28 de dezembro de 2010

Correr ao Vento


A vida passa por nós e a verdade é que raramente a vivemos. Quem sabe o que é viver? Viver não será, com toda a certeza, acordar, enfrentar filas de trânsito, entrar numa repartição oficial, trabalhar dez horas por dia, voltar para casa, dar de comer às crianças e ir para a cama (sim, que com tanta azáfama lá se vai a vontade de fazer amor ou sexo...). A isto dá-se o nome de «sobrevivência». E é nesta condição que se encontram grande parte das pessoas. Há bastantes que vivem a vida, mas vivem-na porque podem, porque têm possibilidades financeiras e sentimentais - a estabilidade - para o fazer.
O que é «correr ao vento»?
Correr ao vento é ser livre, em primeiro lugar. É viver a vida, tentando vivê-la com os mínimos problemas possíveis. É possível fazê-lo sem nos tornarmos uns eremitas ou uns hippies loucos alienados da realidade? Eu provo que isso é possível todos os dias. Eu vivo a minha vida de forma intensa.
Apetece-me comer um gelado e correr com uma amiga no meio da rua durante o Verão? Pois bem, faço-o, sem me importar minimamente com as opiniões dos transeuntes que por ali possam passar. Apetece-me brincar, gargalhar e aproveitar cada sensação de alegria que invade o meu ser? Faço-o, pouco me importando se os meus sentimentos possam ser bem ou mal interpretados. Todavia, a tudo devemos imprimir um pouco de classe. É importante não confundir a liberdade com a vulgaridade. Para tudo há limites, mas a auto-imposição de limites é algo a que estamos habituados.
Viver a vida a cada segundo, aproveitando cada momento único e irrepetível que sucede na nossa existência. Viver a vida sem grilhões de terceiros, principalmente sem as amarras sociais que nos retiram o brilho e ânsia de viver. É tudo tão breve, tão efémero!...
Se negligenciarmos a nossa vida, um dia chegaremos à conclusão de que não a vivemos: outros a viveram por nós.

6 comentários:

  1. Tens razão, temos que viver o lado bom da vida... Correr ao vento...
    Forte abraço

    ResponderEliminar
  2. Eu diria que a maioria das pessoas não correm ao vento não porque não o possam fazer, mas simplesmente porque perderam a força ou a vontade para iniciar essa marcha...

    ResponderEliminar
  3. Gostei bastante de seu blog. Continue escrevendo desse jeito. Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. belíssimo e muito bem escrito!

    ResponderEliminar
  5. É tão bom ter livre-arbitrio, ter uma liberdade psicológica e física, acho que todos têm essa aspiração/desejo.

    ResponderEliminar
  6. Das coisas que mais tenho aprendido é viver a vida segundo os nossos princípios. Pessoas que vivem assim são pessoas que eu gosto de conhecer.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)