13 de setembro de 2010

Longe da vista, perto do coração...



Nos tempos antigos, em que damas e donzelas aguardavam a chegada dos seus maridos algures em trabalhos longínquos ou na guerra, surgiu a ideia de que o amor necessita de uma presença física constante. Necessitará? O amor e a paixão são sentimentos que se completam, contudo, não são iguais. A paixão necessita do toque, da água fresca para apagar o fogo que queima e não se vê, do contacto entre os corpos, do desejo que traz o prazer. O amor, por sua vez, transcende essas etapas irrisórias aos olhos de um sentimento tão nobre. O amor consegue vencer obstáculos, ultrapassar desafios, resistir à árdua tarefa de ganhar a batalha ao tempo. O amor é como uma semente que plantamos no nosso ser. É regada pela pessoa que gostamos, pelo sentimento que nos demonstra. Germina, por fim, e dá lugar a uma bela árvore que resiste incólume a ventos, tempestades e marés. A distância tem o efeito de adubo: aguça e fortalece a raiz do amor, tornando-o mais forte, robusto a todas as intempéries que o atormentam. O amor toma semelhanças ao cacto, armazenando água, uma vez que não tem acesso a ela sempre que assim o deseja. Porventura, não vive sem aquela brisa, mesmo que distante, mas que traz o oxigénio necessário à sua sobrevivência. Mais uma vez, é como uma árvore antiga, velha, mas cujas raízes desafiam a dureza do aço mais resistente. O amor a tudo sobrevive, até mesmo à morte. É invencível, imortal e cego. Só tem de ser verdadeiro. Parece simples, todavia, é o mais difícil. 
Ainda existem árvores destas, o mundo ainda não está perdido.

9 comentários:

  1. depende de que amor falamos.se falamos de amor romântico ele precisa do toque, sem dúvida.

    ResponderEliminar
  2. Esse amor romântico associo aos primeiros tempos do amor. Sim, reconheço a necessidade do toque, do afecto. Mas, ao ganhar maturidade, acredito que o amor supera tudo, mesmo a impossibilidade do toque por motivos de força maior. :)

    ResponderEliminar
  3. Mas amor com paixão é ainda melhor :).

    ResponderEliminar
  4. Não sou a melhor pessoa para falar deste assunto, mas para mim, relações à distância não funcionam.
    É preciso haver toda aquela preparação e só depois é que se deve ponderar se vivem sem um carinho ou um gesto do outro.

    Só os amores podem saber.

    ResponderEliminar
  5. olha para mim... eu sou um carvalho

    ResponderEliminar
  6. LusoBoy: An, an. :) Concordo, se concordo. xD

    André: Eu acho que as relações à distância podem funcionar, mas com uma boa dose de confiança mútua. :)

    Speedy: Gosto, dá bolota. :))

    ResponderEliminar
  7. estava precisando dessa dose de romantismo nessa manhã. valeu

    ResponderEliminar
  8. @mark: também acho que relações à distância não funcionam na maioria dos casos, a intimidade constroi-se todo os dias e também se perde pela falta de interacção quotidiana.

    Ah, e o amor precisa sempre de toque. Não estou com isto a falar de sexo.

    ResponderEliminar
  9. Silvestre: Pois, talvez tenhas mesmo razão. Com o tempo, as relações "distantes" vão se desgastando. Falava por convicção e não por experiência. Mas, vendo bem as coisas, o amor precisa do toque. De facto.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)