucedido. Morreria de vergonha. Já me aconteceu ser assediado por africanos e indianos, mas nunca desta forma explícita. Quem me manda a mim sair assim por essas ruas fora? Misturar-me desta maneira absurda, sujeitando-me a situações destas. Qualquer dia violam-me!
Já contei à mãe o sucedido e querem saber o resultado? Acabaram-se os metros. Agora, quando não puder de outra forma, vou de táxi.
Detesto misturas.

13 comentários:

  1. Coitado do pequeno, não pode andar de metro korror!!!!

    ResponderEliminar
  2. Logo vi que isso ia dar coisa, o melhor mesmo é não te aventurares mais!

    ResponderEliminar
  3. O metro é uma Saga, mesmo o do Porto!! Felizmente também já não preciso de o usar. Cheguei a falar de pelo menos duas aventuras peculiares lá no meu blog.
    http://psimentos.blogspot.com/2010/03/comer-no-metro.html
    e
    http://psimentos.blogspot.com/2008/04/idadesabedoria.html

    Felizmente nunca fui vitima directa de nenhum ser da sociedade, nem ao nível que descreveste nem a nível de assaltos, gosto de pensar que a minha estatura física desencoraja o pessoal ahahahahha.
    Bem pelo menos não tens de levar mais com isso. Por acaso quando estou em Lisboa e tenho de usar o Metro tem sido tranquilo!!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  4. É a Primavera Mark, é só a Primavera

    ResponderEliminar
  5. Como eu te compreendo... felizmente já me safei dos transportes públicos... Agora só carro!!! Nem mesmo taxi, por vezes é onde ha odores mais estranhos.

    ResponderEliminar
  6. Tive que me rir, não leves a mal...
    És único.

    ResponderEliminar
  7. Força :)
    Estamos sempre a aprender.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. "O homem morreu por dentro e não deu por isso!..." AhAhAh se calhar morreu mesmo!
    Bom, passaste cá um dia Mark!

    ResponderEliminar
  9. Foi a primeira vez que passei neste blog, pois agora infiltrou-se-me o bichinho da blogosfera e ando à pesquisa, e fiquei surpreendidíssimo pela positiva com o conteúdo!
    Parabéns, tens um dom rapaz! Atrevo-me a dizer que o modo como escreves é contagiante, e dá vontade de ler mais e mais :)
    Algumas das tuas palavras são hilariantes!

    Abraço, e de certeza que vou passar por cá mais vezes ;)

    ResponderEliminar
  10. Mark: não me vais levar a mal e eu percebo e respeito a tua opinião. Mas a vida é isso mesmo: imperfeições. O mundo não é perfeito. E é dessa vivência e experiência que eu acho que tenho crescido... Fingir que a vida de uma carruagem de metro não existe, não é solução...

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Do que gosto menos no Metro é o facto das pessoas terem de levantar os braços para se agarrarem para não cair! Escusado será dizer porquê!

    Mark, estas experiências ajudam-nos a crescer. Não leves a mal, mas viver numa "bolha Actimel" (passo a publicidade!) não nos prepara para a vida adulta!

    Abraço,
    Ikki

    ResponderEliminar
  12. Bem, tu tens azar. Assédio no metro foi coisa que nunca me aconteceu, pelo menos que eu me tenha apercebido.

    Quando vim para Lisboa para a faculdade houve uma tentativa de assalto, mas eu pisguei-me a tempo.

    Normalmente não gosto muito de andar de metro, prefiro o autocarro, mas o metro tem a vantagem da rapidez. Actualmente já quase não o uso, é bunnycar (ou a pé) para todo o lado, mas por vezes dou por mim a pensar que tenho saudades de andar de transportes públicos (sou louco, eu sei!)

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)