3 de setembro de 2010

Um Jantar Diferente



Ontem de tarde, eu, a mãe e a amiga da mãe (ai, amiga da mãe já começa a chatear. A P.) decidimos organizar um jantar em casa. Desde que estamos de férias jantamos sempre em restaurantes, o que se torna cansativo, para além da necessidade que todos temos de comer alimentos confeccionados de outra forma, digamos, mais caseiros. A mãe não sabe cozinhar; a P. diz que quando era solteira quem cozinhava era a mãe, depois de casada tem empregada; e eu não entendo nada de cozinha. Chegámos à conclusão que até seria divertido. Claro que tínhamos pequenas ideias de como se confecciona um prato.
Depois da praia, fomos ao supermercado comprar tudo o que fazia falta para o nosso jantar. Comprámos macarrão, tomate em calda, vinho para temperar, noz moscada, etc, etc, etc. De seguida, fomos ao talho. Gostei tanto. Nunca tinha entrado num. A coisa mais parecida que tinha visto foi o talho do El Corte Inglés, mas este era um pouco diferente. Um dos homens estava a cortar qualquer coisa e fazia imenso barulho. É incrível como ele consegue cortar a carne de forma tão rápida sem machucar os dedos. Comprámos frango do campo.
Já em casa, começámos a preparar aquele que viria a ser o nosso jantar. Lavámos a carne bem lavada e fomos colocando os ingredientes, um por um. A parte mais caricata surgiu na hora de ligar o "fogão". A mãe e a P. estavam na sala a beber Martini e eu fiquei de ligar aquilo. Ora, eu não me recordo de ver um "fogão". Em casa, desde que me lembro, sempre tivemos placa eléctrica. Aquilo tem botões e bicos e sei lá o quê! Virei o botão e fui até à sala ao encontro delas. Passado um pouco, cheirava imenso a gás. Sou tão estúpido. Não deduzi que o gás estava a sair. Mas eu não sei! Não tenho experiência disso. Rimos tanto. Abrimos a janela para arejar a cozinha. Já com a ajuda da P., colocámos a comida "ao lume". De salientar que risquei quatro fósforos e só ao quarto consegui.
Bom, o jantar estava óptimo! Nunca pensei que conseguíssemos. Eu não como carnes vermelhas há uns anos. A minha alimentação é baseada em peixe e leguminosas, essencialmente. Às vezes, como carnes brancas, mas raramente. Tudo seguido de perto pelo nutricionista da mãe. Aliás, eu não aconselho ninguém a fazer restrições alimentares sem consultar um médico.
Foi um jantar diferente. Uma experiência nova. Confesso que não fiquei muito inclinado a repetir. :)

10 comentários:

  1. Eu há anos, não sabia estrelar um ovo; e agora, porque a necessidade obriga (a casa dos pais não dura sempre), cozinho razoavelmente e até capricho nalguns pratos: o segredo está em inovar...é mesmo bom cozinhar, acredita!

    ResponderEliminar
  2. Pinguim: O problema é que eu necessito de tempo para adquirir prática. :) Ok, hei-de tentar mais algumas vezes. :))

    ResponderEliminar
  3. Oh Mark és realmente muito trapalhão! Então nunca tinhas ligado um bico de fogão!? Ahahahahaah
    Eu ainda sou do tempo em que faziam-se experiências laboratoriais com bico de bunsen - sempre seria um sítio onde podias ter aprendido a lidar com gás, mas agora só se usam placas de aquecimento...

    Olha que tens de começar a desenrascar-te melhor sozinho e a ser muito criativo quando começar esta nova fase da vida que vai começar.

    Eu já cozinho há algum tempo. Sempre me bastou ver a minha mãe para copiar os passos e os ingredientes. Acho muito fácil e divertido, é quase como estar num laboratório. Aliás, diz-se que um bom técnico de laboratório é um bom cozinheiro também!

    Olha... Para a próxima compra um isqueiro de cozinha, os fósforos não prestam.

    ResponderEliminar
  4. Vasco, assim sinto-me mal. Lol :)
    Nunca tinha mexido num fogão ou mesmo ajudado a cozinhar. Não achei interessante, mas talvez seja falta de estímulo.
    Não, não quero cozinhar na minha vida universitária. :)
    Não é de admirar que gostes: cozinhas e laboratórios estão intimamente ligados, srº cientista. :))

    ResponderEliminar
  5. Muito bom. Agora toca a experimentar um aspirador, um ferro de engomar, vassoura ou conhecer os produtos de limpeza que tens guardados. Porque no futuro meu amigo, tens duas hipóteses: ou encontras um gato borralheiro ou tornas-te rico e contratas uma empregada :)

    ResponderEliminar
  6. Pois, Speedy, talvez tenha de me dedicar mais aos artigos de casa. :)

    ResponderEliminar
  7. já que estamos numa de mandar, experimenta também as máquinas de lavar louça e roupa! Ah, experimenta agarrar no swiffer, na esfregona e sacodir os tapetes também deve ser giro. lol

    Sou da opinião que deves aproveitar enquanto tens oportunidade de não fazer nada, mas vá, podes ir experenciando ocasionalmente!

    ResponderEliminar
  8. No swiffer não posso mesmo por causa da asma. :))) Mas, uma vez, já coloquei a louça na máquina de lavar. :)

    Tiago, és uma pessoa compreensiva e educada (eu li o comentário publicado naquele blogue de uma pessoa que tentou faltar-me ao respeito). Sabes, por vezes, é a inveja dessas pessoas que as faz falar. :)

    ResponderEliminar
  9. "diz que" o swiffer é optimo, que não levanta pó, agarra logo tudo (benditos campos magnéticos)!

    Em relação ao outro blog, creio que o objectivo era "provocar" sem chegar ao ponto que chegou, as coisas descontrolaram-se e terminaram daquela forma...

    ResponderEliminar
  10. Deve sempre levantar um pouquinho. :))

    O rapazinho diverte-se a falar de mim. Foi ele quem começou a seguir o meu blogue e a comentá-lo, até porque nem acho o blogue dele grande coisa. Está obcecado por mim, de outra forma não me teria dedicado um post. Mas morreu definitivamente para mim.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)