17 de fevereiro de 2011

Eu Não Quero Voltar Sozinho



Eu adoro curtas-metragens. Recordo-me, aqui há uns anos, de estar acordado até de madrugada para ver umas fantásticas curtas-metragens que passavam na RTP2. Como são curtas, dão especial atenção a pequenos pormenores muitas vezes esquecidos nas grandes produções.
Esta curta retrata a história de dois rapazes e uma rapariga que se vêem envolvidos num triângulo amoroso. Um dos rapazes, invisual, apaixona-se pelo seu recente colega, o que desperta algum ciúme por parte da sua amiga de longa data. Quero salientar a beleza da descoberta do amor gay por parte dos dois rapazes.
É uma pequena história que contém uma importante mensagem de descoberta e de como o amor nas nossas idades - aqui falo enquanto jovem - pode ser mágico.
Espero que gostem como eu gostei.

24 comentários:

  1. Já conhecia e gostei muito.
    Eu tenho uma extensa lista de filmes de temática gay, incluindo curtas-metragens, e que é um dos meus grandes hobbies (excluo a pornografia, claro).

    ResponderEliminar
  2. Oi Mark. Eu sou do Brasil e curiosamente não conhecia essa curta. Obrigado por a divulgar em seu blog. Gostei bastante. Beijos.
    Laiane

    ResponderEliminar
  3. Gostei imenso desta curta-metragem. Confesso que é um mundo pouco explorado por mim, o das curtas-metragens, mas acho que, com esta, fiquei motivado para começar a navegar por este mundo. É-me difícil de acreditar que em pouco mais de um quarto de hora consegui conhecer três personagens e afeiçoar-me a elas. E ainda mais difícil para mim é de crer que é possível, num espaço de tempo tão condensado, haver tantos pormenores e tanta riqueza na história.

    ResponderEliminar
  4. Eu senti o mesmo. (: Também me afeiçoei às personagens e ao enredo. Gostava que se tratasse de uma longa-metragem, mas infelizmente não o é. (:

    ResponderEliminar
  5. Pois, poderia ser uma curta-metragem... ou não. Por um lado acho que não deveria ser um longa-metragem, porque é exactamente pelo seu reduzido tamanho em termos de tempo, que nos consegue surpreender com a gama de assuntos tratados (vai desde as paixonetas da adolescência, à descoberta do primeiro amor gay, passando pelo dia-a-dia de um cego). Mas por outro, se fosse uma longa-metragem, era provável que ficássemos a saber um pouco mais sobre o que acontece entre os dois rapazes...

    ResponderEliminar
  6. Curioso! Descobria ontem enquanto vagueava pelo YouTube e estive a visualizá-la.
    Acho que está particularmente bem conseguida, com muita sensibilidade da parte do realizador. Uma grande "curta". Pena alguns dos comentários no YouTube sobre a matéria, mas nem sei porque os leio. Sou masoquista!
    Abraço,
    Ikki

    ResponderEliminar
  7. Concordo plenamente, Ragdoll. Gostava que fosse uma longa-metragem apenas para poder acompanhar o desenrolar desta relação. Achei tudo tão bonito e inocente. Ah, e achei o Gabriel muito giro, eheh. ^^

    Ikki: Também gostei imenso. Fiquei com aquele gostinho a pouco... ):
    Foi muito bem conseguido e o enredo interessou-me muito.

    Pinguim: Eu não tenho nenhum filme deste género. Vou vendo à medida que surgem. (:

    Já agora, um beijinho para a Laiane. Obrigado pelas tuas palavras e pela visita. (:

    ResponderEliminar
  8. Mmm... O Gabriel é giro... siim... Mas eu gostei mais do Leo ;p (Faz mais o meu género xD)

    P.S. A minha parte preferida da curta-metragem (sem contar, obviamente, com a cena do beijo e do casaco) é a cena em que o leo está deitado com a cabeça no colo da Giovana. Transparece tanta ternura, mesmo que seja entre dois amigos...

    ResponderEliminar
  9. Sim, o Leo também é fofinho. ^^ Mas o Gabriel diz-me mais, talvez pelos caracóis do cabelo. (:
    A minha parte preferida do filme é a cena em que o Gabriel deixa o Leo em casa. O abrir do portão, aquela preocupação e todo o carinho impressionaram-me. (:

    ResponderEliminar
  10. Pois, também é uma cena marcante. É como dizemos: tanta coisa com valor, mesmo que seja apenas um gesto ou uma expressão, condensada em tão pouco tempo, torna difícil escolher a melhor parte. É caso para dizer: "a melhor parte do filme? É o filme inteiro." :)

    ResponderEliminar
  11. Exacto. (: Acho tudo tão... mágico. São dezassete minutos de um sentimento novo (para eles) e bastante nobre.

    ResponderEliminar
  12. Exactamente, faço minhas as tuas palavras "Acho tudo tão mágico". Tornou-se o meu filme preferido. Pode ser pouco tempo, mas é o suficiente para contar um vida inteira. Supera sem dúvida criações de alto orçamento de hora e meia ou três horas. Já o voltei a ver três vezes xD

    ResponderEliminar
  13. É o teu filme preferido? Que giro. (: Bom, sendo assim, ainda bem que o publiquei aqui. (:
    Também o acho MUITÍSSIMO melhor do que produções caríssimas e totalmente fúteis e despropositadas.

    ResponderEliminar
  14. :p E eu agradeço que o tenhas postado, e sugiro que continues a divulgar mais curtas-metragens deste género que aches relevantes. Eu, de certo, cá estarei para as apreciar ;p

    P.S. Já que 'tou numa de elogios, dou-te os parabéns pelo blog que é bastante interessante :P

    ResponderEliminar
  15. Obrigado pela sugestão. :P

    E obrigado também pelas tuas palavras. :)

    ResponderEliminar
  16. Muito, mas mesmo muito, bonito:)

    Sem palavras!

    @Pinguim: Pornografia não são filmes. São demonstrações de sexo ao vivo por pessoas que ambicionam ser actores, mas não têm o mínimo jeito para tal.

    ResponderEliminar
  17. ainda não conhecia e gostei muito :)
    O amor cada vez me surpreende mais...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  18. Ainda bem que gostaste, Filipe. :)

    E concordo contigo na apreciação / descrição dos filmes pornográficos e dos seus actores. :)

    ResponderEliminar
  19. Ainda bem, divagações ao luar. (:

    ResponderEliminar
  20. fica a apetecer um pouco mais do que os dezassete minutos. abraço amigo Mark

    ResponderEliminar
  21. Foi exactamente com essa sensação que eu fiquei, Speedy. (:

    Abraço.

    ResponderEliminar
  22. Habitualmente as boas curtas são aquelas que no final nos fazem desejar que fosse uma longa. Esta é uma delas.

    ResponderEliminar
  23. Eu vi esta curta há algum tempo atrás e adorei!
    É tudo tão...inocente... ^w^
    Tal como tu, gostava muito que esta curta metragem passasse para um filme a sério. Quem sabe o realizador não pensa nisso? ;)

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)