9 de junho de 2010

Um dia...



Foste cego ao perderes uma pessoa como eu. Igual a mim não encontras tão facilmente. Sei que pensaste que eu era substituível. Afinal, no teu entender, era apenas mais uma relação fugaz e rápida, tão rápida quanto a velocidade da luz. Esqueceste-te, porém, que cada pessoa é única, cada sorriso tem uma história, cada momento é irrepetível. Fui estúpido ao apostar em ti, ao acreditar nas tuas palavras. Mas sei que não encontras o mesmo que só eu te dou. Procuras as mesmas sensações que viveste, a mesma alegria da partilha e os sonhos que julgavas serem passíveis de se repetirem no tempo. Sabes, agora, o que é a diferença? Nem tudo é igual. Esse teu olhar infeliz não me diz nada. Cada um faz as suas escolhas. Ainda exibes a tua falsa felicidade como um troféu. Ela é tão querida, não é? Sou capaz de apostar que faz um esforço para ser como eu.
No entanto, um dia vais querer voltar. Vais chamar pelo meu nome. Em breve vais descobrir que não é qualquer pessoa que te fará feliz. Não venhas com choros arrependidos ou com palavras de comoção forçadas. Em mim vive esse abismo que te consome, que te despreza e que te dará a indiferença como prémio por tão mau desempenho. Vais falhar. Sei que sim.
Um dia, estarás de volta.
Mas eu não quero o teu amor nunca mais.

1 comentário:

  1. :S é sem duvida uma escolha dificil de fazer muitas vezes. A de deixar-mos totalmente de lado a pessoa de quem gostamos. Só que infelizmente o que acontece é que chega uma altura que nos vemos obrigados a colocar o nosso amor proprio acima do que sentimos pelo outro. O que nao quer dizer que com esforço, o outro lado nao conseiga uma segunda e ultima oportunidade. Quem sabe as coisas nao correm bem, desde que os sentimentos estejam ainda vivos.
    Gosto bastante do teu blog. Abraço.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)